A história das Pirâmides no Egito Antigo


A história das Pirâmides do Antigo Egito remete a uma época muito avançada tecnologicamente da região africana. Para se ter uma ideia, a obra é repleta de estudos arqueológicos até hoje. Tendo em vista o tempo que já circulam estudiosos pelo Egito atrás dos mistérios de uma época tão próxima, é interessante perceber o quanto estas gigantes estruturas ainda são constantemente estudadas.

A história das Pirâmides no Egito Antigo

Segundo levantamentos que datam novembro de 2008, fontes indicavam que existiam cerca de 118 a 138 pirâmides egípcias já identificadas. As primeiras conhecidas pelos arqueólogos são as vistas em Saqqara, a noroeste da cidade de Mênfis. Dentre as primeiras descobertas, a Djoser se destaca como a primeira das primeiras. Feita em apenas 19 anos (entre 2630 a.C-2611 a.C.), essa pirâmide fora erguida durante a conhecida como terceira dinastia egípcia. Segundo estudos, a pirâmide foi planejada pelo arquiteto Imhotep, e é considerada a mais antiga estrutura em alvenaria.

Já as mais famosas pirâmides do Egito são as vistas na região de Necrópole de Gizé, próximo a atual capital Cairo. Sobretudo as três encontradas próximas na região do Planalto de Gizé. Cercadas de misticismo, essas construções ainda são cercadas de muito estudo pelos arqueólogos que, ao início, apenas ligavam a construção das Pirâmides a cerimônias fúnebres. No entanto, as Pirâmides do Planalto de Gizé dizem o contrário.

Como as Pirâmides foram construídas?

As pirâmides tiveram uma construção bastante “simples”. Simples porque o material utilizado era apenas pedra. No entanto, para se ter ideia, cada bloco pesava cerca de 2,5 toneladas. Mas isso poderia inclusive variar, já que o tamanho diminuía conforme a pirâmide ficava mais e mais alta. Para se ter apenas uma ideia do trabalho que era construir uma pirâmide, cerca de 2,3 milhões de blocos foram necessários para erguer a Pirâmide de Quéops, a mais alta pirâmide (que possuía 140 metros na sua construção).

Após cortarem as pedras em pedreiras abertas com ferramentas arcaicas (mas extremamente evoluídas para a época), os blocos eram completamente lixados, catalogados e carregados até próximo da base da pirâmide por um número gigantesco de egípcios. O detalhe mais interessante era que não eram apenas escravos que participavam da construção das Pirâmides, mas sim boa parte da população.

Antes de se erguer a Pirâmide, o terreno era aplainado, para impedir desníveis. Mas muito desses trabalhos foram, de certa forma, recompensadores. Isso porque ao deixar a terra pronta para receber a construção, surgiram-se fontes naturais para a extração no planalto. As rochas calcárias, por exemplo, eram extraídas com ferramentas de cobre. Por ser mais finas, eram utilizadas para promover brilho à pirâmide.

O faraó, como se não bastassem as exigências, escolheu o granito para decoração da câmara do rei, onde ele seria sepultado para a vida além-túmulo (crença do antigo Egito). Como as pedras de granito não eram encontradas nas regiões do Planalto, os blocos precisariam vir da única fonte de granito próxima da região. Eles vinham da pedreira de Assuã, cerca de 800 quilômetros de distância das obras. As pedras eram trazidas por meio do Rio Nilo, através de embarcações. Alguns dos blocos pesavam até 80 toneladas.

Por fim, a base é um motivo de discussão até os dias de hoje por especialistas. Isso porque, segundo vários registros, não havia sinais de uso de concreto no Antigo Egito, sendo o atrito o único responsável por segurar a base da construção. Caso o uso de concreto primitivo seja comprovado, será a primeira aplicação de que se tem conhecimento na história.

Curiosidades sobre a história das Pirâmides do Antigo Egito

As Pirâmides do Antigo Egito apresentam inúmeras curiosidades que acabam por chamar a atenção tanto quanto a sua própria construção. O misticismo, as variadas teorias e as inúmeras conspirações já são parte do que a história das Pirâmides do Egito já escreveu.

Acreditava-se, no início, de que as Pirâmides eram apenas construídas para os rituais de sacrifício. No entanto, ao explorarem as pirâmides do Planalto de Gizé, constatou-se que a crença era falsa. Encontrando duas pirâmides com similaridades em estrutura e construção, percebeu-se que uma das Pirâmides, a de Queóps, pra ser mais exato, apresentava uma estrutura diferente.

Contando com uma entrada lateral norte mais acima do que o normal, uma câmara secreta na região do subsolo, uma grande galeria e um duto para ventilação, a Pirâmide de Queóps passou a ser conhecida como uma câmara de habitação, onde o Rei definitivamente parecia residir. Medindo cerca de 140 metros, a altura se equivale a um prédio de quase 40 andares, atualmente.

Por fim, não se poderia esquecer-se de ressaltar que as três pirâmides do planalto de Gizé estão alinhadas com o cinturão de Órion e suas três principais estrelas. Além disso, a construção da Grande Pirâmide está localizada no centro de massa da terra. Exatamente no ponto de concentração maior. Por esse motivo, e entre muitos outros, a história das Pirâmides do Antigo Egito tanto fascina. Uma rica história que ainda hoje há prazer de fazer parte.