Orações Coordenadas: Sindéticas e Assindéticas


A língua portuguesa é repleta de detalhes, regras e classificações. É preciso estar sempre atento para as recomendações e também mudanças da norma para não cometer nenhum erro, tanto na hora de falar, como também no momento em que for escrever os seus textos. Para escrever adequadamente, e se dar bem em provas e concursos, é necessário conhecer as regras da norma culta, assim como as classificações definidas pela língua portuguesa. Pode parecer difícil, a uma primeira impressão, mas, com dedicação e empenho, você conseguirá aprender com facilidade. E, é claro, muito treino, estudos e concentração. Entre as classificações que se deve aprender ao estudar a língua portuguesa, estão as orações coordenadas.

Orações Coordenadas

O que são e como se formam as orações coordenadas

As orações coordenadas classificam-se quando aparece um período composto, ou seja, aquele que possui duas ou mais orações. Este tipo de oração caracteriza-se pelo ligamento de uma com a outra, ou somente em seus sentidos quando são independentes sintaticamente. As orações, para serem coordenadas, se ligam por meio de vírgulas ou conjunções. Elas podem perfeitamente ser compreendidas de maneira separada, sem que cada uma das orações perca o seu sentido único e individual. Portanto, as orações coordenadas se formam pelo conjunto das orações ligadas, através dos meios apontados anteriormente.

Tipos de orações coordenadas

As orações coordenadas se dividem em assindéticas e sindéticas, e cada uma delas possui suas definições e particularidades. Cabe às pessoas conseguirem identificar sua classificação, seja para passar de ano ou ser aprovado em um processo seletivo muito concorrido. Conhecer os tipos de orações coordenadas é fundamental para obter sucesso nessas provas.

As orações coordenadas assindéticas são aquelas em que o ligamento não acontece por meio de conjuntos, mas com uma pausa. Esta, na maioria dos casos, é sinalizada através de uma vírgula. As orações coordenadas, por outro lado, são aquelas em que a ligação de orações é feita por meio de conjunções, nomeadas conjunções coordenativas. Conforme a conjunção que é utilizada entre as orações, surge uma nova classificação das coordenativas sindéticas.

Classificação das orações sindéticas

A classificação das orações coordenadas não para em assindéticas e sindéticas. Como mencionado anteriormente, as orações coordenadas sindéticas possuem uma divisão própria devido ao tipo de conjunção utilizada para fazer a ligação das frases. O primeiro tipo na classificação são as orações coordenadas aditivas. Este tipo passa a ideia de somatória de uma oração a outra. Para este efeito, são usadas tanto conjunções como também locuções conjuncionais. Entre elas, estão: nem, e, também, não só… como também, bem como, não só… Mas ainda, não só… Mas também, assim… Como, entre outras.

O outro tipo são as sindéticas adversativas. Neste caso, a ideia é de que a oração posterior nega a anterior. Para este tipo de oração, a utilização da vírgula é obrigatória antes da negativa. São usadas conjunções e locuções conjuncionais como: entretanto, não obstante, porém, antes, mas, nada obstante, no entanto, ainda assim, entre outras.

A próxima espécie são as sindéticas alternativas. Como o próprio nome sugere, este tipo de oração coordenada sindética dá o efeito de alternância de uma oração para a outra. Aqui, a vírgula também se faz obrigatória entre as frases, mas caso exista apenas uma oração, sua utilização é opcional. Entre as locuções conjuncionais e conjunções usadas nestes casos estão: ou, já…já, ou… ou, quer… quer, ora… ora, nem… nem, seja… seja, entre outras.

As sindéticas conclusivas são aquelas em que a frase posterior conclui uma ideia da oração anterior, sendo este mais um tipo de oração coordenada sindética. Nesta situação, a vírgula é, também, obrigatória entre as orações. Para elaborar este tipo de oração coordenada, são usadas as seguintes conjunções e locuções conjuncionais: de modo que, consequentemente, desse modo, assim, logo, então, por consequência, por isso, portanto, pois, por conseguinte, entre outras.

Por fim, mas não menos importantes, estão as orações coordenadas sindéticas explicativas. Esta espécie transmite, na oração posterior, uma explicação da frase anterior, sendo também obrigatória a utilização da vírgula para este caso. Entre as conjunções e locuções conjuncionais usadas, estão: na verdade, porque, que, ou seja, porquanto, a saber, isto é, pois, entre outras.

Estas são apenas algumas das inúmeras classificações e regras determinadas pela língua portuguesa. Ao primeiro momento, você pode pensar que a matéria é muito complicada e são muitos detalhes para serem lembrados – e isso é realmente uma verdade. Porém, com dedicação e o cuidado apropriado, você conseguirá aprender tudo sobre o português, suas classificações, definições, normas e regras, facilitando, inclusive, na hora de escrever e conversar.

A língua portuguesa é considerada uma das mais difíceis justamente por tantos detalhes, normas, alterações, concordâncias. Mas tudo fica muito mais fácil quando se tem empenho e esforço em alcançar os objetivos. Nos estudos, essas são características fundamentais e essenciais para quem deseja aprender – e não esquecer. Por isso, deixe a preguiça de lado e foque-se nos seus estudos e aprendizados.