Mecanização no Campo


Mecanização

Tratores, semeadeiras e colheitadeiras são elementos incorporados à paisagem rural. A mecanização no campo é, dentro do contexto histórico, um fenômeno recente, que começa a engatinhar a partir do advento da Revolução Industrial.

A Revolução Industrial, em seu curso, que atravessa os séculos XIX e XX, arrasta grandes contingentes populacionais do campo para a cidade. Em contrapartida, assim como intensifica a produtividade nas cidades, entrega recursos para que o campo também otimize seus processos produtivos.

Não fosse isso, provavelmente teríamos grandes populações urbanas sendo flageladas pela fome. É o que ocorreria se a agricultura não houvesse se modernizado, melhorando o tratamento e o aproveitamento do solo, melhorando os processos produtivos e aumentando de forma exponencial a produtividade agrícola, responsável, em grande parte, pela alimentação das populações.

Aspectos sociais da mecanização no campo

Há quem atribua à mecanização no campo o chamado “êxodo rural”, que é a migração de grandes contingentes populacionais do campo para a cidade.

É bem verdade que o uso de equipamentos que substituem a mão de obra humana tende a operar na diminuição e, ao mesmo tempo, sofisticação dos postos de trabalho na agricultura. Ao mesmo tempo, a concentração da atividade agrícola demanda outras atividades, que dela podem se nutrir, principalmente a indústria alimentícia e a indústria têxtil. O que implica criar ambiente para o surgimento de novos postos de trabalho, assim como o aumento da demanda por infraestrutura e serviços, fomentando a atividade econômica nas pequenas cidades que se formam em torno desses complexos industriais.

Produtividade

A mecanização e a automação da atividade agrícola podem, portanto, contribuir, em duas frentes, para a alimentação de todos os contingentes populacionais e para a multiplicação das atividades econômicas. É o que acontece, no Brasil, com o agronegócio, que demanda infraestrutura e, ao mesmo tempo, gera divisas para o país por meio da exportação, podendo alavancar a prestação de serviços públicos e a criação de novos postos de trabalho.

Tudo isso é possível graças ao aumento da produtividade, que se deu com a contribuição do avanço tecnológico e da busca de novas soluções para a exploração sensata e cada vez mais produtiva da terra.