Resumo Xilogravura


A antiga técnica chinesa, chamada xilogravura, significa impressão na madeira. Para entender melhor essa técnica vamos começar com a sua origem e apesar de não saber exatamente a origem, há indícios de uso da técnica na Ásia, no século I, mas a primeira vez que ela foi de fato documentada foi na obra “Diamond Sutra”, livro chinês datado de 868, o qual chegou ao ocidente no final do século XIV.

Resumo Xilogravura

Dessa maneira a técnica se disseminou durante a Idade Média e se inovou no século XVIII. Em seguida foi para as nações europeias influenciando a arte no século XIX. Thomas Bewick criou, a partir da xilogravura, uma técnica de gravura de topo que reduz os custos de produção industrial de livros com ilustrações, produzindo imagens pictóricas em larga escala.

Ele teve a ideia de utilizar uma madeira mais dura para matriz e fazer a marcação do desenho com o buril, utilizado para gravura em metal em que o traço ficava mais claro e definido.

Na Europa usava-se a técnica para imprimir cartas e também para realizar estampas humorísticas vendidas em feiras populares. Outro uso foi feito pela igreja, imprimindo a obra “A Arte de Bem Morrer”. Nela um homem está em seu leito de morte, demonstrando o uso da técnica para fins doutrinários. Acima da cama diversos anjos, santos e também Jesus crucificado.

Com Gutemberg e a invenção dos tipos móveis, havia combinação dessa técnica com a xilogravura para as ilustrações. Tornava-se mais simples e barato ilustrar as obras.

Por outro lado alguns artistas não gostavam na xilogravura, pois achavam que era muito mais fácil reproduzir e os detalhes não ficaram tão evidentes como na produção manual.

Apesar dessa opinião de alguns artistas, Aldus Manutius Hypnerotomachia Poliphili fez um livro ilustrado com altíssima qualidade, usando as técnicas da xilogravura. É considerado uma das grandes obras da Renascença. Apesar disso, ninguém mais conseguiu tal qualidade de reprodução.

Apesar disso, pintores conseguiram aprimorar a xilogravura, como Gauguin e Munch que fizeram a xilogravura voltar à tona e ser aceita.

No século XX novas técnicas são descobertas fazendo com que a xilogravura fique para trás. Os processos de impressão a partir da fotografia deixou a chinesa de lado e considerada ultrapassada, sendo usada apenas pelos artesãos e artistas.

Como funciona a técnica

Na xilogravura, o artesão usa um pedaço de madeira e entalha determinado desenho. Fica em relevo tudo que deve fazer parte da reprodução. Depois ele usa tinta para colorir as partes que possuem relevo. Por último, a madeira é prensada para que tudo fique devidamente impresso em um papel, tela, ou em outros. Logicamente que o desenho sai espelhado, por isso o artesão precisa se dedicar muito na produção. Dessa forma a funcionalidade é como a de um carimbo. Para passar a tinta é usado um rolo de borracha embebido na tinta e é necessário deixar a madeira prensada ao papel por alguns minutos.

Conheça os dois principais tipos de xilogravura. A distinção está no modo como é cortada a madeira da árvore.

  • Xilogravura de fio: nessa técnica, também chamada de madeira deitada ou madeira à veia, corta-se a árvore no sentido em que ela cresce, ou seja, longitudinal.
  • Xilografia de topo: também é chamada de madeira em pé, em que a árvore é cortada em sentido transversal ao tronco.

No caso da xilogravura colorida, cortava-se um pedaço de madeira separado para cada tom antes de imprimir. Depois se imprimia em diversas folhas com os mesmos blocos.

Xilogravura na literatura de cordel nordestina

No Brasil a xilogravura se popularizou no nordeste do país, em que os xilogravadores ou xilógrafos começaram a aparecer.

A força da xilogravura na região ocorreu nas décadas de 60 e de 70, principalmente quando os estudiosos da área começaram a publicar trabalhos acadêmicos e álbuns sobre o tema.

Acredita-se que a matriz dessa arte no Brasil tenha sido com a vinda dos missionários portugueses e ensinada aos indígenas que repassaram a técnicas para as novas gerações.

A impressão ocorre na literatura de cordel, muito popular nesta região. J. Borges é um dos representantes dessa área, sendo cordelista e xilogravador. Borges retrata cenas culturais e cotidianas do nordeste, além de tradições e momentos de alegria não deixando de lado os problemas enfrentados pelo povo nordestino.

Outra aplicação da técnica é em azulejos, reproduzindo desenhos em menores dimensões. Severino Borges é um dos representantes da técnica. Ambos são muito representativos nessa técnica e já fizeram diversos trabalhos na área.

A partir da xilogravura, é representado o imaginário da literatura popular, temática religiosa, erótica e política.

A madeira mais usada no nordeste é a árvore cajazeira, abundante na região e de fácil uso e manuseio. Ela é mais macia e facilita o talhe. Usa-se normalmente a tinta preta na matriz a fim de estampar, além da literatura de cordel, novenários e almanaques além de cartazes e rótulos de aguardente.