Resumo Pestalozzi


Johann H. Pestalozzi foi um grande educador e pioneiro no processo de reforma da educação. Nascido em 12 de janeiro de 1746, em Zurique, na Suíça, teve uma infância muito difícil, pois seu pai havia falecido muito cedo e foi criado somente pela mãe.

Resumo Pestalozzi

De família pobre, o garoto passou por muitas dificuldades para sobreviver, encarando o desafio de viver numa sociedade fortemente marcada pela distinção de classes sociais. Petalozzi recebeu educação de cunho protestante, mas não defendia nenhuma religião, considerando-se apenas um cristão.

Após ter contato com a obra de Jean Jacques Rousseau, passou a ser fortemente influenciado pelo movimento naturalista e começou a criticar a situação política de seu país. Seus esforços levaram-no à Universidade de Zurique, onde se associou a um grupo de ordem reformista, juntamente com o poeta Lavater, passado, desde então, boa parte de sua juventude engajado em causas políticas.

No ano de 1871, após a morte do político Bluntschli, um de seus grandes amigos, resolve abandonar a política e se dedicar inteiramente à educação. Casou-se com 23 anos e, comprando uma fazenda, tentou o cultivo, mas como não tivesse vocação para a vida agrícola, logo fracassou.

À época, já havia transformado a fazenda numa escola. Escreveu “As Horas Noturnas de um Ermitão” (1780) e, no ano seguinte, publicou o que seria uma de suas obras de maior destaque: “Leonardo e Gertrudes” (1871). Com essa obra, o professor tornara-se famoso.

A Invasão francesa (1798)

Os horrores da guerra trouxeram uma nova perspectiva para os trabalhos de Pestalozzi. Por conta da invasão francesa em seu país, muitas crianças ficaram órfãs e passaram a vagar pelas ruas, sem ter abrigo e nem o que comer.
Ele abrigava essas crianças num convento abandonado e as educava, cuidando pessoalmente, de cada uma delas. Porém, em 1799, o espaço foi requisitado pelos invasores franceses a fim de instalarem um hospital.

Arrasado com o fracasso de sua empreitada, lança, em 1801, o livro “Como Gertrudes ensina suas crianças”. Ali, o pensador expõe seu método pedagógico, partindo da ideia de que a aprendizagem ocorre do mais simples para o mais complexo. Surgia aí o Método Pestalozzi.

Método Pestalozzi

O método Pestalozzi consiste na ideia de que a aprendizagem parte de mecanismos mais fáceis e simples, para os mais difíceis e complexos, do que já é conhecido para o que é novo e do concreto para o abstrato.

Para ele, a aprendizagem ocorre “de dentro para fora”, ou seja, a criança observa determinado objeto e, através dos órgãos dos sentidos, elabora conteúdos, construindo hipóteses e produzindo conhecimento. Seu método é também chamado de intuitivo, pois parte da premissa de que a intuição é o elemento ativo da mente sobre a produção de conhecimento.

Além disso, as ideias inovadoras do pedagogo partiam do pressuposto de que a criança deveria “aprender fazendo” e de que o processo educacional deve englobar e abranger as dimensões intelectual, física e moral do ser humano. Para ele, o método de estudos resumia-se a elementos simples, sendo eles o som, a forma e o número. A linguagem, posteriormente. Nas escolas de Pestalozzi, a produção de conteúdo e o desenvolvimento de valores e habilidades por parte da criança era o mais importante. Não havia castigos e recompensas, muito menos notas e provas.

Segundo ele, a escola não é apenas uma extensão do lar e sim inspirada nele, devendo passar afeto e segurança para as crianças. Além disso, dizia que o amor era a essência da educação, sendo ele, o único capaz de levar o indivíduo à plena realização moral.

Pestalozzi acreditava que o um dos maiores cuidados do professor deveria ser no tocante ao respeito da fase de desenvolvimento em que a criança se encontra.

UMA INSPIRAÇÃO
Pestalozzi buscou se engajar nas causas sociais de seu tempo. Em 1802, como Deputado Federal em Paris, envidou esforços para que Napoleão criasse um sistema nacional de educação primária. Contudo, o imperador respondeu-lhe que não poderia perder tempo com “analfabetos”.

Em 1805, mudou-se para uma região próxima ao Lago Neuchâtel, dedicando-se à educação durante 20 anos ininterruptos. Recebia constantes visitas de pessoas que tinham interesse pela educação, tais como Mme. de Staël e Talleyrand, sendo elogiado por figuras, como Humboldt.

No ano de 1815 começaram a surgir dissensões entre os professores que ensinavam em sua escola. Por isso, seus últimos dez anos de trabalho foram bastante cansativos e tristes. Em 1825, se aposentou e escreveu o livro “O canto do cisne”, seu último trabalho, registrando aí suas memórias. Pestalozzi faleceu em 17 de fevereiro de 1827, aos 81 anos, em Brugg, na Suíça, tendo deixado vários discípulos, dentre os mais conhecidos, está Denizard Rivail, ou simplesmente, ninguém menos que Allan Kardec.
O pedagogo foi um dos grandes pioneiros da educação moderna e influenciou todas as correntes da educação.