Tipos de Tecido Animal: Conjuntivo, Cartilaginoso e Ósseo


Tipos de tecido conjuntivo

Os principais tipos de tecido conjuntivo são o propriamente dito, o tecido cartilaginoso, o tecido ósseo, o sangue, o tecido hematopoético e o tecido adiposo.

Células

As células do tecido conjuntivo estão mergulhadas na substância intercelular. Elas têm origem em células embrionárias chamadas células mesenquimais. Elas são capazes de se diferenciar em qualquer célula do tecido conjuntivo.

Tipos de Tecido Animal

Tecido conjuntivo propriamente dito

Dos diversos tipos de tecido conjuntivo, o propriamente dito é o menos especializado. Entre suas funções estão a de preencher espaços entre os demais tecidos e garantir a nutrição deles através de seus vasos sanguíneos. Há dois tipos: o propriamente dito frouxo e o propriamente dito denso.

propriamente dito frouxo

Resumidamente chamado de tecido conjuntivo frouxo, ele é muito flexível, embora pouco resistente. Está presente em praticamente todos os órgãos hu­manos. Envolve vasos sanguíneos, vasos linfáticos e nervos e, na pele, fica por entre as fibras musculares da derme.

propriamente dito denso

Também chamado tecido conjuntivo denso, tem grande resistência a trações. Isso ocorre porque possui muitas fibras colágenas. Está presente em tendões, liga­mentos e nas membranas que revestem órgãos internos como o fígado e os rins. A maneira como as fibras colágenas estão dispostas permite a classificação do tecido conjuntivo denso em dois tipos, o tecido conjuntivo denso modelado e o não modelado. No tecido conjuntivo denso modelado, as fibras colágenas são paralelas umas às outras, permitindo que suportem trações fortes. É encontrado em tendões e ligamentos.
Os tendões ligam ossos e músculos, como, por exem­plo, o tendão dos calcanhares. Já os ligamentos ligam um osso a outro osso, como os ligamentos do joelho, que fazem a ligação entre o fêmur e a tíbia, por exemplo.

O tecido conjuntivo denso modelado compõe tendões e ligamentos (com ampliação aproximada de 160 vezes e colorido artificial). O tecido conjuntivo denso não modelado também é chamado de tecido conjuntivo denso fibroso. Suas fibras dispõem-se sem uma orientação definida. Ele está presen­te, por exemplo, na derme, no pericôndrio e no periósteo. O pericôndrio é uma membrana que envolve as cartilagens e o periósteo é uma membrana que envolve os ossos.

Tecido cartilaginoso

O tecido cartilaginoso ou cartilagem tem a subs­tância fundamental amorfa, também chamada de matriz, feita principalmente de colágeno e mucopolissacarídeo. Essa matriz é produzida por células jovens chamadas condroblastos, que, quando amadurecem, passam a ser chamados condrócitos. Como consequência da secreção da matriz, os con­drócitos ficam aprisionados em espaços chamados lacunas. A cartilagem não possui vasos sanguíneos ou nervos, e sua nutrição se dá por difusão a partir do pericôndrio.

Os peixes cartilaginosos, como o tubarão e a raia, sus­tentam seu corpo por meio de um esqueleto cartilaginoso durante toda a vida. O esqueleto dos seres humanos, durante o estágio embrionário, também é feito apenas de cartilagens, que, posteriormente, serão substituídas por ossos. Entretanto, diversas estruturas nos humanos adultos apresentam porções formadas por cartilagem, como, por exemplo, orelhas, nariz, traqueia, brônquios e extremi­dades dos ossos.

De maneira geral, as funções do tecido cartilaginoso são fornecer sustentação, amortecer impactos, prevenir desgastes entre os ossos e auxiliar no crescimento ósseo. Há três tipos de cartilagem: hialina, elástica e fi­brosa.

A cartilagem hialina possui poucas e finas fibras colágenas. A matriz tem uma aparência branca e trans­lúcida. É o tipo mais comum de cartilagem. Compõe as articulações, as extremidades dos ossos longos e das costelas, as cavidades nasais e os anéis da traqueia e dos brônquios. O esqueleto do feto também é feito desse tipo de cartilagem.

A cartilagem elástica possui mais fibras elásticas que colágenas, sendo por isso mais flexível. É encontrada na orelha externa, na epiglote e na laringe.

A cartilagem fibrosa ou fibrocartilagem é rica em grossas e fortes fibras colágenas. Portanto, é muito resis­tente e própria para auxiliar no amortecimento de estrutu­ras que recebem fortes e constantes pressão e impacto. É encontrada nos discos intervertebrais e entre os ossos pubianos (ossos da bacia).

Tecido ósseo

O tecido ósseo é o mais rígido dos tecidos conjuntivos. Ele é formado por uma matriz composta de sais inorgânicos, principalmente o fosfato de cálcio, que se depositam ao redor de fibras de colágeno. Essa associação de fosfato de cálcio e colágeno confere rigidez e resistência ao osso.
O tecido ósseo ocorre em todos os vertebrados, com exceção dos peixes cartilaginosos. Praticamente todos os ossos dão sustentação e proteção ao corpo. Alguns, além disso, produzem células sanguíneas, enquanto outros armazenam gorduras. O tecido ósseo possui três tipos de célula: osteoblastos, osteócitos e osteoclastos.

Os osteoblastos são células jovens que possuem prolongamentos citoplasmáticos. Eles sintetizam a parte orgânica da matriz intercelular a seu redor e favorecem a mineralização dessa matriz. Conforme a matriz é produzida, os osteoblastos ficam fechados em lacunas, diminuem sua atividade e passam a ser chamados de osteócitos.

Os osteoclastos são células multinucleadas, grandes, especializadas em reabsorver a matriz óssea em certas áreas, permitindo o remodelamento do osso. Em caso de fraturas ou desgastes naturais, os osteoclastos auxiliam a recons­truir o osso lesado, consumindo áreas não funcionais para que os osteoblastos sintetizem novas áreas ósseas.

Um osso é uma estrutura formada por incontáveis unidades microscópicas. Cada uma dessas unidades é formada por camadas de matriz mineralizada e osteócitos, colocados ao redor de um canal longitudinal, denominado canal central. Por dentro do canal central passam nervos e vasos sanguíneos. Os canais centrais comunicam-se entre si por meio de canais perpendiculares, chamados canais perfurantes. Na parte externa, um osso é revestido pelo periósteo, que é um tecido conjuntivo denso não modelado.

A medula óssea é a parte central de um osso. Não deve ser confundida com a medula espinal, que é parte do sistema nervoso central, inserida na coluna vertebral. A medula óssea pode ser classificada em vermelha e amarela. A medula óssea vermelha é composta de tecido conjuntivo hematopoético, cuja função é produzir células do sangue, como as hemácias, os glóbulos brancos e os fragmentos de células chamados plaquetas. Ela está presente no interior de ossos como o esterno, as costelas e as vértebras. A medula óssea amarela, popularmente conhecida como tutano, tem origem na medula óssea vermelha, que, com o passar do tempo, vai acumulando gordura. Ela não produz células sanguíneas.