Abecásia


A Abecásia faz parte das duas repúblicas separatistas da Geórgia, de autenticação internacional muito restrita. Seu nome é a maneira como o seu povo chamava o território, e quer dizer “Terra dos Apsianos”.

A princípio, a Abecásia era um pedaço do antigo império Cólquida, base da atual Geórgia. Posteriormente, o território formou um reino exclusivo, conhecido como Egrisi. Os gregos implantaram propriedades na região litorânea entre 1000 a 550 a. C. Foram seguidos pelos bizantinos e romanos que em torno de 780 apareceu um reino autônomo denominado Abecásia, que conseguiu conquistar a região da atual capital da Geórgia, Tbilisi.

Começa então a etapa de unificação perante um reinado georgiano que perdurou até o século XVI, quando nasceu o estado independente da Abecásia. Pouco tempo mais tarde, os turcos otomanos invadem a região e doutrina a civilização ao islamismo.

Abecásia

A partir do século XIX aumentam as competições entre os turcos otomanos e a Rússia por territórios daquela região, o que fez a Rússia anexar a Abecásia aos seus domínios.

Com a influência russa, grande parte da sociedade muçulmana desloca-se para a vigente Turquia, e o território começa a abrigar habitantes de regiões cristas do Cáucaso. A Geórgia então, em 1918, se declara independente e incorpora a Abecásia como pedaço da nova nação. Pouco tempo depois, a Rússia, pronta para tornar-se União Soviética, recupera o domínio a cerca da Geórgia, convertendo-a em uma república soviética. Nesse momento o território da Abecásia conquista a mesma condição, porém é gerida junto com a Geórgia.

Após um ano, a Geórgia acaba integrando a República Socialista Federativa Soviética Trnascaucasiana, que é eliminada em 1936, retornando a governar no acordo antigo. Desde 1957 até o término da URSS, a Abecásia, ainda incorporada à Geórgia, adquiriu a posição de República soviética autônoma, isto é, é identificada como uma cultura separada, que é governada por outra cultura maior, e a partir dessa forma uma república soviética anexa a URSS.

Próximo da crise soviética, os abecásios preocupam-se em perder a sua posição de autonomia, e brigam para formar uma república soviética isolada, ao mesmo tempo em que a Geórgia organiza a sua independência, adicionando a Abecásia em sua extensão. Logo depois da divisão da Geórgia, dão início as disputas no território, que começa a ir atrás de sua própria autonomia.

Em 1992 a guerra civil continua e as artilharias georgianas sentem diversos ataques, sendo determinado, em 994, um cessar-fogo. Desde então, aproximadamente 83% da região continuou sob o domínio dos separatistas ao mesmo tempo em que o resto era governado pela República Autônoma da Abecásia, aceita pela Geórgia.

A Rússia, em 2008, comunicou a legalização da Ossétia do sul e da Abecásia, mas os dois conflitos continuaram sem conclusão. Com sua metrópole em Sukhumi e quase nenhuma certificação internacional, os separatistas estavam submetidos quase que unicamente da Rússia para preservar o funcionamento até os dias atuais.

Fora a Rússia resolveu legitimar a nova nação da Nicarágua, Nauru, Venezuela e Tuvalu. Além desses países, outros também consideram parcialmente a Abecásia como um país independente, e a Ossétia do Sul, como a outra área separatista da Geórgia.

Por fim, Nagorno-Karabakh e Transnístria, dois país sem condecoração internacional reconheceram a Abecásia como um estado independente. Nagorno-Karabakh é uma região independente no Cáucaso, parcela importante da República do Azerbaijão, possuindo habitantes de naturalidade armênia e que se afirmam uma república autônoma. Transnístria habitada por russos e ucranianos em sua grande maioria, é um pedaço importante da região da República da Moldávia.

Guerra na Abecásia

A Guerra da Abecásia aconteceu entre 1992 e 1993 e foi segurada especialmente através das forças governamentais georgianas de um lado e as forças separatistas da Abcásia favorecendo a emancipação abcasia da Geórgia, do outro.

Os georgianos étnicos que habitavam a Abcásia atacaram do lado da maioria das forças governamentais georgianas. Os povos de origem russa e armênia ajudaram amplamente os abecásios, e diversos brigaram do seu lado. Os separatista, por sua vez, foram ajudados por muitos do Norte do Cáucaso e ativistas cossacos e pelo poder da Federação Russa paradas perto da Abcásia.

O cenário dessa disputa foi intensificado pela Guerra Civil que aconteceu na Geórgia entre as pessoas que apoiavam o presidente Zviad Gamsakhurdia e da administração pós-golpe comandada pó Eduard Shevardnadze, da mesma forma que o confronto georgiano-osseta.

Consideráveis infrações de direitos humanos e barbaridades foram listadas pelos dois lados e resultaram no curso da conquista de Sukhumi em setembro de 1993, seguido pela forte jornada de limpeza étnica em combate com os habitantes étnicos georgianos.

O Conselho de Segurança da ONU revelou uma sequência de declarações que se invoca o cessar-fogo e penaliza o sistema de limpeza étnica abcase. A começar por 13000 a 20000 georgianos e cerca de 3000 abecásios foram considerados mortos, mais de 250000 georgianos tornaram-se inadequados ou foragidos e 2000 estão desaparecidos.

O período pós-soviético da Geórgia foi muito prejudicado pela disputa e resistiu a significativas falhas financeiras, psicológicas e humanas. A Abcásia foi dizimada pela guerra e disputas pontuais seguintes permaneceram.