Venezuela e Colômbia: Características Físicas, Humanas e Políticas


Venezuela

Com uma área de 912 050 quilômetros quadrados e uma população de 27 milhões de habitantes, a extração do petróleo, no Lago Maracaibo e no Vale do Orinoco, é a principal atividade comercial da Venezuela. Desta­cam-se, também, a exploração do minério de ferro e as culturas da cana-de-açúcar, da banana e do café. As prin­cipais indústrias do país são as petroquímicas.

Venezuela e Colômbia

Nos primeiros anos do século XXI, a Venezuela vem passando por um período conturbado, caracterizado por intensas manifestações sociais, consequência do modo particular de o Presidente Hugo Chávez entender e con­duzir o processo democrático. Em 30 de dezembro de 1999, foi aprovada por um re­ferendo a nova Constituição do país, elaborada por uma Assembleia Nacional Constituinte, em que a coligação Pólo Patriótico, que apoia o presidente, tinha 121 das 131 cadeiras.

A nova constituição alterou o nome do país para República Bolivariana da Venezuela e ampliou os pode­res do presidente, passando o mandato para seis anos, com direito à reeleição. Também foi extinto o Senado e instituído o Parlamento, com apenas uma Câmara. mEm 2000, após vencer as eleições, Chávez viajou para o Iraque, sendo o primeiro presidente a fazer uma visita oficial a Saddam Hussein após a Guerra do Golfo. Na mesma viagem, visitou Muammar Kadafi, da Líbia.

Em setembro de 2001, foram anunciadas diversas leis, propondo mudanças na economia. Motivada por uma cres­cente oposição ao governo, uma sucessão de greves agi­tou o país. Em 12 de abril de 2002, depois de uma greve geral, um grupo de militares anunciou a renúncia de Chá­vez e nomeou o presidente da maior federação de empre­sários do país, Pedro Carmona, para presidente da Vene­zuela. Este revogou uma série de leis baixadas por Chá­vez, dissolveu a Assembleia Nacional e demitiu os juizes do Supremo Tribunal. Aliados do presidente deposto to­maram Caracas e, em 14 de abril, Chávez voltou à presi­dência, recebendo apoio de diversos governantes mundi­ais.

A oposição iniciou uma nova greve geral em 2 de dezembro, contando com a adesão dos funcionários da estatal de petróleo e de diversas entidades. A greve pro­longou-se por mais de sessenta dias, marcada por mani­festações acaloradas e diversos embates entre simpati­zantes de Chávez e opositores. Com a intermediação da Organização dos Estados Americanos (OEA) e dos “ami­gos da Venezuela”, formada por diversos chefes de Esta­do, inclusive pelo presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, a greve terminou, mas a instabilidade política e social ainda continua no país.
Nas eleições legislativas de dezembro de 2005, os partidos de oposição decidiram não participar do pleito, sendo todas as cadeiras ocupadas por partidários do pre­sidente.

Hugo Chávez vem seguindo uma linha nacionalista e abertamente contrária aos interesses dos norte-americanos. Contudo, sendo o quarto maior exportador de petró­leo para os Estados Unidos, com 1,5 milhão de barris/dia, tem um trunfo importante no terreno diplomático e econômico.
Em maio de 2005, Hugo Chávez e Fidel Castro assina­ram um acordo – Alternativa Bolivariana para as Améri­cas -, uma clara oposição à Área de Livre Comércio das Américas (Alça). Em 2006, Evo Morales, presidente da Bolívia, aderiu ao acordo.

O dinheiro do petróleo tem contribuído para melhorar a auto-imagem de Chávez, alimentando o seu sonho de tornar-se um líder de massas na América Latina. O objetivo do canal de televisão latino-americano criado pelo presidente venezuelano em 2005, Telesur, é ser rival da CNN norte-americana, sendo na visão de Chávez,   um instru­mento para combater a propaganda imperialista. Em 2006, Hugo Chávez foi reeleito presidente.

Colômbia

Com uma área de l 141 748 quilômetros quadrados e uma população de 46 milhões de habitantes, a Colômbia é o país mais populoso da América Andina. A exportação do café é sua maior fonte de renda (segundo maior pro­dutor do mundo), sendo também importante o cultivo da cana-de-açúcar. Esmeraldas, petróleo, carvão, ouro e ferro figuram entre os principais produtos de exportação do país.

Embora o café seja o principal produto de exporta­ção, segundo dados oficiais, a importância econômica do tráfico internacional de cocaína é bem maior, assim como é o número de empregos gerados direta e indiretamente pelo refino e tráfico da droga. Além dos problemas com essa droga, a Colômbia vem sofrendo, com bastante intensidade, ataques terro­ristas dos grupos guerrilheiros de esquerda, principalmen­te, das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército de Libertação Nacional (ELN). Os conflitos armados são frequentes e o número de mortes é grande entre a população.

Os grupos guerrilheiros chegaram a controlar 40% do território colombiano e a ineficiência do governo fez surgir as Antidefesas Unidas da Colômbia (AUC), paramilitares de direita que combatem as guerrilhas de es­querda. Em 2002, o Presidente Álvaro Uribe deu início a uma ação ostensiva contra os guerrilheiros e paramilitares. Contando com a ajuda econômica norte-americana, co­locou em prática o Plano Colômbia, de combate ao nar­cotráfico.
O combate efetivo ao narcotráfico e à violência, além de ações governamentais efetivas na melhoria da econo­mia do país permitiram a reeleição de Álvaro Uribe no pleito de 2006.