Resumo da Guerra dos Farrapos


Guerra dos Farrapos

A Guerra dos Farrapos, conhecida também como Revolta Farroupilha, é o maior conflito da história do Brasil, com quase dez anos de duração, entre 20 de setembro de 1835 e 1º de março de 1845.

Neste conflito, os revoltosos do Rio Grande do Sul (na época São Pedro do Rio Grande do Sul) buscavam a separação do estado do Brasil. Esta guerra foi bastante influenciada pelo sucesso dos moradores da Cisplatina, a qual obteve sucesso, separando-se do Brasil e originando o Uruguai.

Causas e consequências da Guerra dos Farrapos

A principal causa da Revolução Farroupilha foi o descontentamento dos revoltosos com o governo imperial brasileiro e suas ações políticas. Desta maneira, a busca da Revolta Farroupilha era também por uma maior liberdade e autonomia para as províncias.

Outra causa da Guerra dos Farrapos foi o aumento dos impostos sobre materiais fundamentais na economia da província, como o couro e o charque, além da facilitação destes materiais com baixo custo vindos de outros países.

Isto levou a uma revolta comandada por Bento Gonçalves em setembro de 1835, na qual o poder de Porto Alegre foi tomado e as tropas imperiais foram derrotadas pelos revoltosos.

A sequência de vitórias sobre as tropas imperiais fez com que em 11 de setembro de 1836 fosse proclamada a República Rio-Grandense. Da mesma forma, em 24 de julho de 1839 foi proclamada a República Juliana no atual estado de Santa Catarina.

O fim da Guerra dos Farrapos

No ano de 1842, o governo imperial nomeou Luiz Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, para comandar as ações com objetivos de finalizar os conflitos separatistas do sul.

Assim, após diversos conflitos militares e um grande número de mortos, em 1845 os farroupilhas, bastante enfraquecidos, aceitam o acordo oferecido pelo Duque de Caxias e a reintegração do estado do Rio Grande do Sul ao Brasil.