Globalização recente: Contexto e efeitos na política


Termo de origem inglesa a Globalização nada mais é do que um processo de integração política, social, cultural e econômica. É dividida em vários períodos, mas acredita-se que sua existência remonte da época das navegações, que propiciou uma abertura maior das relações comerciais entre os países.

Para facilitar a compreensão deste processo existe a seguinte divisão: Primeira Fase do Expansionismo Mercantilista (1850-1950), segunda fase Industrial – Imperial -Colonialista (pós 1989), e por fim, a Globalização Recente, também conhecida como Cibernética, Tecnológica e Associativa.

Globalização

Neste artigo discutiremos apenas a Globalização Recente.

O Contexto

No Século XX três grandes projetos de liderança originados pela Globalização entraram em conflito, sendo eles:

O Comunista (iniciado com a Revolução Bolchevique no ano de 1917, e reforçado com a Revolução Maoista da China em 1949). Também o Contra-Revolução Nazi-Fascista (considerada uma reação dos movimentos de direita para com o Comunismo em 1919), e, por fim, o Liberal Capitalista.

Logo no início (1941 – 1945), Liberalismo e Comunismo se aliam numa tentativa de defesa, e também, para acabar com o Nazi-Fascismo. Na sequência Estados Unidos e a então União Soviética, ou seja, o liberalismo e o comunismo entram em desacordo, o que acaba gerando um dos maiores conflitos ideológico da história, a Guerra Fria.

A Guerra Fria teve inicio no ano de 1947 e acabou em 1953 após a aplicação Política de Glasnot de Mikhail Gorbachov. Considera-se como marco histórico deste momento a queda do Muro de Berlim em 1989, também, a saída das tropas soviéticas da chamada Alemanha reunificada, e por fim, a extinção da URSS no ano de 1991.

Apesar dos esforços da China em manter o regime Comunista a abertura de espaço para instalação de multinacionais e a implementação de indústrias acabou fazendo o movimento perder seu sentido ideológico. Hoje assistimos apenas a um sistema hegemônico na economia mundial, o Capitalismo. Pode-se dizer, portanto, que não há nenhuma barreira impedindo a Globalização.

Além disso, vemos na Economia Mundial uma forte presença dos Estados Unidos e da supremacia do dólar. Há quem diga que a Globalização Recente nada mais é do que a “americanização” do mundo.

Os efeitos na política

Na política, uma das principais características trazidas pela Globalização Recente é adoção de Regimes Democráticos. De acordo com pesquisa realizada pela Organização das Nações Unidas (ONU) 112 países adotam, atualmente, o regime democrático.

Mas é bom lembrar que o G7 (grupo internacional que reúne os sete países mais industrializados do mundo: EUA, Itália, Japão, Canadá, França, Alemanha e Grã Bretanha) tem assumido cada vez mais seu papel na Globalização Recente, e por vezes, as decisões tomadas durante seus encontros surtem grande efeito na política, e porque não dizer, na economia mundial.

A integração

A Globalização Recente tem nos propiciado uma maior integração via satélites e rede mundial de computadores, contudo isso originou um grande abismo entre os países de Terceiro Mundo e os do G7, afinal, os países mais industrializados estão em vantagem quando o assunto é tecnologia aliada à informação.

Quando discutimos esse assunto podemos enxergá-lo de duas formas: A primeira seria a dos céticos que não vêem futuro nenhum para os “países pobres”, e acreditam que a supremacia norte-americana deve dominar o mundo. Entretanto, há aqueles que têm um olhar mais otimista com relação ao que está por vir e acreditam no nascimento de um sistema cooperativo e de intercâmbio entre as nações.

O que devemos esperar

Não há que se negar que a Globalização, em si, é um grande evento econômico, político e cultural, mas há quem ainda se preocupe que ela seja a responsável por aumentar as diferenças entre pobres e ricos.

No hall de prós e contras da Globalização figuram diversos discursos que variam dos mais pessimistas aos mais utópicos. Não podemos negar que a Globalização trouxe mais empresas e investimentos, principalmente para os países de Terceiro Mundo, mas também temos que ter bom senso para entender que isso não passa de um plano para se produzir mais, pagando muito menos.

Outro importante fator que deve ser levado em conta são as tecnologias, principalmente seu poder e uso. Vivemos em um era onde todas as informações são criadas, processadas e enviadas em uma velocidade assustadora. Além disso, a população mundial tornou-se totalmente dependente de tais ferramentas.

Nessa história toda ainda merece atenção a criação dos Blocos Econômicos (NAFTA, MERCOSUL, União Européia), afinal, apesar de seus objetivos e resultados ainda serem controversos há muito que acontecer, e certamente, podemos esperar que estas organizações protagonizem grandes momentos na política e economia mundial.

Os mais otimistas dirão que a Globalização significa apenas um passo em direção ao tão sonhado governo unificado, onde não haverá diferenças, muito menos, divisões baseadas em ricos e pobres. Mas, enquanto isso não acontece vivemos em uma divisão entre a certeza de um mundo mais próspero X a configuração de um mundo que será totalmente polarizado.