Características e Classificação de Alguns dos Filos dos Protozoários


Protozoários

São protoctistas, unicelulares, eucariontes, heterotróficos e dotados ou não de elementos característicos para loco­moção, como cílios, flagelos e pseudópodes. Os protozoários são, do ponto de vista fisiológico, organismos completos, ainda que possam ser comparados com uma única célula eucariota de um organismo pluricelular. Realizam todas as funções vitais necessárias à sua sobrevivência e multiplicação. Existem espécies de vida livre e parasitas, e muitos destes causam doenças sérias ao homem.

Classificação de Alguns dos Filos dos Protozoários

Filo Rhizopoda

As amebas são os representantes típicos desse filo. Muitas espécies têm vida livre, em ambientes aquáticos. Outras são comensais, vivendo no corpo de outros organismos sem, no entanto, causar-lhes danos. Na espécie humana, há a Entamoeba gengivalis, encontrada na boca, e a Entamoeba coli, que habita o intestino. Entre as parasitas, destacamos a Entamoeba histolytica, que causa a amebíase ou disenteria amebiana. Algumas amebas formam carapaças ou testas, sendo denominadas tecamebas. A reprodução é assexuada, por divisão binária, sem eixo definido de divisão da célula, já que sua forma é irregular.

Filo Actinopoda (radiolários e heliozoários)

Do grego radio – raio – e hélios – Sol -, esses organismos apresentam pseudópodes afilados, denominados axópodes, sustentados por um eixo central e com projeções radiais que caracterizam o grupo. Os radiolários vivem exclusivamente no mar, fazendo parte do plâncton, e têm uma cápsula interna central constituída de quitina e ligada a um esqueleto forma­do por espículas de sílica. Apresentam, caracteristicamente, o citoplasma abun­dante em vacúolos, onde podem armazenar óleos para reserva alimentar e que o auxiliam na flutuabilidade. Muitas espécies apresentam zooxantelas – algas en-dossimbióticas – em seu citoplasma, de que obtêm a maior parte de seu alimento. A maioria dos heliozoários vivem na água doce, são esféricos e podem ou não apresentar um esqueleto.

Filo Foraminífera

Do latim forâmen – buraco -, os foraminíferos são dotados de carapaça externa constituída por carbonato de cálcio, quitina ou até fragmentos calcários ou silico-sos, a qual apresenta numerosas perfurações que permitem as projeções de seus finos pseudópodes. A maioria é marinha e planctônica. Assim como os radiolários, os foraminíferos foram muito abundantes no passado. Os depósitos sedimentares calcários, as vasas – formadas pela deposição de suas carapaças -, formaram ro­chas que foram curiosamente utilizadas na construção das pirâmides, por exemplo. A existência, em determinado local, de certos tipos de carapaça de forami­níferos, indica a presença de petróleo, já que estão relacionados com as camadas de rochas sedimentares petrolíferas.

Filo Apicomplexa (esporozoários)

Dos protozoários parasitas humanos, talvez sejam mais conhecidos os esporozoários dos géneros Toxoplas-ma e Plasmodium, causadores da toxoplasmose e da ma­lária, respectivamente. Eles são de estrutura simples, apre­sentam um só núcleo e não têm elementos locomotores. Os esporozoários não apresentam estruturas locomotoras e são dotados de uma estrutura proeminente, o com­plexo apical, que tem papel importante nesses organis­mos, pois permite a sua penetração nas células hospedei­ras.

Habitam diferentes locais do corpo do hospedeiro, no interior das células ou em cavidades de diversos ór­gãos. A reprodução sexuada, geralmente presente, faz-se por singamia (fusão dos núcleos dos gametas). A repro­dução assexuada típica se dá por esporulação ou divisão múltipla.

Filo  Zoomastigophora

Dotados de flagelos que auxiliam não só a locomo­ção, mas a captura de alimento, muitos protozoários fla­gelados apresentam-se de vida livre ou parasitas – estes causam doenças em animais e na espécie humana. Há, também, espécies que habitam o tubo digestório de bara­tas e cupins, em associação mutualística. Multiplicam-se assexuadamente por divisão binária longitudinal, sendo desconhecida, em muitos grupos, a forma de reprodução sexuada.

Filo Cilliophora

Esse filo compreende protozoários que apresentam cílios pelo menos em um estágio de seu desenvolvimento evolutivo. Um ciliado típico muito estudado é o paramécio, de vida livre dulcícola. Assim como os demais ciliados, apre­senta dois núcleos: o micronúcleo – pequeno -, que se presta à reprodução sexuada por conjugação, e o macro-núcleo – maior -, que está relacionado ao controle fisio­lógico celular. A regulação osmótica é realizada por dois vacúolos contrateis ou pulsáteis, que funcionam como verdadeiras bombas, eliminando o excesso de água que entra por osmose em sua célula. O paramécio conta com uma entrada de alimento bem definida na célula, o citós-toma, que funciona como uma boca. A eliminação de resí­duos da digestão é feita pelo citopígeo ou citoprocto, o ânus celular. A reprodução é assexuada por divisão binária trans­versal e sexuada por conjugação.