Território, População e Aspectos Econômicos do México


O território mexicano possui um relevo bastante montanhoso e apresenta reduzidas planícies. A maior parte de seu litoral no Pacífico na região centro-sul faz parte do “círculo de fogo” do Pacífico, área sujeita à constantes abalos sísmicos. No território mexicano, podem-se distinguir três grandes regiões climatobotânicas: tropical: de clima quente e úmido, com a floresta tropical e as savanas; temperada fria: predomina nas maiores altitudes, reproduzindo um clima temperado com floresta temperada; desérticas: áreas com baixa pluviosidade, situando-se em regiões altas no plano central e são cobertas por estepes.

Território, População e Aspectos

População

Com cerca de 108 milhões (2007), é a segunda mais populosa nação latino-americana, superada apenas pelo Brasil. Essa população encontra-se distribuída por uma área de 1.972.547 km2, resultando numa densidade demográfica média de = 54 hab./km2. Quanto à etnia o México apresenta a seguinte formação: 60% mestiços (ameríndios + europeus), 30% ameríndios, 9% europeus ibéricos e 1% de outras origens. Cerca de 70% dos habitantes mexicanos vive em cidades, sendo a Cidade do México uma das maiores metrópoles mundiais, com 18.066.000 habitantes (2004). Destacam-se ainda Guadalajara, Monterrey, Puebla, Tampico, Leon, Vera Cruz e Acapulco.

As áreas mais densamente povoadas não estão localizadas nos litorais e sim nos planaltos entre 1.000 metros até 3.000 metros de altitude, sendo a área compreendida entre o nível do mar até 1.000 metros grandes vazios demográficos. Os indicadores sociais apontam para uma situação de subdesenvolvimento, com grandes desigualdades sociais, elevadas taxas de crescimento vegetativo e elevados índices de analfabetismo, apesar da sensível melhora econômica. Outro destaque são os movimentos populacionais, as emigrações temporárias pendulares dos braceros (trabalhadores agrícolas sazonais) para os EUA (Califórnia) na época das colheitas.

ASPECTOS ECONÔMICOS

O México é uma nação subdesenvolvida, porém industrializada. É parte integrante do grupo dos países emergentes. Apresenta uma das melhores condições econômicas entre os países da América Latina com um PIB de US$ 1.149 trilhões (estimativa de 2006) e renda per capita de US$ 10.700. Tal condição foi alcançada após sua entrada no Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) em 1992. De lá para cá o comércio entre o México e os EUA cresceu de 81 bilhões para 250 bilhões de dólares. O déficit público caiu de 14% do PIB em 1987 para 1% em 2000 e cinco entre as 10 maiores empresas da América Latina são mexicanas.

Agricultura: Devido à hostilidade do quadro natural, como áreas áridas e semiáridas, além de relevos montanhosos as áreas cultiváveis correspondem aproximadamente a apenas 10% do território. Destacam-se o planalto de Anáhuac, na porção central, onde predomina o milho, o produto mais cultivado no país; o domínio do chaparral, onde as atividades ma\s importantes são o cultivo de algodão e a pecuária bovina extensiva; e a orla litorânea do golfo do México e litoral do Pacífico, onde sobressaem as produções tropicais, como o café e a cana-de-açúcar, em forma de plantation. Além desses são destaques o arroz, banana e o sorgo.

Recursos minerais: No México os recursos minerais de maior importância são: prata que se encontra atualmente em decadência dado ao esgotamento das jazidas, chumbo, petróleo e gás natural (estes dois últimos no Golfo do México). Também existem jazidas de carvão que ao lado das hidrelétricas fornecem a energia necessária as suas indústrias.

O petróleo é uma das mais importantes atividades econômicas para o País. Em 1938, o governo estatizou a produção de petróleo, retirado no litoral do Golfo do México na Península de Yucatã e na Baía de Campeche (Tampico e Vera Cruz), através da PEMEX (Petróleo Mexicano). Atualmente a produção é de cerca de 3,4 milhões de barris/dia (2007) o que o posiciona como 6° produtor mundial.

Indústria e comércio: Até os anos 1980, mais de 80% das exportações mexicanas dependiam do petróleo e derivados. Hoje, quase 90% são produtos industrializados. As principais indústrias são: alimentícias, têxteis, metalúrgicas, siderúrgicas, automobilísticas, química e de turismo (grande setor industrial do país).

Os centros industriais mais importantes se localizam na Cidade do México, Monterrey (indústria de base), Guadalajara (têxtil e de produtos agrícolas), Puebla (têxtil) e Veracruz (química). Tijuana é a cidade que mais cresce no país, um misto de Ciudad dei Este paraguaio com o ABC paulista brasileiro, é a maior produtora de aparelhos de televisão do mundo.

Quanto ao comércio externo, tanto as exportações quanto as importações mexicanas situam-se na casa dos US$ 250 bilhões (2006). As exportações, em sua maioria (78% do total), dirigem-se para os EUA, seguido pelo Japão, MCE (França e Alemanha), Brasil e países da Associação Latino-Americana de Integração (ALADI). Outra fundamental atividade econômica do México é o turismo. O México tem uma rica história relacionada aos Astecas e Maias, além disso, os balneários de Acapulco, no Pacífico e Cancun no Atlântico estão entre os locais mais procurados pelos turistas.

Um elo entre as Américas do Norte e do Sul, assim pode ser definido a América Central. No sul da América do Norte o continente se estreita, formando um istmo montanhoso, de origem vulcânica e tectônica, sujeita a abalos sísmicos e com uma superfície de aproximadamente 553.000 km2 ligando-se à América do Sul. Defronte a esse istmo, nas águas do Atlântico (mar do Caribe), merece destaque um “mosaico” composto por diversas ilhas somando aproximadamente 231.000 km2, totalmente localizada na zona tropical norte, apresentando clima quente e úmido, sujeito a furacões e