Atlântida


Atlântida é uma grande ilha ou continente lendário, cuja existência não foi comprovada até os dias de hoje. Mencionada pela primeira vez por Platão, ela foi citada, ilustrada e serviu de inspiração para centenas de obras ao longo dos séculos. Há quem acredite que ela realmente existiu, e alguns arqueólogos seguem buscando e registrando vestígios do que pode ter sido a ilha. Entretanto, no geral, ela é vista principalmente como um mito.

atlantida

Como surgiu

Nos contos “Timeu ou a Natureza” e “Crítias ou a Atlântida”, Platão descreveu o local como uma potência naval que havia conquistado territórios diversos da África e da Europa, por volta de 9600 a.C. O autor afirmou que a ilha afundou no mar depois de tentar conquistar Atenas e falhar.

Daí para frente, estudiosos tentaram descobrir no que Platão se inspirara para criar suas histórias. Alguns dizem que ele se baseou em guerras antigas, como a de Troia. Outros afirmam que na verdade foi em acontecimentos próximos de sua época, século IV a.C., como a destruição de Helique ou a invasão da Sicília por Atenas.

A localização do continente seria o meio do oceano, que acabou por se chamar atlântico justamente devido à lenda. Segundo Platão, ela ficava próxima às colunas de Hércules (conhecidas hoje como o estreito de Gibraltar). A descrição feita por ele mostrava que as paisagens eram exóticas e paradisíacas, cheia de planícies e florestas, e com cidades extremamente avançadas.

Artistas e cientistas proliferavam na ilha, que era harmoniosa e pacífica até terem de se defender dos ataques de outras civilizações. Mais tarde, tomados pelo desejo de mais poder, os atlantes passaram a atacar. Com isso, também alterou-se seu comportamento, que agora envolvia luxúria, ganância e corrupção. Depois de Atenas, Poseidon teria decidido aplicar um castigo à ilha, afundando-a em uma só noite. Desde então, ela se perdeu para sempre.

Por muito tempo, Atlântida foi vista como uma invenção de Platão, mesmo por seus seguidores. Sua história foi recontada e reformulada diversas vezes por outros autores, especialmente na Renascença. Antes disso, ela era pouco conhecida e discutida menos ainda. O principal responsável por trazer a lenda de volta à tona foi o escritor Francis Bacon, na obra Nova Atlantis. Depois, outros nomes, como Olof Rudfec, Ignatius Donnelly e Jacinto Verdaguer impulsionaram o mito mais ainda. Esse último chegou a relacioná-lo com a descoberta da América, feita por Cristóvão Colombo.

Essa relação foi uma hipótese levantada por alguns autores europeus, que acreditavam que os habitantes do novo continente recém-descoberto fossem atlantes que escaparam antes da destruição da ilha. A partir daí, surgiram cada vez mais pesquisas e artigos a respeito da lenda, inclusive a criação da Sociedade dos Estudos Atlantianos (Société d’Études Atlantéennes), em Paris. Em 1927, essa sociedade deu origem à revista Atlantis, especializada no tema.

Teorias e hipóteses mais famosas

São poucos os historiadores contemporâneos que acreditam na existência de Atlântida, já que não há comprovação científica. Ainda assim, os que acreditam (ou acreditavam) se dividem entre hipóteses diversas sobre o que ela era, onde ficava e o que aconteceu, de fato, para que ela deixasse de existir.

• Civilização Minoica
Uma das teorias é de que a ilha é, na verdade, uma versão diferente da história da Civilização Minoica. Ela existiu entre 2500 e 1600 a.C., e era muito avançada. Foi a primeira grande civilização européia, e os minoicos foram os primeiros do continente a utilizar a linguagem escrita. Repentinamente, porém, a sociedade minoica desapareceu misteriosamente, e a razão não foi confirmada até hoje. Estudiosos acreditam que um terremoto atingiu uma ilha vulcânica, Tira, e que a erupção e os tsunamis subsequentes varreram toda a civilização lá presente.

Antártida
Charles Hapgood, em 1958, publicou um livro no qual ele indicava a possibilidade de que a Antártida já estivera em outro ponto do planeta, mais ao norte. Lá, ela teria sido a ilha lendária, em um clima ainda propício para isso. Todavia, uma mudança na crosta da Terra teria movido o continente para onde ele está atualmente, e a cidade teria sido enterrada sob a neve. Hoje em dia, essa teoria não é mais válida, já que os cientistas tomaram conhecimento das placas tectônicas, o que invalida a possibilidade de uma crosta movediça.

Triângulo das Bermudas
Unindo uma lenda à outra, o escritor Charles Berlitz, inspirado por Ignatius Donelly, afirmou que a ilha teria desaparecido no Triângulo das Bermudas. O local é conhecido pelo desaparecimento misterioso de muitos navios e embarcações, e, supostamente, a cidade perdida teria sido “engolida” por ele também. Esta teoria não é apoiada por pesquisadores, já que é intrinsecamente paranormal.

Ainda não há como saber se a cidade/ilha/continente perdido realmente existiu, ou se foi apenas uma invenção de Platão para representar uma civilização ideal e avisar sobre os perigos de se irritar os deuses.