Meio Ambiente


Antes de estudar sobre o funcionamento e o uso dos sistemas naturais, é necessário destacar que aquilo a que chamamos normalmente de Geografia física, ou seja, a parte da Geografia que estuda a natureza, não pode ser tratado como um amontoado de informações a ser decorado. Não há porque decorar fenômenos que são dinâmicos, há sim que entender a sua dinâmica.

Na natureza, os fenômenos não ocorrem de forma isolada. A divisão entre relevo, clima e vegetação é utilizado como uma maneira de artificio didático. No entanto, não podemos esquecer que na realidade, tais elementos não estão separados, ao contrário, têm uma interdependência muito grande.

O que mais importa é compreender o funcionamento geral dos sistemas naturais e, principalmente, o uso que é feito deles na sociedade, assim como as consequências do uso desmedido desses recursos.

Meio

A natureza e os recursos naturais

A natureza funciona de acordo com normas próprias. Pelas propriedades químicas e físicas dos materiais e da energia envolvidos em seus processos, os sistemas naturais apresentam uma certa coerência de funcionamento.

Como por exemplo, poderíamos pensar na variação de densidade da água, de acordo com a temperatura, que a faz subir ou descer na atmosfera e nos oceanos. O mesmo ocorre com o ar e com o magma que compõe o manto terrestre. Segundo as leis da termodinâmica, o aquecimento e o resfriamento destas substâncias fluidas provocam sua movimentação, o que acaba influenciando vários outros elementos naturais e produzindo o clima, o movimento dos continentes e a variação das correntes marítimas.

Enquanto isso, as relações entre os gases da atmosfera e os raios solares, provocam grandes variações de aquecimento no planeta, e consequentemente, uma distribuição variada da umidade e das espécies vegetais e animais. As propriedades químicas dos minerais formadores dos solos podem variar a sua fertilidade e, também acabam por ser um dos fatores determinantes na distribuição de ecossistemas no planeta.

O fundamental disso tudo é que não podemos falar do funcionamento da natureza considerando fenômenos isolados. Os fenômenos naturais, sejam os climáticos ou os biológicos, estão em relação direta ou indireta em um complexo jogo de forças ao qual podemos denominar de sistemas naturais. A palavra sistema é importante neste caso porque procura demonstrar que há uma constante interdependência entre os elementos da natureza.

Da mesma forma, o próprio homem, como parte da natureza, é diretamente influenciado pelas normas de seu funcionamento. Com um corpo que depende constantemente da realização eficiente de reações químicas para se manter em funcionamento, os seres humanos não podem desconsiderar as normas naturais. Por mais que tenhamos desenvolvido tecnologia, não podemos desconsiderar o frio intenso, os processos de formação dos solos ou nossa necessidade de alimentos.

No entanto, através de sua capacidade de raciocínio e de sua organização em sociedade, os homens vêm procurando diminuir as determinações naturais sobre si mesmos. Para tal, é fundamental o desenvolvimento das técnicas e, através delas, a adaptação do meio natural e seu sistema de funcionamento às necessidades humanas. Isto não quer dizer que nós podemos mudar as normas da natureza, mas sim que podemos conhece-las e, assim, arranjar os elementos naturais de forma a conseguirmos melhores condições de vida.

Quando a agricultura foi criada, por exemplo, não se desconsiderou que as plantas têm de passar por um processo de fecundação e então produzir sementes, as quais originam, em boas condições de solo, luminosidade e umidade, outras plantas. A grande invenção da agricultura se baseia justamente no entendimento deste processo e na sua utilização para a produção de alimentos.

Mesmo com a criação de plantas transgênicas, podemos considerar o mesmo fundamento. Descobriu-se que os seres vivos se formam a partir de suas características genéticas, produzidas no processo de fecundação. Criadas as condições técnicas para a modificação destas tais características genéticas, pode-se criar plantas diferentes, que tenham um melhor desempenho na produção de alimentos, por exemplo.

Problemas como a intensificação do efeito estufa, o aumento do buraco na camada de ozônio, a poluição das águas e as chuvas ácidas são decorrentes de uma apropriação desmedida e mal formulada dos sistemas naturais. Além das necessidades de lucros que estão na raiz de tais problemas, podemos também falar da falta de conhecimento suficiente sobre o funcionamento da natureza.

Não podemos nos limitar a afirmar que a solução para os problemas ambientais encontra-se no desenvolvimento da tecnologia, uma vez que este é realizado preferencialmente pelas grandes empresas em busca de lucro.

No caso do Brasil, aparecem outros problemas. No último século, o país passou por uma modernização periférica, baseada na entrada de multinacionais e na continuidade do modelo agrícola voltado para a exportação. Atualmente, passamos por um processo de transformações que tem como objetivo atrair, mesmo que a um custo social elevado, capitais estrangeiros para o país. Nesse contexto, a preocupação com a regulamentação e a fiscalização do uso dos sistemas naturais fica em segundo plano.

De qualquer modo, saber como os sistemas naturais e o meio ambiente funciona, é uma necessidade. Um passo extremamente importante para que possamos criar boas condições de vida para toda a humanidade sem com isso produzir desarranjos ambientais que impeçam a sobrevivência de todas as espécies animais e vegetais.