Evolução Biológica: Conceitos, Teorias de Lamarck e Darwin, Teoria Moderna da Evolução e Mutação


Evolução Biológica

Conceitos

Embora os indivíduos em uma espécie compartilhem semelhanças, eles não são cópias exatas uns dos outros. Existem pequenas diferenças ou variações entre eles.

Isso acontece porque o mundo natural está em competição e os vencedores são aqueles que tem características que os tornaram mais adaptados para a sobrevivência — por exemplo, indivíduos mais fortes, mais rápidos, mais espertos ou mais atraentes do que outros em suas espécies.

Esses seres vivos são mais propensos a reproduzir e transmitir suas características úteis aos seus descendentes. Indivíduos que mal adaptados tem uma chance menor de sobreviver e suas características não são tão prováveis de serem herdadas.

Com o tempo, as características que ajudam a sobrevivência se tornam mais comuns e uma espécie muda gradualmente, e essas pequenas mudanças podem se somar à extensão que uma nova espécie pode evoluir.

Teoria de Lamarck

O lamarckismo é uma teoria da evolução baseada no princípio de que as mudanças físicas nos organismos durante sua vida — como o desenvolvimento de um órgão ou uma característica através do aumento do uso — poderiam ser transmitidas aos seus descendentes.

Proposta pelo naturalista francês Jean-Baptiste Lamarck em 1809, influenciou o pensamento evolucionista durante a maior parte do século XIX. O lamarckismo foi desacreditado pela maioria dos geneticistas após a década de 1930, mas algumas de suas ideias continuaram a ser mantidas na União Soviética até meados do século XX.

Teoria moderna da evolução

A visão neo-darwinista da evolução incorpora a compreensão moderna da genética de populações, biologia do desenvolvimento e paleontologia. As principais premissas da teoria genética (sintética) da evolução são:

• a evolução é a mudança das frequências gênicas (alelos) no pool genético de uma população ao longo de muitas gerações;
• espécies (e seus pools genéticos) são isoladas umas das outras, e o pool genético de cada espécie é mantido unido pelo fluxo gênico;
• um indivíduo tem apenas uma parte do pool genético, que veio de dois pais diferentes, e as partes são diferentes em cada indivíduo;
• os alelos que o indivíduo recebe estão sujeitos a mutações e recombinações cromossômicas ou genéticas;
• a seleção natural favorecerá alguns indivíduos, que contribuirão com uma porção maior de suas combinações de genes para o pool genético da próxima geração;
• as mudanças nas freqüências alélicas ocorrem principalmente pela seleção natural, mas a migração, o fluxo gênico e as variações cromossômicas são fatores contribuintes;
• o isolamento e a restrição do fluxo gênico entre subpopulações e suas populações parentais são necessários para a divergência genética e fenotípica das subpopulações.