Ciclo do Açúcar: Antecedentes


O ciclo do açúcar no Brasil começou especificamente no período em que o país vivia a realidade das Capitanias Hereditárias, mas não necessariamente por esse motivo. Na prática, tal ciclo começou não apenas por um motivo, mas por várias situações que acabaram convergindo para tal possibilidade. Para entender como um todo o ciclo do açúcar no Brasil, é preciso antes entender um pouco de outros temas da época, como faremos agora.

Entendendo o contexto histórico da época

Nos anos das Capitanias Hereditárias, o Brasil ainda não era visto com muita atenção pelos portugueses. De maneira geral, as terras da costa do país estavam entregues apenas por conveniência e a coroa portuguesa ainda não tinha planos definidos sobre o que fazer por aqui além da extração do Pau-brasil.

entendendo o contexto historico da epoca

Como consequência de tal situação, a costa brasileira deixou de ser protegida pela Marinha de Portugal. Com isso, outros países passaram a se interessar por essas terras, dando origem à prática da pirataria nas terras brasileiras. Como apenas a costa do Brasil estava colonizada, havia grande facilidade para adentrar no mato e roubar os bens do país, tais como o Pau-brasil, que era comercializado na época.

Para evitar isso, a solução foi passar a desenvolver o cultivo de plantas no país, o que diminuiria as matas fechadas tão à encosta do mar e aumentaria a segurança imediata. Nesse momento, a coroa portuguesa passa a pensar no que seria melhor plantar nessas terras.

O ciclo do Açúcar no Brasil começa. Terras férteis e lucrativas

Como a parte colonizada do Brasil estava principalmente na região do nordeste, a prioridade foi cultivar plantas que prioritariamente fossem dar frutos naquele tipo de terreno, conhecido como solo de massapé. E um dos principais frutos que nascem em tal terreno é a cana-de-açúcar, que inclusive ofereceria um bem que era artigo de luxo na época: o açúcar.

Na ocasião que antecede o período em que estava para começar o ciclo do açúcar no Brasil, a oportunidade caiu como uma luva. De fato, o preço do açúcar era altíssimo, garantindo grande lucro para sua venda. Além disso, o ciclo de plantação e cultivo de tal planta é consideravelmente curto, sendo mais prático e rápido que a maioria dos outros itens que ofereceria retorno financeiro na época. E como se isso não bastasse, ainda havia o fato de que os portugueses já tinham experiência no cultivo da cana-de-açúcar e, por isso, já entendiam todo seu processo produtivo, passando pela plantação, a fabricação dos grandes engenhos e o armazenamento do açúcar para se perder o mínimo possível.

Mas ainda restava um último problema a ser superado para o cultivo e a produção da cana-de-açúcar no país: a mão de obra.

Um capítulo negro em uma história doce: o início da escravidão no Brasil

Para dar continuidade ao ciclo do Açúcar no Brasil, era necessária a mão de obra, como mencionamos. Claro que a primeira opção era o uso da mão de obra indígena, que já estava no país e ainda não tinha noção do que significava a escravidão. Porém, os índios estavam protegidos pelos jesuítas, que encontravam neles a chance de fortalecer e estimular a volta da força do catolicismo no mundo. Por isso, a solução foi “importar” mão de obra de regiões em outras colônias portuguesas. Como a mais próxima delas era na África, a solução foi trazer os escravos africanos para nossa terra.

Até para trazer a mão de obra escrava para o Brasil, a coroa portuguesa foi beneficiada. Na época, Portugal já era conhecido por abastecer a Europa com mão de obra africana. Além disso, os próprios conflitos internos na África propiciavam que muitas pessoas fossem exiladas do continente, restando a necessidade de levar tais pessoas para outros lugares. Ainda assim, para a Europa já não era mais interessante vender escravos, visto que a concorrência com outros países como Holanda, Espanha, França e Inglaterra era grande demais. Assim, a tendência de levar tal mão de obra para o Brasil foi conveniente, com vários motivos convergindo para isso.

Por fim, o ciclo do açúcar no Brasil tem vários antecedentes que precisam ser levados em consideração. Já o resultado de tal ciclo foi claro: tais marcas estão gravadas tão fortemente em nossa história, que até hoje continuamos tendo uma economia baseada no cultivo da cana-de-açúcar, que hoje em dia gera novos produtos relevantes como o próprio etanol, que talvez seja o principal bem de consumo que o país pode exportar para o mundo.

Além disso, o ciclo do açúcar no Brasil influenciou a automatização do Brasil, dando origem inclusive para a industrialização no país, com uma economia que prosperou em várias vertentes, contribuindo para a colonização das demais áreas brasileiras e a prática de outros cultivos, tais como o gado e, ao chegar ao sul, o café, responsável por novas revoluções históricas.