Resumo sobre o livro Iracema: Sinopse


Publicado no ano de 1865, o livro Iracema é um romance do período romântico da nossa literatura, escrito pelo famoso escritor José de Alencar. Este foi um advogado, político, crítico, jornalista, polemista, dramaturgo, romancista e cronista brasileiro, filho de um senador e autor de muitas obras ainda muito conhecidas nos dias de hoje.

O título original desse livro é Iracema – a Lenda do Ceará. Nessa obra, José de Alencar cria uma explicação totalmente poética para as origens de sua terra natal, e a virgem dos lábios de mel tornou-se o símbolo do Ceará e Moacir, seu filho, nascido de um amor avassalador com o colonizador português, chamado de Martim, representa o fruto da união de duas raças.

livro Iracema

Iracema é um poema escrito em prosa, um verdadeiro exemplo de prosa poética, e segundo historiadores e críticos, uma narrativa épica e lítica.

A história narra o encontro da civilização, dada pelo personagem Martim e, da natureza, dada pela figura de Iracema. Ela se passa nos primeiros anos do século XVII, na época em que Portugal ainda estava sob o domínio da Espanha, que na época estavam unificadas e era chamada de União Ibérica. Há em Iracema um ritmo poético que é influenciado pelos ritmos da natureza e também pela percepção de sua passagem, percepção sensorial, ou seja, as estações, o sol, a lua e a brisa.

A história começa a ser narrada no ano de 1603 e se prolonga até o ano de 1611. Os protagonistas, Iracema e Martim se dá no ano de 1604 e é narrado em praticamente todo o romance. A valorização da cor local, do típico, do exótico, inscreve-se na intenção nacionalista de embelezar a terra natal por meio de metáforas e comparações que ampliam as imagens de um Nordeste paradisíaco, primitivo. É o Nordeste das praias e das serras (Ibiapaba), dos rios (Parnaíba e Jaguaribe) e da Bica do Ipu ou “bica

Filha do pajé Araquém, pertencente à tribo dos tabajaras, Iracema tomava banho em um rio e Martim se aproximou. Quando o viu, Iracema rapidamente o atacou com uma flecha, mas ao observar sua expressão de espanto, eles logo se perdoaram. Em seguida, Iracema e Martim seguiram para a tribo da jovem índia, onde ficou hospedado por algum tempo.

Em pouco tempo, eles se apaixonaram, mas este era um amor impossivel, já que Iracema era virge de Tupã. Em certa noite, o estrangeiro levou Iracema para o bosque de Jurema, oferencendo a ela uma bebida, e os dois adormeceram. Assustada, Iracema deixou Martim adormecido e partiu, mas quando retornava para a tribo encontrou-se com o chefe dos guerreiros, Urapuã.

Acreditando que Iracema havia entregado sua pureza para Martim, Urapuã jurou morte ao estrangeiro, até que eles resolvessem que o melhor a se fazer era partir. Iracema então procurou Poti, e este logo veio ao encontro do amigo para ajudar na fuga. Antes de partir, Iracema se entregou ao estranheiro e Tupã acabou perdendo sua virgem.

No dia marcado para a fuga, Iracema viu que não poderia viver sem seu amor e fugiu com ele. Mas, eles foram alcançados pelos guerreiros tabajaras e uma intensa batalha se iniciou. O fato de trair sua tribo passou a atormentar a índia, mas Martim supria sua carência.

Poti, Martim e Iracema se estabeleceram perto do mar e foi nesse período, que a índia anunciou que estava esperando seu primeiro filho. Martim partiu em uma batalha e Iracema acabou entristecendo. Nesse período, nasce Moacir, filho do casal e Iracema encontrava-se mergulhada em uma profunda tristeza, perdendo as forças e o apetite.

Martim finalmente regressou e a graça de ser pai acabou reacendendo nele a graça do amor, mas Iracema ficou fraca demais e acabou morrendo. Não encontrando mais motivos e mergulhado em saudades, Martim não via mais motivos para permanecer naquelas terras e então, partiu com Moacir para sua terra natal, prometendo voltar alguns anos depois.

Quando enfim retornou, veio na companhia de homens de sua raça e ainda de um sacerdote de sua religião, e na terra onde sua amada repousava, fundou a mairi dos cristãos. Poti, seu fiel amigo, foi o primeiro a adotar essa nova religião.

O final do livro narra a última batalha de Martim a favor dos pitiguaras e com emoção, ele relembrava todos os momentos felizes que teve com Iracema naquelas terras.

Iracema perpetuada

A obra é tão conhecida, que a personagem Iracema foi perpetuada em outras diversas obras, sendo tema de muitas pinturas e também esculturas brasileiras. Na Praia de Iracema, localizada no Ceará, mais precisamente na cidade de Fortaleza, localiza-se a Estátua de Iracema e outra está na mesma cidade, na Lagoa de Messejana.

No ano de 1979, o cineasta Carlos Coimbra lançou um filme brasileiro contando a história de Iracema, e recebeu o nome de Iracema, a virgem dos lábios de mel.