Animais Noturnos


O sol é essencial para a vida na terra, pois a fonte de energia solar é fundamental para que as plantas realizem a fotossíntese e, consequentemente, fundamental para todas as formas de vida no planeta Terra, uma vez que elas são a base da dieta de pequenos insetos e outros animais, que por sua vez são alimentos de outros animais, e assim sucessivamente. Dessa forma, são a base de todas as cadeias alimentares.

animais-noturnos
No entanto, isso não significa que haja animais que possam viver sem a luz solar. Pelo contrário, diversos animais são conhecidos por seus hábitos noturnos, isto é, durante o dia descansam e saem para caçar, se alimentar e realizar as demais tarefas durante a noite. São justamente esses animais que serão abordados neste artigo, isto é, os animais noturnos.

Lista de animais de hábitos noturnos

Considerando a classificação adotada pela biologia na divisão entre espécies, os principais animais de hábitos noturnos no grupo dos mamíferos são:
-Furão: mamífero carnívoro de origem europeia e muito utilizado como animal de estimação em diversos países do mundo;
-Porco espinho: roedor de tamanho mediano espalhado pelas Américas, Ásia, Europa e África;
-Castor: roedor semi-aquático presente no norte da América e no norte da Europa. É possível encontrar alguns castores no extremo sul da América do Sul, introduzidos artificialmente pelo homem;
-Cervo do rabo branco: também conhecido como cariacu, trata-se de um mamífero que pode ultrapassar 2 metros de comprimento. Encontrado desde o norte Sul do Canadá ao extremo norte do Brasil;
-Rinoceronte preto: nativo do continente africano, trata-se de uma das espécies mais ameaçadas de extinção devido à caça por seu chifre;
-Esquilo voador: há quase 45 espécies desse mamífero, o que faz com que possam ser encontrados em praticamente todo o mundo;
-Hamster: roedor de pequeno porte encontrado ao redor de todo o mundo e muito comum como animal de estimação;
-Coiote: da mesma família que o cão, trata-se de um mamífero um pouco maior encontrado exclusivamente na América do Norte e na América Central;
Chinchila: roedor de pelo macio e denso, este animal é extremamente sociável é por isso muito comum enquanto animal de estimação. É nativo dos Andes, na América do Sul;
-Urso de óculos: consiste na única espécie de urso ainda viva nativa da América do Sul. Vulnerável à extinção;
-Demônio da tasmânia: pertencente à família de marsupiais, como o coala, trata-se de um animal nativo do Oceania;
-Leopardo: nativo do continente asiático e africano, trata-se de um dos maiores felinos existentes, se dividindo em 14 subespécies regionais;
-Morcego: apesar de muitos não saberem, o morcego é uma das únicas espécies de mamíferos que podem voar. Habita todo o planeta com exceção das regiões polares.

Quando pensamos especificamente na espécie dos aracnídeos, também existem animais noturnos, dentre eles:
-Escorpião: animais peçonhentos que reúnem mais de duas mil espécies em sua ordem, passam o dia escondidos em troncos e casca de árvores;
-Tarântula: conhecida como uma das maiores aranhas do mundo, é bastante comum na América do Sul, Ásia e Oriente Médio.

A categoria de anfíbios também não fica de fora da lista de animais noturnos, representada pelo:
-Sapo: espécie bastante comum, presente em todo o mundo.

Características dos animais noturnos

A primeira coisa que é necessário ressaltar é que o fato de existirem animais adaptados para a vida noturna advém de um longo processo evolutivo que os permitiram ter tal hábito, e a prova disso são alguns animais que possuem excelente visão durante a noite mas não conseguem distinguir cores durante o dia.
Como outro exemplo de adaptação, podemos citar os sapos, pois possuem pele bastante sensível que pode acabar lesionada quando diretamente expostas à luz solar e a altas temperaturas durante o dia. Por sua vez, o rato se beneficia da noite, pois o número de potenciais predadores são menores quando comparado ao dia.

Dessa maneira, muitos dos animais noturnos têm os chamados “super sentidos”. Os morcegos possuem a ecolocalização, que funciona como uma espécie de radar, que por meio da emissão de um som imperceptível ao ouvido humano é capaz de detectar obstáculos e outros morcegos durante os voos noturnos, evitando que colidam. Aliás, ao contrário do que se pensa, pouquíssimas espécies de morcegos se alimentam de sangue de outros animais. A maioria são frugívoros, ou seja, possuem dieta baseada em frutas, sendo a ecolocalização muito útil para encontrá-las na escuridão.

Por sua vez, a coruja possui uma excelente visão, e mesmo que não seja capaz de distinguir cores, é capaz de enxergar pequenas presas a mais de 10 metros com pouquíssima luminosidade.

Para não estender demais a lista, pode-se afirmar que cada animal da noite possui um ou mais sentidos especiais que lhe permitem viver na ausência total ou parcial da luz solar, e que esses sentidos surgiram graças a evolução, motivados pela necessidade de fugir de predadores ou pela maior oferta de comida nesse período do dia, sejam animais caçadores, como o furão, ou não, como o cervo do rabo branco.

Também é interessante notar que animais desse tipo existem em todos os continentes, quer se trata de zonas temperadas, como o centro e norte do continente europeu, quer seja em zonas tropicais, como grande parte da América do Sul.