Fluxos Migratórios, Imigração Estrangeira e Migrações Internas no Brasil


Fluxos Migratórios, Imigração Estrangeira e Migrações Internas no Brasil

A imigração é um traço inalienável da história do Brasil. A origem do Brasil, como é conhecido atualmente, é produto de um fluxo imigratório iniciado no século XVI, desde a chegada de Pedro Álvares Cabral ao atual território brasileiro.

Os portugueses foram os primeiros a chegar. A partir do início do século XIX, com a vinda da Corte Portuguesa para o Brasil e a perspectiva de maior desenvolvimento, atividade econômica e oportunidades de trabalho, o país passou a receber numerosos contingentes de europeus de outras procedências.

Muitos Alemães se instalaram em Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Suíços chegaram a Nova Friburgo, no Rio de Janeiro e São Paulo recebeu grande contingente de italianos, atraídos pelas vagas de trabalho no comércio e na indústria. Novos contingentes de italianos foram atraídos na segunda metade do século XIX pela oportunidade de trabalhar nas lavouras de café e obter sua própria terra no país.

Fluxos migratórios internos

Os fluxos migratórios internos também fazem parte da história do Brasil, influenciando na formação cultural e na realidade social.

Alguns fluxos notáveis de migração interna no país são aqueles que impulsionaram a economia da Região Centro-Oeste e o crescimento estrutural da região metropolitana de São Paulo. No caso da Região Centro-Oeste, a migração teve os gaúchos como personagens. Foram responsáveis pelo povoamento de parte da região, em busca de propriedades para o exercício da atividade agropecuária.

Historicamente, muito se atribuiu os fluxos migratórios à precariedade das condições de vida no local de origem dos emigrantes. Não deixa de ser uma verdade, porém o fator determinante são as oportunidades percebidas nos locais de destino.

Assim como o fluxo para o Oeste da década de 70 tem a possibilidade do enriquecimento com a terra, a migração nordestina para São Paulo nas décadas de 60 e 70 foi aquecida pelas oportunidades de emprego na capital paulista.

Em ambos os casos, tais fluxos tiveram peso na geografia física, econômica e cultural desses locais. Da mesma forma, a saturação das oportunidades pode promover fluxos inversos, como o que começou a acontecer no início do século XXI, quando cresceram os investimentos governamentais no Nordeste do país e até mesmo uma expansão da atividade industrial na região. Ao mesmo tempo, o sonho da cidade grande se esgotou para a maior parte desse contingente, se transformando em condições de vida nada satisfatória.