Guerra Fria: História e Acontecimentos


Após o final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, a oposição entre capitalismo e socialismo foi levada ao extrema por causa da bipolarização política, militar e ideológica que acabou submetendo aos interesses soviéticos e norte-americanos as relações internacionais. Em razão do agravamento das tensões e da distensão dos pólos rivais, a Guerra Fria acabou durando praticamente meio século, ou seja, até 1991 quando se deu o fim da União Soviética.

Guerra Fria

Início do “conflito”

Em março de 1947, o presidente norte-americano Harry Truman, a fim de combater a influência soviética e o comunismo, discursou no Congresso acabou afirmando que os Estados Unidos iriam se posicionar em favor das livres nações que ansiassem resistir às tentativas de dominação. Neste mesmo ano foi lançado o Plano Marshall, um programa de recuperação e de investimentos econômicos para os países da Europa que estavam em crise depois da guerra.
Em represália, a União Soviética criou um órgão que ficou encarregado da união dos principais partidos europeus comunistas e de afastar os países sob influência da supremacia norte-americana. Este plano foi chamado de Kominform e gerou o bloco do ‘cortina de ferro’.

Por isso, no ano de 1949 criou-se o Comecon, um plano para complementar a reação soviética, uma espécie de réplica do Plano Marshall para os países socialistas.

Diante do revigoramento da Alemanha Ocidental, graças à unificação administrativa do território e também dos investimentos que o Plano Marshall oferecia, a União Soviética impôs um bloqueio terrestre para Berlim no ano de 1948. A parte do Ocidente que era capitalista acabou respondendo com o abastecimento à Berlim capitalista por vias aéreas, criando uma alta e internacional tensão. No ano seguinte foram instituídas duas Alemanhas, a Ocidental – República Federal da Alemanha e ainda a Oriental – República Democrática Alemã.

Em agosto do ano de 1961, foi construído o Muro de Berlim, com o objetivo de separar de maneira concreta os lados da cidade e que acabou se tornando o verdadeiro símbolo da divisão da Alemanha e consequentemente da Guerra Fria. No ano de 1989, deu-se a sua derrubada, em um cenário de verdadeiro colapso do socialismo real tornou-se o marco do final desse período. Em seguida, a Alemanha foi unificada.

Fatos importantes ocorridos no período

Outros fatos significativos somaram-se a essa tensão internacional, com a criação em abril de 1949 da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a Otan, uma espécie de aliança político e militar dos países ocidentais, composta por alguns países, como Canadá, Estados Unidos, França, Reino Unido, Países Baixos, Bélgica, Dinamarca, Luxemburgo, Finlândia, Noruega, Itália e Portugal. Mais tarde, Turquia, Grécia e Alemanha e Ocidental se juntaram a esses países, o que significou opor a Europa Ocidental toda frente à União Soviética.

Acabaram por surgir uniões econômicas da Europa, onde a Organização Europeia da Cooperação Econômica pode ser citada como exemplo Criada no ano de 1948, a fim de administrar o Benelux e o Plano Marshall, ele era composto pelos Países Baixos, pela Bélgica e Luxemburgo. Em 1951, formava-se a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, a Ceca, seguida seis anos depois pela Comunidade Econômica Europeia, a CEE, também chamado de Mercado Comum Europeu, ou conhecido apenas pela sigla MCE, que englobava praticamente todos os países da chamada Europa Ocidental.

No ano de 1955, foi criado o Pacto de Varsóvia do lado soviético, o que acabou por configurar um emparelhamento ao bloco comunista. Este pacto uniu todas as forças militares que existiam na Hungria, Albânia, Bulgária, Alemanha Oriental, Romênia, Polônia e a Tchecoslováquia. Dessa maneira, a bipolarização mundial certa plenitude.

No meio de toda essa tensa situação, desencadeou-se a Revolução Chinesa, no ano de 1949, e ainda o lançamento da de uma bomba atômica soviética, a primeira. Em 1950, a Guerra da Coréia teve início e pode-se afirmar que este foi um dos marcos da Guerra Fria e até mesmo que foi a mais séria ameaça que já havia acontecido para o estabelecimento de uma paz no mundo, depois é claro, da Segunda Guerra Mundial.

Na primeira metade da Guerra fria, o objetivo era a corrida armamentista, ou seja, a busca pela construção de um grande arsenal de armas nucleares. Este período se estabilizou nas décadas de 60 e 70, mas foi retomada nos anos 70 através do projeto ‘Guerra nas Estrelas’ do então presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan.

A tecnologia foi o setor sem dúvida alguma que mais se beneficiou com a Guerra Fria. Está nesse contexto também a corrida espacial. Tanto os Estados Unidos quanto a União Soviética investiram pesado na tecnologia espacial, já que ela é necessária para que foguetes e mísseis possam ser lançados.
A rivalidade entre esses dois países aumentou tanto, que o presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy prometeu enviar até o final da década de 60, um americano à Lua, fato conseguido no ano de 1968, quando a missão tripulada Apollo 88 enviou Edwin Aldrin e Neil Armstrong e eles tornaram-se os primeiros humanos a caminharem na lua.

O ano de 1989 foi marcado por diversas mudanças. Por exemplo foi o primeiro ano em que se viu eleições livres daquele mundo socialista, com mídia livre e vários candidatos concorrendo. A maioria dos historiadores, marca a queda do Muro de Berlim, que aconteceu no dia 9 de novembro de 1989 como o fim da ‘Cortina de Ferro’ e da Guerra Fria.