Resumo Correntes filosóficas


Filosofia, termo derivado do grego que em uma tradução livre pode ser considerado como “amigo da filosofia”, é o estudo de questões relacionadas ao homem e aquilo que o cerca, como ética, moral, linguagem, existência, verdade e conhecimento.

Resumo Correntes filosóficas

Conceituar a filosofia enquanto disciplina é uma tarefa quase que impossível, já que seus objetos de estudos são muitos e variados e o modo de olhar para eles variam de acordo com a corrente filosófica da qual se olha, que pode ser mais restrita ou mais ampla, mais ou menos materiais, etc.

Mas para que possamos começar a entendê-la, fazer um resumo de correntes filosóficas, incluindo o modo de olhar para as coisas que tais correntes tinham/têm e os seus principais pensadores, pode ser uma tarefa de extrema utilidade. É neste ponto que o artigo em questão se debruça.

Introdução

Antes de começarmos o resumo de correntes filosóficas de fato, é necessário estabelecer um ponto muito importante: a divisão adotada aqui pode não ser a mesma adotada por outros pensadores. No entanto, este recorte é fundamental para que se possa começar a entender o assunto de uma maneira ampla e com uma cronologia (ordem temporal das coisas) que faça sentido.

Principais correntes filosóficas

Sem estabelecer uma cronologia para elencar as correntes, partimos da Grécia antiga, que se enquadra entre as primeiras sociedades do mundo ocidental – é necessário lembrar que no oriente, existem sociedades muito mais antigas que a grega, e claro toda uma vasta gama de conhecimento sobre diversas coisas, incluindo a filosofia, mas que infelizmente fogem ao escopo deste artigo e, por isso, não serão abordadas. Vamos ao resumo de correntes filosóficas.

Idealismo

Para os filósofos idealistas, tudo o que existia no mundo exterior ao eu, isto é, no mundo material, era resultado do trabalho da mente e das ideias. Assim, a realidade era considerada como uma criação da mente, e não algo dado pelo mundo.

A posição do Idealismo pode parecer absurda à primeira vista, mas se a analisamos com cuidado percebemos que ela começa a fazer sentido. Pense no gosto, no cheiro, no tato e na visão. São estas sensações que nos fazem perceber as coisas, e todas as coisas estão dentro do mundo.

São expoentes desta corrente Platão, Berkeley e Friedrich Hegel.

Materialismo

Se o idealismo considera tudo uma criação da mente, os materialistas, como a própria designação indica, consideram justamente o contrário. Para eles, o mundo e todas as suas coisas existem fora de nós, já que são matéria, e não resultados. Aristóteles e Karl Marx são os grandes expoentes desta teoria.

Escolástica

Antes dos gregos antigos, Cristo ainda não havia surgido na cultura ocidental. Mas assim que nasceu, o cristianismo, religião que o têm como líder, dominou os mais diversos aspectos da sociedade – ética, moral, ensino, o mercado, etc. – durante a Idade Média. Assim, o conhecimento deveria ser analisado à luz dos ensinamentos cristãos, e foi isso que os escolásticos fizeram.

Basicamente, os pensadores desta corrente tinham a missão de analisar os ensinamentos cristãos a partir da filosofia da Grécia antiga. Santo Agostinho e Tomás de Aquino são os maiores pensadores.

Racionalismo

Razão é a palavra-chave aqui, pois o que os pensadores desta corrente faz é analisar tudo através da razão, ou seja, as verdades sobre a realidade só podem ser analisadas por este prisma, rejeitando as sensações e sentimentos.

O grego Parmênides, o famoso René Descartes, Spinoza, Giambattista Vico e Leibniz são grandes pensadores do Racionalismo.

Empirismo

É um método de análise bastante utilizado na ciência moderna, especialmente nas disciplinas exatas. Na filosofia, significa que os sentidos são os verdadeiros responsáveis por revelar a verdade, e não a razão.

Uma proposição bastante interessante desta corrente, e amplamente utilizada na educação, é a de que o conhecimento só é construído porque é baseado na experiência. Popper, Lock, Hume e Kant são os maiores expoentes.

Pragmatismo

Primeira corrente filosófica originada nos Estados Unidos (todas as outras até aqui são de origem europeia) e inclusive muito coerentes com o pensado dos norte-americanos, o pragmatismo prega que a verdade de uma ideia deve ser analisada levando em conta sua utilidade, ou seja, parte de uma visão bastante prática. Pierce, John Dewey e Willian James forma sua tríade de pensadores mais famosa.

Fenomenologia

Pelo nome, já podemos começar a entender que se trata da análise de um fenômeno. Aqui, busca-se ir além da superfície, chegando à consciência da natureza. Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty são os mais famosos pensadores.

Existencialismo

Prega que não há origem, que todas as pessoas são livres para fazer suas próprias escolhas e lidar com as consequências, positivas ou negativas, das mesmas. Sartre e Kierkegaard são os maiores pensadores.

Pós-modernismo

Pode ser considerada como a mais recente e aberta corrente filosófica existente. Surgiu para quebrar o paradigma da filosofia “moderna” e é considerada por muitos, como uma filosofia que zomba de si mesma.

Heráclito, Nietzsche, Wittgeinstein, Thomas Kuhn, Michel Foucault e Jacques Derrida são os grandes (e talvez mais estudados) filósofos desta corrente.

Por fim, é necessário frisar que tudo o que foi dito acima é um breve resumo de correntes filosóficas. Elas são muito mais amplas e complexas do que descrito aqui. Somente a leitura de estudos epistemológicos de filosofia ou a própria leitura de seus pensadores podem as revelar em detalhes.