Biografia de Albert Einstein


A célebre foto de um cientista de cabelos brancos e arrepiados, barbas e língua de fora até hoje é um símbolo em todo o mundo. Albert Einstein, porém não ficou marcado na história da humanidade por causa de seu bom humor. Vencedor do Prêmio Nobel de física pela Teoria da Relatividade, em 1921 o físico alemão é até hoje uma verdadeira celebridade.

Albert Einstein

Suas teorias eram vistas como excêntricas e desconexas para a época, mas foram na verdade importantes descobertas para o mundo da ciência, fazendo com que Einstein se tornasse a verdadeira cara da inteligência. O físico, porém, não colheu os frutos de sua teoria, já que faleceu em 1955, nos Estados Unidos e recebeu o Prêmio Nobel em 1921.

Os primeiros passos de Albert Einstein

Albert Einstein nasceu na Alemanha de 1879, filho de pais judeus. Ele e sua família se mudaram para Munique quando o futuro físico tinha apenas um ano de idade. Quando já tinha 3 anos de idade ele apresentava dificuldades de compreensão e fala e passou então a ser visto como uma criança problemática. No entanto, aos seis anos de idade já tocava violino muito bem.

Quando jovem foi reprovado na área de Humanas no colégio e acabou se mudando para a Suíça a fim de terminar seus estudos. Foi então que o físico renunciou a sua cidadania e ficou alguns anos sem pátria. Cursou o ensino superior em Zurique, na ETH e se tornou também cidadão suíço.

Aos 20 anos Albert Einstein se casou e mais tarde se tornou pai de três filhos, seu filho do meio, assim como o pai, se tornou docente na Califórnia, ensinando hidráulica, o mais novo formou-se em literatura e música, mas não virou docente, morrendo internado em uma ala psiquiátrica na Suíça. Sua única filha mulher e mais velha, acabou falecendo ainda criança.

Era 1914 quando o físico decidiu voltar à Alemanha, ele já havia lecionado em Praga, Berna e Zurique e aceitou para se tornar membro da Academia Prussiana de Ciências, na Universidade de Berlim, onde também se tornou professor. No mesmo ano, Einstein também foi convidado para assumir a direção do Instituto Wilhelm de Física também na capital alemã.

No ano seguinte Albert Einstein começou a apresentar ao mundo sua Teoria da Relatividade tendo em 1915 publicado seu mais célebre trabalho que ganhou o nome de Fundamento Geral da Teoria da Relatividade, que foi comprovado três anos depois durante um Eclipse Solar, fazendo então com que ele se tornasse famoso não apenas no mundo acadêmico, mas para o público em geral e começou então a rodar o mundo todo.

Em 1921 ganhou o Prêmio Nobel de Física, o maior e mais importante da história da humanidade até hoje. No mesmo ano passou a integrar a Organização de Cooperação Intelectual da Liga das Nações e tornou-se presidente da Universidade Hebraica de Jerusalém. Foi também em 1925 que o físico veio ao Brasil.
Seis anos depois a Alemanha de Einstein foi tomada por Hitler e a busca por judeus acabou afastando o físico da vida que ele tinha na Europa. Foi então que o então suíço viajou para os Estados Unidos e lá se firmou, alertando ao governo americano a possibilidade de armas químicas estarem sendo fabricadas pelos nazistas.

Em solo americano passou a fazer parte do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de Princeton e recomendou ao presidente Roosvelt que os Aliados começassem a estudar também as armas atômicas.

Em 1940 recebeu a cidadania americana e manteve também a suíça que já havia recebido anos antes. O físico, mesmo apoiando os Aliados durante a Segunda Guerra denunciou as armas de fissão nuclear e destacou o perigo que elas representavam para a humanidade, tendo então seu nome incluso em um manifesto chamado de Russel-Einstein, que falava de como essas armas eram perigosas.

Teoria quântica e da relatividade

Einstein é mundialmente conhecido por sua fórmula E = mc2.
Mas antes de chegar a esta conclusão o físico teve que desconstruir outra importante teoria, a mecânica newtoniana já que ele acreditava que não era possível usá-la na hora de conciliar as leis de campo eletromagnético as de mecânica clássica.

Einstein disse que o tempo e o espaço eram relativos e que estavam profundamente interligados, gerando confusão e descrença de todos os que faziam parte da sociedade científica. Einstein conclui então que o tempo continua a passar mesmo que você esteja efetivamente parado, mas que ele pode passar rápido para alguns ou lentamente para outros. Por exemplo, se você está parado assisti TV o tempo passará bem mais rápido do que se você estivesse correndo uma maratona, isso porque a relação com o espaço é essencial.

Einstein também afirmou que um corpo em queda tende a percorrer um espaço cada vez mais em uma relação inversa com o tempo em que cai, fazendo assim com que toda a massa provoque uma distorção maior relativamente proporcional ao seu tamanho. Ou seja, quanto maior a massa, maior será a distorção que ela provocará.

O mais interessante é que sua teoria foi comprovada em solo brasileiro. O eclipse solar observado por ele e por toda a sociedade científica como algo revolucionário foi visto de Sobral, no interior do Ceará e funcionou na seguinte maneira. De acordo com as teorias antigas uma estrela escondida atrás do Sol não poderia ser vista durante o Eclipse, mas se a teoria de Einstein estivesse certa e a massa de um corpo pudesse distorcer sua gravidade, essa mesma estrela ficaria visível durante o eclipse. E foi exatamente isso que aconteceu quando o Eclipse Solar aconteceu.

Além de seus mais de 300 trabalhos acadêmicos e científicos, Einstein também usou de todo o seu conhecimento em física e em observação para entender mais profundamente o mundo e com isso acabou escrevendo trabalhos como Por que a Guerra? com o importante Sigmund Freud; Meu Últimos anos e o Mundo como eu vejo.