Características e Reprodução dos Vírus


Por não serem classificados em nenhum dos reinos existentes na classificação atual, sendo considerado portanto, um grupo sem reino.

Os vírus são seres extremamente simples, formados apenas por uma cápsula proteica que envolve todo o material genético. Além disso, por serem bem pequenos, eles são apenas visíveis ao microscópio eletrônico. O que os torna tão diferentes dos demais seres vivos, é o fato de serem seres acelulares, o que significa dizer que eles não são formados por células, ou seja, não possuem metabolismo próprio. Por este motivo, podemos afirmar que os vírus são parasitas obrigatórios e sempre causadores de doenças.

Apesar de serem seres diferentes, os vírus são considerados seres vivos, já que são altamente mutáveis, são capazes de realizar reprodução e ainda apresentam material genético. Este último, pode ser o DNA ou o RNA, nunca podendo ocorrer ambos os tipos em um único vírus.

Reprodução dos Vírus

Características dos Vírus

Os vírus são seres constituídos por um envoltório, formado por proteínas, denominado por capsídio ou cápsula, que envolve e protege o material genético e que também tem a capacidade de combinar-se quimicamente com a superfície da célula a ser parasitada, que acaba permitindo a ele, reconhecer o tipo celular que ele está acostumado a parasitar. Eles são altamente específicos e são capazes de atacar apenas um ou ainda poucos tipos celulares. Isso acontece porque deve ocorrer uma certa afinidade química entre a superfície da célula que será parasitada e a cápsula do vírus.

Alguns vírus recebem o nome de envelopados, isso porque possuem um envelope lipoproteico externo e que envolve as várias capsulas proteicas que o mesmo possui. Para ilustrar bem essa situação, podemos citar o HIV que provoca a tão temida AIDS, também conhecida como Síndrome de Imunodeficiência Adquirida.

Os bacteriófagos são vírus que infectam as bactérias. Entre os mais famosos estão os que infectam a bactéria intestinal. Neste caso, existem duas formas de reprodução, sendo o ciclo lisogênico e o ciclo lítico. Ambos se iniciam com o vírus aderindo à superfície da célula hospedeira. Em seguida, o material genético do vírus é introduzido no interior da célula.

No ciclo lisogênico, o DNA viral incorpora-se ao DNA bacteriano, mas não interfere no metabolismo da bactéria, reproduzindo-se dessa forma de maneira normal e transmitindo o DNA viral aos seus descendentes. Já no ciclo lítico, o DNA viral passa a comandar o metabolismo bacteriano e assim forma cápsulas proteicas e diversos DNAs, que acabam formando novos vírus. Em seguida, vários vírus que podem acabar infectando outras bactérias são liberados, reiniciando-se o ciclo novamente.

Reprodução dos Vírus

A reprodução dos vírus depende da síntese de proteínas viróticas e ainda da duplicação do DNA virótico, processos que serão realizados sob comando do DNA virótico, através da célula hospedeira.

Os vírus que apresentam RNA, obrigam a célula hospedeira a produzir novas moléculas de RNA viral. Quando se trata de um retrovírus, produz-se DNA a partir do RNA virótico, que vai comandar todo o processo de reprodução. A produção de DNA a partir de um RNA virótico é possível graças à atuação de uma enzima presente nos retrovírus, a Transcriptase Reversa.

Basicamente, o ciclo de reprodução dos vírus cumpre as seguintes etapas:

Fixação: o vírus se acopla à membrana da célula hospedeira através das fibras da cauda.

Infecção: o vírus acaba perfurando a parede celular e a membrana plasmática da célula hospedeira, utilizando uma enzima que está localizada na cauda para injetar no interior da célula o seu DNA.

Duplicação: O DNA viral anula o DNA bacteriano e passa a comandar a maquinaria enzimática da célula, que se põe a produzir cópias do DNA viral, além de proteínas que irão formar a cauda e a cápsula.

Montagem: União das partes duplicadas, formando um novo vírus.

Lise: Rompimento da membrana plasmática da célula e liberação dos vírus que vão em busca de outras células para parasitar.

Não existem muitos medicamentos realmente eficazes contra os vírus, apesar deles serem sempre serem causadores de doenças. Por isso, a maneira mais eficiente de se combater as doenças causadas pelos vírus é através de vacinas.

Alguns tipos de câncer podem ser causados por retrovírus, chamados também de vírus oncogênicos, que realizam o chamado ciclo citocinético. Entre as principais doenças causadas por vírus estão: a gripe (transmitida por gotículas de saliva no ar), a febre amarela (mosquito), a AIDS, a varíola (transmitida por gotículas de saliva no ar), a dengue (mosquito), a caxumba (transmitida por gotículas de saliva no ar), o sarampo (transmitida por gotículas de saliva no ar), a raiva (saliva de gatos, cães, etc), a rubéola (transmitida por gotículas de saliva no ar ou durante a gestação), a Hepatite tipo A e a Hepatite tipo B.