Linhas de campo


São consideradas representações geométricas definidas por um “campo vetorial” aliado a um ponto de início dentro desse mesmo campo. Suas principais contribuições são para visualização dos próprios campos vetoriais, até hoje não se encontrou melhor maneira para descrevê-los.

Linhas de força?

As linhas de campo também podem ser denominadas de linhas de força, basicamente são linhas imaginárias dentro de um campo de forças. Vamos explicar melhor:

Se existe uma região onde há a presença do campo magnético, é bem provável que no entorno desta “região” exista, pelo menos, um objeto magnetizando este entorno. Um objeto que pode ilustrar muito bem essa situação é a bússola, a qual identifica a presença de um campo magnético terrestre, afinal a agulha da bússola está magnetizada e o campo que é criado se sobrepõe ao magnetismo que já existe.

campo

Além disso, a agulha tem uma massa quase irrelevante e também é móvel, isto é, ela vai mudar de lugar indo ao encontro do campo magnético criado.

Os pesquisadores utilizam ainda o mapeamento, ou localização, das linhas de campo. Tal atividade permite, por exemplo, uma possível interação entre objetos magnetizados. Após diversas pesquisas, hoje sabemos que a interação tende a ser muito maior em regiões localizadas bem próximas a polos magnéticos.

Características

Uma das principais características das linhas de campo, ou força, são seu formato fechado, e isso tem uma explicação: linhas de campo não tem início, ou, fim. Pense na seguinte situação, quando você coloca um tipo de “limalha” proveniente do ferro envolto em uma folha de papel, e então, sobre um ímã, a tendência é que o padrão destas linhas apareça de maneira fechada.

Como já mencionado tais linhas são apenas representações geométricas / radiais que irão indicar a presença de campo elétrico – ou de força -. As linhas de campo são tangentes aos vetores dos campos elétricos, portanto, para campos que são gerados por meio de cargas positivas as linhas de força são representadas de modo a afastar-se do centro, fisicamente falando, são divergentes. Enquanto isso, se o campo que gera tais linhas for de carga negativa, o sentido desta será de aproximação, isto é, são linhas convergentes.

Como você já deve ter imaginado as linhas de campo jamais irão cruzar-se entre si.

Teoria do magnetismo

Já que estamos aprendendo um pouco mais sobre as linhas de campo, é válido trazer a tona uma pequena parte a respeito da “Teoria do Magnetismo”.

Grosso modo a expressão “magnetismo” relaciona-se a todo e qualquer fenômeno que diz respeito a atração, ou mesmo repulsão, de objetos.

Acredita-se que as primeiras observações a cerca do magnetismo são deveras antigas e remontam do Século VI a.C., talvez até mesmo anterior a esse período. Os estudos sobre estes fenômenos atravessaram gerações e passaram pelas hábeis mãos de grandes nomes como Michel Faraday (magnetismo – eletromagnetismo), Joseph Henry (descobrimento do fenômeno de indução magnética), Heirinch Friedrich Emil Lenz (que deu origem a Lei de Lenz), e também, Wilhelm Eduard Weber (responsável pelo descobrimento da unidade de grandeza de fluxo magnético que passou a ser denomina Weber, em sua homenagem).

Mas foi James Clerk Maxwell o grande responsável por explicar desde o conhecimento empírico a cerca dos fenômenos do magnetismo, até criar bases teóricas muito fortes a respeito do assunto, elaborando, inclusive estudos que comprovaram a existência das ondas eletromagnéticas propriamente ditas.

Com o passar do tempo, e também, com o resultado de algumas parcerias – com Hertz, por exemplo -, diversas luzes iluminaram as pesquisas chegando aos conceitos de eletromagnetismo.

Em outras palavras, pode-se dizer que os estudos de Maxwell elevaram o magnetismo a outro patamar dentro da Física, sobretudo, por provar que todos os fenômenos por ele indicados não eram mero resultado do acaso.

Sobre a teoria do magnetismo, linhas de campo e polos magnéticos

Foi graças às comprovações e trabalhos de grandes pesquisadores como Maxwell que foi possível provar que características das linhas de campo e dos polos magnéticos eram inseparáveis. Afinal, já que as linhas de campo são fechadas não há a possibilidade de se existir apenas um polo magnético isolado, caso isso realmente ocorresse linhas de força partiriam e chegariam a um único ponto.

Concluindo

Agora que já vimos um pouco mais sobre a história do magnetismo, e mesmo sobre os fenômenos que envolvem as linhas de campo, pode-se afirmar que as pesquisas que nos trouxeram tais conceitos são muito importantes, além de terem sido avaliadas por anos e anos.

Como mencionado no início deste artigo a principal função das linhas de campo é a visualização de campos vetoriais, ou magnéticos, os quais podem indicar muitos outros fenômenos.

Cabe dizer ainda que apesar de um pouco complexo este tema constantemente aparece em nossas vidas, seja, em experiências, ou mesmo em fatos do cotidiano. Portanto, não podemos estar alheios a eles. No mais, esperamos poder ter lhe ajudado com nosso conteúdo.