Os Raios X


O exame de raio x é um dos exames mais realizados. O médico solicita este tipo de exame geralmente quando caímos, por exemplo. É o exame de raio x que irá comprovar ou não se algum osso foi fraturado. O raio x consiste em uma radiação eletromagnética que possui suas frequências e que são superiores às radiações. Este tipo de exame é antigo: sua descoberta data do ano de 1895, ano que foi realizado o primeiro raio x da história, foi descoberto pelo físico de origem alemã, Wilheelm Conrad Röentgen (1845-1923), que em função da grandiosa descoberta, foi merecedor do prêmio Nobel no ano de 1901.

Por ser um grande estudioso e também um curioso da física, Conrad descobriu o raio x ao fazer um estudo sobre a luminescência por meio dos raios catódicos, que foi realizado em um tubo, denominado “Crookes”. Neste experimento foi descoberto este raio, e a denominação “x” ele utilizou, pois não conhecia a origem desta luz.

Raios X

A descoberta

Os raios catódicos que estavam no tubo de Crookes, foram envoltos pelo físico em uma caixa que continha um filme negro, na sua parte interna, e que foi armazenada em uma câmera escura. Juntamente com esta caixa tinha um pequeno pedaço de papel no qual estava recoberto por platino cianeto de bário. Foi aí que Röentgen notou que no momento em que era fornecida a energia cinética para os elétrons que estavam no tubo, eles soltavam radiação, e esta radiação era o que marcava a chapa fotográfica. Depois de vários experimentos, finalmente, o resultado: através de uma fotografia foi revelada a estrutura, composta pelos ossos da mão, tornando-se assim, a primeira radiografia da história.

Como geralmente ocorre com o que é novo, com o que não conhecemos muito bem, naquele tempo ainda se sabia pouco sobre o raio x, a respeito de que ele era constituído. No início do século passado, algumas evidências haviam sido encontradas alertando para a possibilidade do raio x ser formado por partículas. Porém, mediante estudos que movimentou a cúpula científica da época, Walther Friedrich e Paul Knipping provaram, através de uma experiência em 1912 onde foram capazes de fazer com que um feixe de raio x atravessasse um cristal, ocorrendo uma transferência exatamente da mesma maneira que é feita com a luz. Tal experimento comprovou que os raios x eram sim, ondas eletromagnéticas.

Natureza eletromagnética:

As radiações dos raios x se propagam na velocidade da luz, sendo assim, como acontece com qualquer radiação eletromagnética, eles submetem-se aos fenômenos chamados de:

• Refração;

• Difração;

• Reflexão;

• Polarização;

• Interferência;

• Atenuação

A penetração dos materiais acaba se tornando relevante porque exatamente todas as substâncias encontram-se transparentes aos raios.

A principal maneira com que é realizado um raio x é por meio de impressão dos filmes fotográficos e que podem ser utilizados tanto para fins medicinais – com as radiografias, quanto para fins industriais também desta forma. Há também a forma de detecção, que se dá através do aquecimento dos elementos constituídos a base do chumbo e que, por sua vez, são capazes de gerar uma imagem termográfica.

No campo da medicina, o raio x é muito utilizado em tratamentos de câncer por exemplo. As radiações a qual as pessoas se submetem no momento do exame de raio x é de aproximadamente 5 mil a 7 mil rads, elas são distribuídas em pequenas partes do nosso corpo humano e apenas por um curto período, pois se houver uma exposição aos raios por muito tempo, a pessoa pode sofrer graves danos à saúde, como vermelhidão na pele, queimaduras mais intensas, ou ainda em casos mais extremos pode ocorrer mutação do DNA, lesão cancerígena e/ou leucemia. O nosso organismo tolera a exposição de 0,1 röntgen no máximo, a cada dia em toda a superfície do corpo humano. Tamanho o cuidado com que devemos ter ao nos submetermos a estes raios, é que o profissional que trabalha nesta área, o radiologista precisa se ausentar, ou seja, este profissional recebe 20 dias de férias a cada semestre, o que evita a exposição aos raios em excesso deste trabalhador.

O técnico de radiologia também pode atuar na área de engenharia onde usa os aparelhos no rastreamento das estruturas e das tubulações dos edifícios que estão “escondidas” sob o concreto. Este profissional também pode vir a atuar em outro nicho de mercado em expansão: a indústria farmacêutica e a indústria alimentícia. Nelas, o profissional trabalha juntamente com engenheiros e físicos operando as fontes radioativas na esterilização dos alimentos e dos medicamentos.

Graças a curiosidade e aos estudos excessivos de Wilheelm Conrad Röentgen hoje podemos usufruir dos benefícios do raio x em diversas áreas, não apenas na medicina, como vimos neste artigo, porém devemos tomar muito cuidado com as radiações eletromagnéticas, pois uma exposição excessiva a elas pode resultar em graves doenças.