Principais Cultivos e Características Agrícolas do Norte e Sul e Urbanização do Campo


Principais Cultivos e Características Agrícolas do Norte e Sul

Quando se fala de agropecuária, a Região Sul do país é referência. Três aspectos contribuem para a produtividade da região.

O primeiro deles é o tipo de ocupação populacional, com grande presença de imigrantes europeus, que chegaram ao país desde o final do século XIX para trabalhar nas lavouras, trazendo técnicas mais sofisticadas de cultivo.

O segundo traço é a diversidade e potencial econômico do solo, que permite uma diversificada atividade agropastoril. E o terceiro ponto é a proximidade do litoral, que dota a região de alta capacidade de escoamento da produção.

O Rio Grande do Sul é grande produtor de proteína animal, adotando a pecuária semiextensiva, com destaque para a criação de bovinos e ovinos. No noroeste e oeste do estado se faz presente o plantio intensivo de grãos, com destaque para o trigo, arroz, soja e milho.

A terra roxa paranaense é aproveitada para a produção de trigo, milho e soja, entre outras culturas, enquanto em Santa Catarina prevalecem as cooperativas de granjeiros, responsáveis pela produção de aves e suínos, que alimentam uma poderosa indústria alimentícia, que a bastasse o mercado externo e a exportação.

Região Norte

A região Norte do Brasil ocupada, em grande parte, pela Floresta Amazônica, é a menos produtiva no setor agropecuário. Dentro desse contexto, o principal traço da região são as disputas de terra entre grandes proprietários, posseiros e indígenas.

A agricultura itinerante, praticamente de subsistência, é uma das principais características da região. A outra são os grandes latifúndios improdutivos.

A urbanização do campo

A urbanização do campo é um processo decorrente de dois fatores: a automação da produção e a aproximação da atividade industrial dos produtores.

A automação da produção implica menor emprego de mão de obra. Ao mesmo tempo, a indústria alimentícia e outras que se utilizam da matéria prima, procuram se estabelecer mais próximo dos produtores, empregando essa mão de obra, que se organiza em pequenas cidades, onde se desenvolvem outras atividades relacionadas ao setor de comércio e serviços.