As Grandes Navegações: A Expansão Ultramarina Europeia


Nas aulas de história nos deparamos com o feito de civilizações antigas e um desses momentos muito estudados até hoje são as Expansões Marítimas, principalmente a portuguesa.

As chamadas Grandes Navegações são, na verdade, um fato histórico que ocorrem depois que o comércio que acontecia na Baixa Idade Média é reavivado e então é preciso encontrar meios de se ter um comércio ativo, buscando até novos lugares para se comercializar e comprar produtos.

a expansao maritima portuguesa

A expansão marítima portuguesa

A pioneira nesse quesito foi Portugal que, com a chamada Revolução de Avis, conseguiu associar sua burguesia mercantil ao seu novo Estado o que fez com que essa mesma burguesia conseguisse se fortalecer no âmbito econômico, podendo assim expandir seus negócios e fazer eles mesmos a comercialização dos produtos orientais conhecidos como especiarias, já muito consumidos no país, mas que antes tinham como porta de entrada os povos árabes e italianos.

Foi então que essa burguesia, em parceria com o Estado, decide que é hora de expandir sua navegação e criar sua própria rota com a Índia e com todos os povos do oriente. Como a ideia era contornar toda a África para depois chegar às Índias, os portugueses desembarcaram primeiro nas Ilhas Canárias, no ano de 1435 e formaram a primeira colônia portuguesa fora do país.

Essa volta acontecia porque naquela época se imaginava que a terra era quadrada e que no mar habitavam monstros e lugares dos quais nem um ser humano havia voltado vivo. Quando o renascimento chegou às civilizações europeias, a expansão comercial e urbana começou a aumentar e alguns locais foram essenciais para o estudo de cartógrafos, cosmógrafos e navegadores que passaram a estudar livros e estudiosos não antes encontrados e a traçar as rotas que achavam melhores para expandir seu comércio.

Um desses locais ficou famoso com a Escola de Sagres, em Portugal. Nela os estudiosos faziam novos mapas que ajudariam os futuros navegadores na hora de saírem mar adentro. Por isso, esses mapas não possuíam mais as figuras de monstros ou precipícios, assim como a figura de anjos logo acima que indicam uma proteção aos navegantes portugueses. Isso foi um avanço e mostrou aos navegadores que o mar não era como eles imaginavam, mesmo que a mentalidade desses navegadores ainda se deparassem com os medos e com situações reais de fome, tempestades, saques e doenças.

Foi então, em uma dessas viagens, que os portugueses acabaram encontrando o “Novo Mundo” como hoje conhecemos as Américas, mesmo que a história mostre que outros navegadores já haviam passado por nosso litoral, como italianos e espanhóis. Nenhum deles tomou posse da terra encontrada, sendo Pedro Álvares Cabral o primeiro a se apossar do Brasil e Cristóvão Colombo o se apossar do que hoje conhecemos como América.

Os portugueses e os espanhóis na expansão marítima

Quando Portugal começou sua expansão marítima, a Espanha também vivia um grande momento histórico: a expulsão de mouros de sua Península e o fim da guerra que ficou conhecida como Guerra da Reconquista. Como os espanhóis já haviam escutado o projeto ambicioso de Cristóvão Colombo, decidiram financiar a expedição de um outro explorador, um italiano, tendo a certeza de que, de acordo com Colombo, para chegar ao Oriente era possível navegar pelo Ocidente. Foi assim que os espanhóis começaram também a encontrar as terras americanas e a tomar posses de alguns desses lugares.

Isso fez com que espanhóis e portugueses começassem uma rivalidade histórica e os dois reinos decidiram assinar um tratado que iria definir por onde cada navegador poderia explorar. Foi assim que a Bula Intercoetera nasceu, em 1493 e decidiu que as terras situadas a 100 léguas da cidade de Cabo Verde, que já era dos portugueses, seriam de posse de Portugal, mas o país luso não gostou nem um pouco e pediu o alargamento da faixa para 370 léguas, o que acabou fazendo com que os espanhóis desconfiassem que, na verdade, a expedição lusa já havia encontrado terras mais ao sul desse limite.

Foi apenas depois disso que Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil e tomou posse das terras onde hoje vivemos. Com isso, a coroa portuguesa começou a explorar suas terras da América e mudou completamente o eixo econômico do país de Portugal, que começou a viver uma intensa e agravante crise, para o Brasil que era um país rico em recursos naturais e que sustentará toda a coroa portuguesa durante anos.

E foi exatamente por causa dessa transferência econômica que surgiram os piratas, que eram basicamente formados por Holanda, Inglaterra e França, grandes nações europeias que não aceitavam que toda essa exploração ficasse na mão apenas de portugueses e espanhóis. Em um primeiro momento o saque era a navios e grandes embarcações, mas aos poucos essas nações começaram a tentar invadir e dominar algumas terras já apossadas, como os Holandeses tentaram pelo litoral nordestino, mas acabaram sendo expulsos pelos portugueses e como os franceses conseguiram no Canadá.