Formação de uma pérola


A margarita, conhecida popularmente como pérola, é um material orgânico que na maioria das vezes é esférico e duro. Essa é produzida através da invasão de organismos externos, como grãos de areia ou vermes, em moluscos, ou seja, nas ostras. Podemos dizer, que está é um tipo de joia muito valorizada, sendo a única que possui gema animal.

Vale ressaltar que as ostras são os únicos animais que são capazes de produzir pérolas, joias tão apreciadas no mundo todo. No entanto, não são todas as espécies capazes de produzi-las.

Segundo pesquisadores, uma pérola pode durar cerca de 150 anos. No entanto, recentemente foi encontrada durante uma escavação em uma zona aborígene na região da Austrália, uma pérola natural com idade que data cerca de 2 mil anos.

pérola

No Golfo Pérsico estão localizadas as pérolas caracterizadas com as de maior qualidade, as conhecidas pérolas do oriente. Além disso, elas são produzidas na América Central, na Índia, no Taiti, no Sri Lanka e na Austrália. No Japão por sua vez, elas são produzidas em larga escala, pelo método de cultivo, criado no início do século XX, como uma maneira de acelerar o processo de formação das pérolas. Isso porque, para que elas se maturem por completo, são necessários três anos.

Cuidados que devem ser tomados com pérolas

Para que as pérolas durem por mais tempo, são necessários alguns cuidados essenciais. Primeiramente, elas devem ser guardadas com um tecido as envolvendo, e devem ser separadas de outras joias. Na hora de limpar a pérola, deve-se evitar a utilização de produtos químicos típicos de estética, como perfumes, cosméticos e produtos para cabelo. Isso porque esses produtos acabam por retirar o brilho dessas joias.

No Pacífico, encontramos as pérolas dos mares do sul, que são caracterizadas coo sendo as mais rara de todas, além de serem as maiores já encontradas.

Durante toda a antiguidade histórica de nossa civilização, as pérolas sempre foram consideradas artefatos de muito valor. Um exemplo disso está na época do Império Romano, época em que as pérolas tiveram seu apogeu. O imperador Júlio César, ofereceu a uma de suas conquistas amorosas, uma pérola a Sérvilia. Já Vitélio, um general de Roma, roubou uma das joias de pérola de sua mãe e a utilizou para financiar sua volta ao exército, já que ele estava cheio de dívidas.

Resumo do processo de formação de uma pérola

Organismos invasores invadem a concha, o processo de formação de uma pérola se inicia. Em seguida, o parasita invasor acaba entrando em contato com o tecido que é o responsável por defender a ostra, conhecida como manto, causando no interior desse molusco uma espécie de irritação.

De maneira imediata, o manto começa uma reação de defesa. Para isso, ele se dobra sobre o parasita invasor com o objetivo de fazer com que ele fique isolado por completo. A reação defensiva só se completa quando a madrepérola é secretada. Vale ressaltar neste momento, que esta é a mesma substância que a concha produz.

A madrepérola é depositada no invasor, formando assim uma camada de proteção. Depois que o parasita é isolado, a pérola passa a crescer. Isso é possível porque a ostra não deixa que o nácar pare de ser secretado.

Por este processo, entende-se que as pérolas são consequências de uma natural reação do molusco, ou seja, da concha, contra os organismos externos que a invadem. Quando ela finalmente passa a se defender dos intrusos, passa a se defender com o nácar, substância também conhecida como madrepérola. Essa por sua vez, se cristaliza de maneira rápida, mantendo o perigo isolado e formando uma rígida bolota. Só se formam pérolas totalmente esféricas quando o organismo invasor é completamente coberto pelo manto, distribuindo assim a madrepérola de forma igual. Por isso é muito comum que as pérolas sejam encontradas grudadas dentro das conchas, caracterizando-se como sendo uma espécie de verruga.

É por este motivo, que essas são consideradas as pérolas de maior valor. Para que ela se mature são necessários três anos. Cientistas japoneses criaram no início do século XX, uma forma de acelerar o processo de formação de uma pérola. Para isso, eles introduzem na concha uma bola pequena de madrepérola, ou nácar. O resultado final é tão bom que até mesmo para os especialistas em joias ou para pesquisadores da área, é difícil diferenciar uma pérola cultivada de uma pérola natural.

A cor de uma pérola varia de acordo com a saúde que a ostra apresenta e também com as condições do ambiente. Isso porque durante o processo de formação de uma pérola, substâncias que estão presentes na água podem ser agrupadas nela. As cores mais comuns são branca, rosa, preta, creme e cinza.

Até o século XVII, não havia nenhum tipo de tecnologia existente que podia polir pedras preciosas, como esmeraldas e rubis. Por este motivo, as pérolas eram nessa época, um dos maiores símbolos de poder e de riqueza.