Aspectos Políticos, Populacionais, Físicos e Econômicos de Canadá e México


Canadá: Aspectos políticos – Segundo maior país do mundo em extensão, com 9 970 610 quilômetros quadrados, o Canadá divide-se em dez províncias e dois territórios.

Aspectos populacionais: Com aproximadamente 33 milhões de habitantes, o Canadá é um dos países de menor densidade demográfica do mundo – 3,1 habitantes por quilometro quadrado -, concentrada no sul, na divisa com os Estados Unidos. Na composição da população canadense, 98% são de origem europeia, na maioria, britânicos e franceses. Os franceses con­centram-se, em sua maior parte, na província de Quebec, onde o francês também é língua oficial, uma região caracterizada por acen­tuadas intenções separatistas.

Aspectos Políticos, Populacionais

O Canadá é, na verdade, uma extensão da economia dos Esta­dos Unidos, existindo entre os dois países um forte relaciona­mento comercial, intensificado com a criação do Nafta. O país apresenta um excelente padrão de vida, com elevado nível industrial e agropecuário, embora seja limitado pelos fatores climáticos.

Aspectos económicos

Como importantes recursos minerais do Canadá, destacam-se o ferro, o níquel, a platina, o ouro e o zinco. Quanto aos recursos energéticos, os grandes destaques são o urânio e o petróleo. Além disso, o país apresenta também um grande potencial hidráulico. O sudeste, região dos Grandes Lagos e Vale do Rio São Lourenço, é a principal região do país, onde se localizam Toronto, Montreal e Ottawa, com destaque para a produção metalúrgica de alumínio e de papel e celulose.

Nas pradarias, é importante a atividade agrícola, especialmente na produção de cereais. Destacam-se, também, a produção de petróleo e as indústrias petroquímicas, concentradas, principalmente, na província de Alberta. Na costa oeste (Pacífico), Vancouver é importante porto, centro metalúrgico e centro de papel e celulose. No Grande Norte, destacam-se a pesca e a extração madeireira.

Em 1999, foi criado o Território de Nunavut (“nossa terra”, na língua inuktitut, falada pelos inuits, conhecidos também como esquimós). O governo canadense concedeu autonomia ao povo inuit, formado por 28 comunidades, ocu­pando uma área equivalente a um quinto do Canadá.
São aproximadamente 600 mil pessoas que adquiriram o direito à autodeterminação. Ao administrarem o próprio território, passaram a conservar melhor sua cultura e suas tradições.

América Latina

Além desses, falam-se, ainda hoje, muitos idiomas indí­genas (maia, guarani, quíchua, aimará, etc.). Pode-se perceber a multiplicidade de nações ou países no continente pela pre­sença de inúmeras línguas, que variam, inclusive, em um mes­mo país. A língua não representa um elemento suficiente para se de­terminar a unidade dos países latino-americanos.

O caráter des­se conjunto é fornecido também pela formação histórica (ex-colônias de exploração) e pela atual situação de dependência e subdesenvolvimento, o que quase sempre indica a ocorrência de graves deficiências sociais e econômicas. Para facilitar o estudo do território latino-americano, ele foi dividido em unidades distintas, em função da grande di­versidade natural, humana e econômica dos países que o compõem: México, América Central, América Andina, Guianas e América Platina.

México

Com uma superfície de quase dois milhões de quilômetros quadrados, o México é atravessado pelo Trópico de Câncer em sua porção central. A população é predominantemente urbana, por causa do intenso êxodo rural ocorrido nas últimas décadas, o que vem ocasionando graves problemas sociais, princi­palmente em torno das grandes cidades.

Aspectos económicos

Atualmente, o México é o país latino-americano que recebe o maior número de turistas, que se dirigem princi­palmente à Cidade do México. Essa cidade, atual capital do país, fundada em 1322, já foi sede do Império Asteca, quando era denominada Tenochtitlán. O litoral mexicano, especialmente a cidade de Acapulco, localizada no Pacífi­co, com suas águas quentes, atrai milhares de turistas.

As áreas agricultáveis corres­pondem a apenas 15% do território mexicano, destacando-se a produ­ção de milho, algodão e café. Em lo de janeiro de 1994, en­trou em vigor o Nafta (Tratado de Livre Comércio entre México, Esta­dos Unidos e Canadá). As abun­dantes reservas de petróleo e a mão-de-obra barata dos trabalhado­res mexicanos são fatores atraen­tes para os norte-americanos, que se preocupam em manter os mexicanos no México, evitando a migração.

As maquiladoras, como são chamadas as montadoras norte-americanas que cruzaram a fronteira, explicam, em parte, esse crescimento. O PIB do México dobrou na década de 1990. O desaquecimento da economia norte-americana, ocorrido no início do século XXI, quebrou esse ritmo de crescimento e o governo mexicano vem promovendo, em conjunto com os empresários do país, um trabalho intenso para atrair novos parceiros, diminuindo a dependência em relação aos Estados Unidos. O México tem, hoje, uma das economias mais abertas do mundo. Em média, 95% de suas importações e exportações ao fruto de algum acordo de livre comércio.