Tipos de óvulo e Segmentação na Embriologia


Tipos de óvulo

Dentre os aspectos estudados na embriologia estão as características dos óvulos e a segmentação. Ambos são aspectos iniciais da formação e desenvolvimento, respectivamente, de um animal.

Tipos de óvulos
Na biologia, os óvulos são células reprodutoras femininas. Para gerar um descendente elas precisam ser fecundadas por um gameta masculino, sendo que após essa fecundação é gerado o zigoto.

E os óvulos estão separados em quatro tipos, sendo que a classificação varia de acordo com a quantidade do chamado vitelo, que é uma reserva de nutrientes. Estão entre os tipos:

Isolécito: tem poucos vitelos. Porém, a distribuição deles no citoplasma (fluido localizado no interior das células) é uniforme. Entre os animais que têm esse tipo de óvulos estão as esponjas do mar e os humanos.

Centrolécito: os vitelos ficam divididos entre o centro do citoplasma e nas bordas das células. Estes óvulos são encontrados em insetos e aracnídeos.

Heterolécito: este tipo tem bastante vitelos, que ficam espalhados pela célula. Há uma distinção entre um polo animal (pouco vitelo) e um vegetativo (muitos vitelos). Minhocas e tênias apresentam estes óvulos.

Telolécito: apresenta grande quantidade de vitelos, menos no polo animal, que abriga o núcleo da célula. São encontrados nas lulas e alguns peixes.

Segmentação
Já a segmentação é o processo posterior à fecundação dos óvulos. Nesta fase do desenvolvimento de uma espécie animal as células começam a se dividir. A partir disso um embrião é formado.

Nesse processo de divisão são dois os modos em que a segmentação pode ocorrer:
– segmentação total (holoblástica): aqui o zigoto é dividido por completo, por causa dos poucos vitelos. Esse tipo de segmentação pode ser total e igual ou total e desigual.

– segmentação parcial (meroblástica): a divisão parcial ocorre nos zigotos que possuem muito vitelo. Além disso, o polo vegetativo não é dividido. A segmentação pode ser, ainda, discoidal ou superficial.