Nova Ordem Internacional: Histórico e Características do Capitalismo


Para entender melhor o mundo atual, é interessante fa­zer um retrospecto e nenhuma disciplina é melhor do que a História para se compreender efetivamente a realidade atual. Antes da Segunda Grande Guerra, havia uma ordem mundial multipolar, isto é, vários centros de poder disputa­vam a hegemonia internacional: a Inglaterra, que reinara ab­soluta no século XIX, estava em declínio no início do sécu­lo XX; a França e a Alemanha concorriam com o país bretão no continente europeu e na colonização da África e da Ásia; os Estados Unidos já eram a potência do continente ameri­cano; o Japão expandia seu império; a Rússia conquistou muita coisa.

Nova Ordem Internacional

Surgiu então a bipolaridade, que orien­tou a geopolítica do pós-guerra até o final da década de 1980. Duas novas potências mundiais, Estados Unidos e União Soviética, dividiram o mundo entre si. A bipolaridade ficou marcada pela disputa entre o capitalismo e o socialismo, sistemas socioeconômicos antagônicos. Iniciava-se a Guerra Fria, durante a qual a for­ma de mostrar poder era a produção de armas.

A nova ordem mundial fez com que os intelectuais franceses, na década de 1950, classificassem os países em três blocos:
Primeiro mundo – países capitalistas desenvol­vidos;
Segundo mundo – países socialistas;
Terceiro mundo – países subdesenvolvidos. Apesar das contestações a essa divisão, ela foi acei­ta até a década de 1980.

Países  capitalistas desenvolvidos: Países da Europa Ocidental, Japão e Austrália, liderados pelos Estados Unidos, formavam o chamado primeiro mundo.

Países  socialistas: O bloco denominado segundo mundo, sob a lideran­ça da ex-União Soviética (atual CEI), contava com a par­ticipação da China, dos países do Leste Europeu, de Cuba e de alguns países africanos e asiáticos.

Países  subdesenvolvidos: No dizer dos franceses, Lê Tiers monde, o terceiro mundo, o refúgio dos velhacos, a periferia do capitalismo internacional, era constituído pelos países pobres da Amé­rica Latina, da África, da Ásia e da Oceania.

Mundo capitalista: Caracterizado pela economia de empresas privadas, que incentivam o lucro por meio da criatividade e da efi­ciência administrativa, o sistema econômico capitalista consiste em três fases distintas: capitalismo comercial, capitalismo industrial e capitalismo financeiro.

Capitalismo comercial: Ocorreu entre os séculos XV e XVIII, com a expan­são colonial de nações como Portugal, Espanha, Holanda, Inglaterra e França.

Capitalismo  industrial: Surgiu no século XVIII, iniciando-se com a Revolução Industrial, na Inglaterra, e expandindo-se para outros países da Europa Ocidental, para os Estados Unidos e para o Japão.

Capitalismo financeiro: O capitalismo financeiro acelerou-se a partir do término da Segunda Guerra Mundial com o processo de descolonização. As empresas passaram a exportar cada vez mais capital produ­tivo, ou seja, meios de produção. Isso determinou o apareci­mento das multinacionais, também denominadas transnacionais, que buscam nos países subdesenvolvidos mão-de-obra bara­ta, mercados de consumo e matérias-primas. As bolsas de valores, as corretoras de valores e os bancos são as principais características da atual fase do capitalismo.

Principais  características  do capitalismo mundial

•         Livre iniciativa e livre concorrência.
•         Controle produtivo mantido pelos donos do ca­pital.
•         Lucro com o objetivo da atividade econômica.
•         Mão-de-obra assalariada e reunida em sindicatos.
•         Crises periódicas, por excesso de produção ou de consumo.

Classes  sociais  do  capitalismo

A sociedade capitalista é formada, em suas bases, por duas classes sociais:
•         burguesia – constituída pelos donos dos meios de produção: industriais, banqueiros, comercian­tes, fazendeiros;
•         proletariado — composto por operários, bancários, comerciários, lavradores, que, não possuindo meios de produção, trabalham para aqueles que lhes po­dem pagar um salário.

Mundo socialista

Criado pelo filósofo alemão Karl Marx, o socialismo ide­alizava a construção de uma sociedade equilibrada quanto à distribuição dos bens materiais e culturais. Essa teoria, apre­goada insistentemente durante o final do século XIX, veio encontrar, na Revolução Russa de 1917, terreno fértil para seu desenvolvimento. Com o nome de comunismo, as teorias socialistas foram sendo de fato implantadas. Durante mais de setenta anos, representaram não apenas um sistema econômico, mas uma organização de caráter social e político, um estado totalitário que deu origem à grande potência mundial que foi a ex-União Soviética. Nesse mundo socialista, aos poucos, foram se integrando diversas nações do Leste Eu­ropeu, China, Vietnã, Coreia e Cuba, além de vários países africanos e outros do Sudeste Asiático.

Principais características do socialismo mundial
•         Propriedade estatal dos meios de produção.
•         Produção e consumo planejados.
•         Redistribuição da renda.
•         Prioridade da produção de bens de capital.

Mundo atual: a nova ordem

A reestruturação econômica (perestroikà) e a abertu­ra política (glasnost), em 1986, na União Soviética, não se restringiram ao mundo socialista, foram, sim, o início de uma alteração profunda no panorama mundial. O muro de Berlim, derrubado em novembro de 1989, foi um dos mais significativos símbolos da separação entre capitalismo e socialismo, dividindo as duas Alemanhas – a Ocidental (capitalista) e a Oriental (socialista) -, que se reunificaram em 1990, constituindo um único país. Esse fato tem enorme significado de transformação do espaço geográfico, pois modificou fronteiras e formas de vida econômica.

As transformações ocorridas no final dos anos de 1980 e início dos de 1990 propiciaram uma nova estrutura para o mundo atual, ainda em processo de estruturação, mas que pode ser denominado mundo multipolar dos anos de 1990 e início do século XXI.