Bactérias


Pertencentes ao reino Monera, as bactérias são microorganismos de classe simples e unicelulares. Seres procariontes, esses organismos só podem ser vistos com a ajuda de microscópio eletrônico, e suas dimensões são muito pequenas, tendo tamanhos em torno de 30µm.
bacterias

Entretanto, há outros tipos um pouco maiores encontrados no sistema digestivo de alguns peixes e em sedimentos oceânicos, com tamanhos que variam entre 0,2 mm até 0,75 mm de comprimento.

Esses organismos são divididos em domínios distintos, mas pertencentes ao mesmo reino. Elas podem ser do domínio Archaea (arqueobactérias), que também é chamada de Prokaryota, ou do domínio Eukaryota, que engloba os demais organismos desse tipo. A diferença entre os dois é que no Eukaryota há a presença de seres tanto unicelulares e pluricelulares. Já no Archaea, os seres são parecidos com o domínio Eukaryota, mas sua composição genética e bioquímica é diferente.

Vivendo de modo isolado ou em colônias, as bactérias podem viver no ar, fora dele ou então em ambos os ambientes. São bem resistentes do que a maioria de outros seres vivos e datam uma existência de 3,8 bilhões de anos no planeta.

Estrutura celular

Esses seres são caracterizados pela presença de somente uma célula que não possui um envoltório nuclear e nem organelas membranosas para proteger essa célula. Além de ser unicelulares (uma célula chega a medir no máximo 5µ), o seu material genético se concentra no citoplasma – daí a classificação desses seres serem procarionte.

Na membrana plasmática não se encontra um DNA organizado da mesma forma que seres eucariontes. Entretanto, há uma parede celular com a presença de peptideoglicanos, que são polímeros ligados a proteínas. Também não possuem cromossomos como outros seres vivos e apenas um tipo de organela está presente em sua constituição, os ribossomos. Eles são ainda menores, mas sintetizam as proteínas no material genético.

De forma geral, a estrutura celular de uma bactéria é dividida em algumas partes:

• Citoplasma: apresenta um gel líquido, o hialoplasma, que guarda glicose, sais, o RNA e algumas proteínas para sobrevivência da bactéria;

Membrana celular: contém fosfolipídios e é composta por algumas proteínas;

• Nucleoide: só possui uma molécula de DNA. Mesmo com seu termo se referindo ao núcleo não se trata de um núcleo em si, uma vez que não há um envoltório membranoso;

• Flagelo: são estruturas proteicas que servem para locomoção;

• Plasmídeos: são moléculas minúsculas de DNA circular que podem ser encontrados no nucleoide. Isso não quer dizer que vivem lá, uma vez que o nucleoide só possui uma molécula de DNA. Contudo, podem ser encontrados nesse local e são trocados durante a conjugação bacteriana;

Além dessas estruturas, ainda há a pili e a fímbria, que são partes proteicas ainda menores que os flagelos que também servem para locomoção. Entretanto, elas estão mais relacionadas à fixação da bactéria numa superfície ou para reprodução. Nesse último caso, a pili, que é responsável pela reprodução sexual do organismo, liga uma bactéria com outra para trocar plasmídeos.

Morfologia

As bactérias obedecem uma morfologia básica de acordo com o seu formato. De acordo com a classificação atual, essa morfologia pode ser de três tipos:

• Espirilos: formato de saca-rolha;
• Cocos: formato redondo ou esférico;
• Bacilos: formato de bastão.

É possível que esses organismos possam se agrupar com um tipo diferente do seu, formando grupamentos diversificados ou isolados. Se um coco se filia a outro coco, eles são chamados de diplococos, da mesma forma que um bacilo ao se juntar com outro é chamado de diplobacilos. Essa junção não se resume somente em pares, mas pode resultar em agrupamentos maiores como cadeias. No caso dos espirilos, o agrupamento não acontece e eles permanecem isolados.

Além disso, esses organismos também podem formar esporos que servem como um mecanismo de defesa. São muito duráveis e resistem tanto a um ambiente muito frio ou muito quente. Também são resistentes contra o ataque de antibióticos, com a ajuda dos plasmídeos. Todavia, dependendo do nível do antibiótico, a bactéria pode não resistir ao efeito da substância.

Esses esporos também apresentam um invólucro contendo polissacarídeos, tornando a consistência dos esporos ainda mais espessa e daí vem a sua resistência e aumentando seu tempo de vida útil quando submetido a ambientes ou condições desfavoráveis.

Há também outros tipos morfológicos além dos três principais:

• Espiroqueta: tem um formato de espiral;
• Vibrião: formato de vírgula.

Todos os tipos também possuem metabolismos de acordo com a fonte que recebem para sobreviver: energia ou carbono. Se for à base de energia como luz ou substâncias orgânicas e inorgânicas, elas são chamadas fototróficas (pela luz) ou quimiotróficas (por compostos químicos).

Se esses organismos sobrevivem por meio de carbono, elas são chamadas da seguinte forma: autotróficas (se recebem as moléculas de carbono por meio de dióxido de carbono) ou heterotróficas (se captam carbono por meio do ambiente onde se encontram além da necessidade de carboidrato para processá-lo).