A Terra no Espaço, Movimentos, Estações do Ano, Orientação e Coordenadas Geográficas


A Terra é o terceiro planeta na ordem de afastamento do Sol e o quinto em tamanho. Vista do espaço, a Terra revela sua forma esférica. Ela apresenta uma forma arredondada, achatada nos polos e um certo abaulamento no Equador, em razão do movimento de rotação, por isso dizemos que a forma do planeta é Geoide ou Elipsoide. Por meio dos eclipses, Aristóteles, quatro séculos antes de Cristo, comprovou a esfericidade da Terra.

A Terra no Espaço, Movimentos, Estações do Ano

Dimensões

•         Diâmetro equatorial – 12 756 km
•         Diâmetro polar – 12 713 km
•         Circunferência equatorial – 40 076 km
•         Circunferência polar – 40 009 km
•         Superfície total – 510 000 000 km2
•         Volume – l 083 000 000 km3
•         Distância média do Sol – 150 000 000 km
•         Distância média da Lua-38 4000 km

Movimentos   da   Terra

Embora os cientistas conheçam quatro movimentos diferentes da Terra, dois são os mais importantes: rota­ção e translação, cujas consequências estão relaciona­das com o dia-a-dia dos seres vivos.

Rotação

É o giro que a Terra realiza em torno de seu eixo ima­ginário, de oeste para leste, à velocidade de l 666 km/h, aproximadamente, na altura do Equador. Se tomada como referência a posição do Sol, esse movimen­to dura 24 horas e é denominado dia solar (passagem do Sol por um meridiano duas vezes consecutivas). Se o referencial for outra estrela ou astro fora do nosso sistema, a duração é de 23 horas, 56 minutos e 4 segundos e denomina-se dia sideral (passagem de um astro qualquer por um mesmo meridiano duas vezes consecutivas).”

Consequências importantes do movimento de rotação: Sucessão dos dias e das noites. Interferência na circulação atmosférica e nas cor­rentes marítimas. Achatamento dos polos e dilatação da região equatorial. Com base na rotação terrestre, foram criados os fusos horários.

Translação

Translação é o movimento que a Terra executa ao redor do Sol, em uma órbita elíptica, percorrendo aproxi­madamente 930 milhões de quilômetros. A velocidade mé­dia do movimento de translação é de 29,7 km/s (196 800 km/h) e dura 365 dias, 5horas, 48 minutos e 48 segundos. Esse período é denominado ano sideral. O período de 365 dias é denominado ano civil. O ajuste entre os dois, acrescentando-se um dia em fevereiro a cada quatro anos, totaliza 366 dias e chama-se(ano bissexto.

A distância entre a Terra e o Sol é variável durante o ano, em razão do movimento de translação. No dia 8 de julho, ocorre o afélio (152 milhões de quilômetros) e no dia 31 de dezembro, o periélio (147 milhões de quilômetros).

Consequências do movimento de translação
•         Estações do ano, em função das diferentes posi­ções da Terra em relação ao Sol.
•         Desigualdade na distribuição de luz e calor, du­rante o ano.
•         Duração desigual dos dias e das noites, confor­me a época do ano, com exceção da região equa­torial, e ocorrência dos solstícios e equinócios.

Estações do ano

A Terra ocupa, durante o ano, diferentes posições em relação ao Sol por causa da inclinação do eixo terres­tre (obliquidade da eclíptica) e do movimento de transla­ção. Isso é o que origina os solstícios e equinócios.

Equinócios e  solstícios

Entende-se por equinócios os períodos do ano em que os hemisférios Norte e Sul são iluminados igualmente (situa­ções l e 3 do esquema), o que ocorre nos dias 21 de março e 23 de setembro, quando a duração do dia e da noite é a mesma, ou seja, 12 horas. Nos equinócios, o raio solar atinge perpendicularmente a linha do Equador (zênite). Depois dos equinócios, os dias e as noites começam a encurtar-se, no Hemisfério Norte, e a alongar-se, no Hemisfério Sul (e vice-versa), até que ocorram os solstícios, quando as diferenças de luminosidade entre o dia e a noite atingem o máximo.

No dia 21 de junho, no Hemisfério Norte, ocorre o solstício de verão, quando o dia atinge o máximo de duração, e, no Hemisfério Sul, acontece a noite mais longa do ano, o solstício de inverno (situação 2 do esquema). No dia 21 de dezembro, essa situação se inverte em relação aos hemisférios. Isso signi­fica que o Sol atinge o zênite no Trópico de Capricórnio, e o solstício de verão no Hemisfério Sul (situação 4 do esquema).
Uma observação importante é que o eixo de rotação da Terra não é perpendicular ao plano de órbita, apresen­tando uma inclinação de 23°27’30” em relação à eclíptica. Essa inclinação é denominada obliquidade da eclíptica.

Precessão  dos  equinócios

O movimento cíclico dos equinócios, variando a incli­nação do eixo terrestre, com duração aproximada de 26 000 anos, recebe o nome de precessão dos equinócios.

Orientação e coordenadas geográficas

Meios de orientação

Ao observar o movimento aparente do Sol, consta­tou-se que ele sempre aparece de um lado (nascente, les­te ou oriente) e desaparece do outro lado (poente, oeste ou ocidente). Daí a palavra orientação, ou seja, procurar o oriente: lugar onde o Sol “nasce”. Também a Estrela Polar serve de orientação no Hemisfério Norte e a cons­telação do Cruzeiro do Sul indica o Polo Sul da Terra.

Além dessas formas naturais, existem meios artificiais de orientação. O mais tradicional é a bússola, aparelho cons­tituído por uma agulha magnética, apoiada em um eixo, que gira sobre um círculo graduado (rosa-dos-ventos), no qual se encontram representados todos os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais. A agulha da bússola não apon­ta exatamente o norte geográfico, mas sim o sul magnéti­co, com desvio de alguns graus. O ângulo formado por esses dois pontos é a declinação magnética.

São quatro os pontos cardeais: norte (N), sul (S), leste (E ou L) e oeste (W ou O). Também os pontos cola­terais são quatro: nordeste (NE), sudeste (SE), sudoes­te (SÓ ou SW) e noroeste (NO ou NW). Entre os pontos cardeais e colaterais, existem oito pontos subcolaterais: nor-nordeste (NNE), es-nordeste (ENE), es-sudeste (ESE), su-sudeste (SSE), su-sudoeste (SSW), oes-sudo-este (WSW), oes-noroeste (WNW) e nor-noroeste (NNW).

Apesar de ter sido inventada pelos chineses há milênios, a bússola ainda é muito utilizada pelas pe­quenas embarcações. Nos grandes navios e aeronaves já se utilizam modernos processos de orientação, espe­cialmente o sistema de rádio e outros instrumentos, como radares, GPS e computadores, todos de grande precisão e eficiência. O GPS (Global Positioning Sistem) é um sistema que fornece a localização, dando as coordenadas geo­gráficas e a altitude de um lugar a partir de sinais emi­tidos por satélites artificiais que giram em torno da Terra.

Pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais são essenciais para que o homem possa orientar-se de for­ma adequada.

Na sequência, são relacionados os adjetivos corres­pondentes aos nomes dos pontos cardeais:
•         norte – setentrional ou boreal;
•         sul – meridional ou austral;
•         leste – oriental ou nascente;
•         oeste – ocidental ou poente.

Linhas  imaginárias

A fim de facilitar a localização dos vários pontos da superfície terrestre, foram traçados círculos imaginários ao redor da circunferência terrestre. Algumas dessas li­nhas atravessam a Terra em sua maior extensão. São os círculos máximos, como é o caso do Equador e dos me­ridianos (considerando-se o meridiano e o seu anti meridiano). Outras linhas, denominadas paralelos, percorrem distâncias menores. São os círculos menores.

Paralelos

Paralelos são círculos menores, traçados paralelamen­te à Linha do Equador, por meio dos quais determina-se a latitude de um lugar. Ao norte e ao sul da Linha do Equa­dor (0° de latitude), existem 180 paralelos, 90 ao norte e 90 ao sul. Alguns paralelos têm nome especial: Trópico de Câncer e Círculo Polar Ártico, ao norte do Equador; Trópico de Capricórnio e Círculo Polar Antártico, ao sul do Equador.

Meridianos

Meridianos são linhas traçadas de polo a polo e, por meio delas, determina-se a longitude de um lugar. Existem 360 meridianos, 180 a leste e 180 a oeste. O de Greenwich, na Inglaterra, considerado o meridiano inicial (0° de longitude) e o seu anti meridiano dividem a Terra em dois hemisférios (metades da esfera terrestre): Hemisfério Ocidental (oeste) e Hemisfério Oriental (leste).

Equador

É o círculo máximo que dista igualmente (90°) de ambos os polos, dividindo também a Terra em dois hemisférios: Hemisfério Norte (boreal ou setentrional) e Hemisfério Sul (austral ou meridional).

Coordenadas geográficas

Para determinar com exatidão a posição geográfica dos vários pontos da Terra, basta localizar o ponto que resulta do cruzamento de duas linhas imaginárias. Portanto, o ponto em que um paralelo cruza com um meridiano é o lugar geográfico, que se encontrará a uma ] determinada distância do Meridiano de Greenwich (longitude) e também a uma determinada distância da Linha do Equador (latitude).
Latitude – é a distância contada em graus a partir da Linha do Equador, no sentido norte ou sul, de 0° a 90°, medida pelos paralelos.
Longitude – é a distância contada em graus, a partir do Meridiano de Greenwich, no sentido leste ou oeste, e que varia de 0° a 180°, medida pelos meridianos.