Beija-Flores


Qual é a única ave que voa para trás? Se você pensou no beija-flor, acertou. Esse pássaro, que está entre os menores do mundo, é conhecido pela sua velocidade, leveza e beleza singular.

Beija-Flores

O colibri, como também e chamado, é característico do continente americano. A maior biodiversidade está nas regiões tropicais próximas à linha do Equador, especialmente no Brasil e no Equador. No entanto, esta ave é encontrada desde o extremo sul do Chile até o extremo norte do Canadá e do Alasca.

Ele pertence à família das Trochilidae, e ao todo há mais de 322 espécies diferentes registradas. A principal característica do beija-flor é o seu bico e língua alongados, que permitem alcançar o néctar das flores para se alimentar – motivo que originou o seu nome.

Características físicas do beija-flor

O beija-flor é uma ave pequena, leve e ágil. Detém, inclusive, o título de menor pássaro do mundo, atribuído a uma espécie que habita as florestas de Cuba denominada beija-flor-abelha (Mellisuga helenae), cujo tamanho varia entre 5 e 6 centímetros e o peso de 1,6 a 2 gramas. Já a maior espécie de beija-flor é o rajada (Ramphodon naevius), que atinge até 16 centímetros e no máximo 9 gramas.

Uma característica marcante desta ave é o seu bico alongado e a sua língua comprida e bifurcada. A estrutura óssea e muscular do beija-flor é projetada para garantir uma excelente aerodinâmica e torná-lo extremamente ágil e veloz. Além disso, quase um terço do seu peso corporal fica por conta dos músculos peitorais, responsáveis pela sustentação das asas, que são formadas por ossos curtos e flexíveis – ao contrário do que é visto na maioria das outras aves com ossos alongados. No entanto, possui patas pequenas que dificultam o caminhar.

Por causa dessas características, o beija-flor é capaz de alcançar uma velocidade impressionante e pode voar por até 800 quilômetros sem a necessidade de pouso ou descanso. O beija-flor-abelha, por exemplo, bate suas asas 80 vezes por segundo – isso é mais rápido do que o olho humano pode acompanhar e, por isso, visualmente vemos apenas um borrão.

Apesar de o olfato desta ave não ser muito aguçado, ela possui ótima visão, que permite não só perceber as cores como também captar o espectro ultravioleta. As penas costumam ser bastante coloridas e, devido ao efeito de iridescência, mudam de cor conforme a luz e a movimentação. As fêmeas são geralmente maiores do que os machos, e suas penas são menos coloridas – o que é uma forma de garantir a preservação das espécies, pois chamam menos atenção dos predadores.

Hábitos e comportamento

O beija-flor é uma ave muito dinâmica e, mesmo com o seu pequeno tamanho, passa o dia todo se locomovendo. Voa para todos os lados, mantém-se estático no ar, e isso sempre com um bater de asas veloz, o que demanda bastante energia. Nestes voos, o coração da ave chega a bater aproximadamente 1.200 vezes por minuto, caindo para “apenas” 500 batidas quando em repouso.

Por causa de tanto gasto energético, o colibri passa uma boa parte do seu dia procurando alimento, ou seja, flores. Como ele precisa de muita energia e rapidamente, se alimenta principalmente do néctar das flores, que oferece uma concentração de 15% a 20% de açúcares de rápida assimilação. Algumas espécies também se alimentam de pequenos insetos, que funcionam como fontes de proteína. Em média, esta ave visita cerca de 1.500 flores por dia para suprir suas necessidades calóricas, podendo ingerir mais que o dobro do seu peso corporal.

Como reflexo de seus hábitos alimentares, o beija-flor torna-se um importante agente polinizador da natureza, assim como as abelhas. Quando coloca o seu bico dentro das flores para encontrar o néctar, os grãos de pólen acabam grudando no seu corpo, e posteriormente são depositados sobre outras flores que ele encontra pelo caminho. Com isso, a ave contribui para uma maior variedade da biodiversidade.

Os beija-flores também apreciam o clima quente, e gostam de passar parte do seu dia se banhando em fontes de água, poças no chão ou que se formam dentro de plantas. Em épocas de temperaturas mais baixas, eles buscam abrigo e reduzem a sua taxa metabólica e o batimento cardíaco.

Devido aos pequenos pés, dificilmente estas aves são vistas caminhando: quando não estão voando, ou estão se banhando ou são vistos em repouso sobre os galhos de uma árvore.

Reprodução

O ritual de acasalamento dos beija-flores é repleto de voos e exibicionismo dos machos. Tudo para chamar a atenção da fêmea e mostrar que eles são bons voadores. A força gravitacional que atingem nestes voos é tão grande que, na mesma proporção, nem pilotos de caças militares seriam capazes de aguentar.

A fêmea é responsável por montar o ninho, chocar os ovos e, posteriormente, cuidar dos filhotes. Apesar do pequeno tamanho, a fúria das colibris é capaz de afastar predadores como cobras e outras aves muito maiores.

Em média, a fêmea coloca apenas dois ovos, motivo pelo qual os ninhos de beija-flor são tão pequenos. No entanto, estão entre os mais bem elaborados da natureza, e devido à sua constituição eles são capazes de aguentar variações climáticas como chuvas e ventos.

Estes ovos levam um pouco mais de duas semanas para eclodirem e os filhotes costumam deixar o ninho depois de 3 a 4 semanas. A expectativa de vida destas aves é de 4 a 8 anos, mas há casos registrados de colibris que viveram mais tempo.