Hormônios nos Vegetais: Auxinas, Giberelinas, Etileno, Cítocínínas e Ácido Abscísico


Hormônios nos Vegetais

O termo hormônio é derivado do grego “hormon”, que quer dizer “aquele que excita”. Sendo assim, os hormônios são substâncias geradas por glândulas ou células isoladas presentes nos seres vivos. Assim que são produzidos, eles passam para outras partes do organismo, onde atuam para inibir ou estimular atividades biológicas, como é o caso de crescimento.

No reino vegetal, os hormônios mais importantes são: as auxinas, as giberelinas, o etileno, as citocininas e o ácido abscísico. A seguir, explicaremos em maiores detalhes as funções de cada uma dessas substâncias.

A atuação dos hormônios nos vegetais

Auxinas

As auxinas foram os primeiros hormônios vegetais a serem conhecidos. Em termos químicos, elas são correspondentes ao ácido indolacético (AIA). Cabe mencionar ainda a existência de auxinas sintéticas, isto é, produzidas por humanos. Um exemplo é o ácido naftalenoacético (ANA), utilizado para prevenir a queda precoce de frutos.

Giberelinas

Por sua vez, as giberelinas são substâncias encarregadas de regular o crescimento dos vegetais. Além disso, tais hormônios são responsáveis por distintos processos, como a germinação, dormência, floração e alongamento do caule, entre outros.

Etileno

O etileno é capaz de regular um número de respostas dos vegetais. Por isso, ele é referido às vezes como “hormônio do amadurecimento”, já que propicia o amadurecimento dos frutos. Esse gás, produzido pelas células dos frutos, leva ainda à queda dos frutos e das folhas. No caso do abacaxi, por exemplo, o etileno garante a floração da planta.

Citocininas

As citocininas derivam da adenina e estimulam a divisão das células. Nesse grupo estão a zeatina, extraída do milho, e a cinetina, um hormônio sintético. As substâncias agem nas folhas para retardar o envelhecimento do vegetal.

Ácido Abscísico

No princípio, os estudiosos acreditavam que o ácido abscísico (ABA) funcionava para inibir o crescimento e promover a dormência de gemas. Porém, hoje sabe-se que esse hormônio, junto com outras substâncias citadas, age de diversas formas ao longo do ciclo de vida das planta vasculares, bem como de certos fungos, algas verdes e musgos. É válido mencionar assim que o ABA é encontrado em quase todas as células vivas dos vegetais.

Conclusão

Os hormônios mencionados possuem muitas finalidades e garantem que os vegetais completem seus diversos ciclos. Para tanto, as substâncias são responsáveis, por exemplo, por:

• Floração;
• Queda ou permanência de flores ou frutos;
• Crescimento de raiz e caule;
• Dormência de gemas;