Ciclone, Furacão e Tufão


Ciclones, tufões, furacões, afinal, qual será a diferença entre eles? Antes de falarmos sobre elas, vamos falar sobre o que esses fenômenos atmosféricos têm em comum: são movimentos giratórios e/ou circulares capazes de causar verdadeiros estragos por onde quer que passam. O motivo? A força de seus ventos.

Ciclone, Furacão e Tufão

Neste artigo, vamos conhecer mais sobre os ciclones – que podem ser subdivididos em tufão e furacão. Preparado (a)?

Ciclone, furacão e tufão – particularidades

O ciclone, furacão e tufão nada mais são do que fenômenos meteorológicos que se manifestam principalmente nas seguintes regiões:

  • Oceano Índico;
  • Norte, Nordeste e Oeste do Oceano Pacífico;
  • Norte do Atlântico.

O ciclone é como uma tempestade forte e violenta que afeta as regiões tropicais ou subtropicais. Esses ventos são caracterizados ciclones quanto ultrapassam 50 quilômetros por hora de velocidade.

Porém, alguns tipos de ciclones – como é o caso dos furacões, por exemplo, são ainda mais violentos: ao atingirem velocidade superior a 199 quilômetros por hora.

Os ciclones se formam pela junção entre fortes tempestades e sistemas com baixa pressão. Apesar de já serem considerados ciclones fenômenos deste tipo com velocidade acima de 50 km/hora, a maioria deles ultrapassa os 100 km/hora.

Um exemplo disso é o ciclone ‘Sandy’, que afetou os Estados Unidos no ano de 2012. Com 118 quilômetros por hora, ele foi tão devastador que causou mais de 20 bilhões de dólares de prejuízo às autoridades norte-americanas.

Como já vimos anteriormente, tanto o tufão como o furacão são classificados como ciclones. Mas afinal, o que será que caracteriza as diferenças entre estes fenômenos? Confira a seguir.

• Sobre o furacão e tufão

O furacão tem características muito similares – se não idênticas – às dos tufões.

De acordo com profissionais, os termos furacão e tufão se referem ao mesmo evento meteorológico – com a diferença de que cada um deles só acontece em uma região geográfica.

Sendo assim, o furacão se forma nas seguintes localizações do mapa:

  • No mar do Caribe;
  • No Norte do Oceano Atlântico;
  • No Golfo mexicano;
  • No litoral norte-americano (onde está o Oceano Pacífico).

Por outro lado, o tufão se manifesta em:

  • Leste de Data (Ou melhor, da Linha Internacional de Data);
  • Sul do território asiático (principalmente nas proximidades do Japão);
  • Leste do Oceano Índico;
  • Oceano Pacífico.

Sendo assim, o tufão e o furacão recebem nomes diferentes levando-se em consideração unicamente a localização geográfica onde eles acontecem. É isso mesmo que você está pensando: eles recebem nomes distintos, apesar de serem idênticos.

Neste sentido, um ciclone localizado ao leste do Oceano Índico ou no Japão será considerado um tufão, enquanto um ciclone no litoral dos EUA ou no Golfo do México será considerado um furacão.

Regiões como a América Central, Costa do México, EUA e Mar do Caribe tendem a sofrer furacões mais fortes – com velocidades acima de 200 km/ hora e verdadeiramente devastadores de cidades.

A propensão à ocorrência deste fenômeno meteorológico nestas regiões se dá uma vez que eles possuem duas características consideradas propícias para o desenvolvimento de ciclones: ventos aquecidos fracos sob o oceano e temperatura acima de 26º até os primeiros 50m de profundidade do mar.

Não à toa, os ciclones (furacões ou tufões) costumam ocorrer durante o verão, quando tanto a temperatura do mar como dos ventos são mais elevadas.

Os furacões podem ser classificados ainda em 5 diferentes categorias:

1. Ventos de no mínimo 119 km/hora (são considerados leves e quase não causam danos);
2. Com ventos de 154 a 177 km por hora (neste tipo de furacão já são observados alguns danos);
3. Com ventos de 178 a 209 km/hora (aqui os danos à região afetada começam a se tornar mais graves e desastrosos);
4. Com ventos de 210 a 249 km/h (com danos tão graves que podem levar a centenas ou milhões de mortes);
5. Ventos acima de 250 km/h – são os mais perigosos, tanto pelas chuvas como pela força de destruição dos ventos.

Mais informações sobre o ciclone, furacão e tufão

O ciclone, furacão e tufão se iniciam sempre nas regiões oceânicas com temperatura superior a 26 graus célsius.

Isso acontece uma vez que a água oceânica evapora (por estar muito quente) e se acumula como nuvens logo acima do nível do mar – que é considerada a camada mais ‘baixa’ de toda a atmosfera.

A ocorrência leva à geração de uma camada de baixíssima pressão na atmosfera. O ar quente tende a subir rapidamente, enquanto o ar frio (mais superior) desce para o centro em velocidade similar. Os ventos fortes e em sentido contrário dão início a tempestade. Quanto mais esse fenômeno se movimenta acima do mar, mais água é evaporada – o que faz com que o furacão ou tufão continue a ser alimentado.

Quando o furacão ou tufão (geralmente o tufão neste caso) atinge continentes secos e frios, as chances de devastação são menores, uma vez que o ar se dissipa.