Sangue, Plasma, Tecido Hematopoiético e Adiposo como Tipos de Tecido Animal


O sangue

O sangue é considerado um tecido conjuntivo, mas com uma particularidade: a matriz não é secretada por suas células, como fazem os demais tecidos conjuntivos. O sangue é composto de duas partes, o plasma, que corresponde à matriz intercelular, e os elementos figurados. núcleo de ferro chamado grupo heme. Esse núcleo se liga, de forma reversível, a uma molécula de gás oxigénio (02), transportando-a dos pulmões até as células.

Sangue, Plasma, Tecido Hematopoiético

Como são quatro grupos heme, cada hemácia trans­porta quatro moléculas de gás 02 de uma vez. Também, e de forma igualmente reversível, a hemoglobina liga-se a moléculas de C02, transportando-as das células aos pulmões. As hemácias são formadas na medula óssea vermelha a partir de células chamadas eritroblastos. Estes perdem seu núcleo e passam a sintetizar hemoglobina, transfor­mando-se em reticulócitos. Os reticulócitos, ao caírem na corrente sanguínea, perdem parte do citoplasma e das organelas e, dentro de um a dois dias, transformam-se em eritrócitos (hemácias).
As hemácias vivem cerca de 120 dias, sendo, depois disso, destruídas no baço.

Plasma

O plasma corresponde a 55% do volume sanguíneo. É composto de água, sais, proteínas e substâncias trans­portadas, como gases, nutrientes, hormônios, enzimas e produtos da excreção celular. Embora hormônios e enzimas circulem na corrente sanguínea, consideram-se como proteínas plasmáticas a albumina, as globulinas e o fibrinogênio.

A albumina é a proteína mais abundante do plasma. Por seu alto peso molecular, auxilia na retenção de água dentro dos vasos sanguíneos por osmose. Além disso, ela tem papel importante no transporte de substâncias. Na falta de albumina, que ocorre em pessoas desnutridas, a água não é retida nos vasos sanguíneos e sai em direção aos tecidos; o resultado é o inchaço dos olhos, das pernas e até do abdome (barriga-d’água), apesar da carência alimentar.

As globulinas são de diversos tipos. As mais co­nhecidas são as imunoglobulinas ou anticorpos, que são essenciais no combate aos agentes estranhos que entram no organismo. O fibrinogênio é uma proteína que dá origem à fibrina, proteína fundamental no processo de coagulação sanguínea.

Elementos figurados

Os elementos figurados do sangue são as hemácias, os leucócitos e as plaquetas.

As hemácias, também chamadas de glóbulos ver­melhos ou eritrócitos, (do grego erythrós, vermelho) são células bicôncavas, achatadas e sem núcleo.
Nas hemácias existe um pigmento vermelho, a hemoglobina. Ela é uma proteína composta por quatro cadeias polipeptídicas. A hemácia é uma célula achatada, bicôncava e anucleada (com ampliação aproximada de 2 300 vezes e colorido artificial).

Cada mililitro de sangue contém cerca de 5 milhões de hemácias no homem e 4,5 milhões na mulher. Uma concentração de hemácias abaixo da normal é uma das causas de anemia. Os leucócitos ou glóbulos brancos são células gran­des, translúcidas e com núcleo. Alguns deles apresentam granulações no citoplasma e, por isso, são chamados granulócitos. São eles os basófilos, os neutrófilos e os eosinófilos. Outros não apresentam essas granulações e por isso são chamados agranulócitos. São eles os linfócitos B e T e os monócitos.

A concentração normal de leucócitos em indivíduos adultos é de 5 000 a 10 000 por mililitro de sangue. As células precursoras dos leucócitos são produzidas na medula óssea vermelha, de onde são enviadas para os linfonodos, o timo e o baço, onde o tecido hematopoético linfoide promoverá a produção dos novos leucócitos.

A função dos leucócitos é combater infecções, o que fazem de duas maneiras: fagocitando partículas estranhas ou produzindo anticorpos. A fagocitose é auxiliada pela diapedese, propriedade que os leucócitos têm de atravessar as paredes dos vasos sanguíneos em direção aos tecidos, fagocitando organis­mos ou substâncias invasoras. As plaquetas ou trombócitos (do grego thrómbos, coágulo) não são células completas. Elas são fragmen­tos de megacariócitos, células produzidas na medula óssea vermelha. Cada megacariócito produz, em média, 10 000 plaquetas.

Plaquetas são fragmentos celulares (com ampliação aproximada de 2 800 vezes e colorido artificial). Cada mililitro de sangue (l mL) contém cerca de 300 000 plaquetas. Sua função é promover a coagulação sanguínea. Elas aderem umas às outras e às fibras coláge-nas do vaso sanguíneo danificado e, com isso, dão início ao processo de coagulação. Quando ocorre a lesão de um vaso sanguíneo, pla­quetas e células danificadas liberam uma enzima chamada tromboplastina. Essa enzima, na presença de íons cálcio (Ca++) e vitamina K, catalisa a transformação da proteína protrombina (inativa) em trombina (ativa). A trombina, por sua vez, catalisa a reação que transforma a proteína fibrinogênio em fibrina.

A fibrina é uma proteína fibrosa que forma uma rede, prendendo células sanguíneas que estão prestes a escapar pela brecha do vaso lesado. O resultado é a formação de um coágulo que estanca o sangramento.

Tecido hematopoético

A hematopoese é a produção de células sanguíneas pelo tecido conjuntivo hematopoético, que pode ser de dois tipos, mieloide e linfoide.
O tecido conjuntivo hematopoético mieloide está localizado na medula óssea vermelha, dentro de certos ossos. É responsável pela produção de hemácias, plaquetas e alguns tipos de leucócito.

Já o tecido conjuntivo hematopoético linfoide é for­mado pelos linfonodos e suas células são os linfócitos, os fibroblastos e as células reticulares. Sua função é produzir linfócitos, um tipo de leucócito. Os linfonodos surgem a partir do terceiro mês de desenvolvimento embrionário como espessamentos do mesênquima ao longo dos vasos linfáticos. No homem adulto são mais de 400, sendo 30% deles na região do pescoço. Estão ainda nos pulmões, na medula óssea, na mucosa gástrica e em diversos outros tecidos.

Seu tamanho varia de 0,2 mm a l mm de diâmetro, e são envoltos por uma cápsula de tecido conjuntivo perfura­da por vasos linfáticos, que trazem até eles a linfa, líquido formado pelo plasma que extravasa de vasos sanguíneos e é drenado para o interior dos vasos linfáticos. Em contato com a linfa, os linfócitos removem dela bactérias e demais corpos estranhos. Durante infecções, os linfonodos aumentam sua atividade, produzindo mais linfócitos, filtrando organis­mos e substâncias estranhas. Por essa razão, aumentam de volume, acarretando o inchaço que popularmente chamamos de íngua.

Tecido adiposo

O tecido adiposo é um tipo de tecido conjuntivo caracterizado por possuir pequena quantidade de fibras colágenas e abundante quantidade de células adiposas ou adipócitos. A célula adiposa adulta tem um vacúolo armazenador de gordura que ocupa quase todo o citoplasma. O tecido adiposo localiza-se sob a pele e ao redor de órgãos.

As células adiposas são especializadas em armazenar gordura (com ampliação aproximada de 1600 vezes e colorido artificial).
As funções do tecido adiposo são o armazenamento de gorduras para fins energéticos, o isolamento térmico, que dificulta a perda de calor, e a proteção mecânica contra eventuais impactos.