Os sovietes e o duplo poder


Um dos aspectos de maior relevância acerca do processo revolucionário russo, no período que abrange da Revolução de Fevereiro à Revolução de Outubro de 1917, é a relação dos poderes exercidos pelo sovietes e o Governo Provisório. Para melhor entender a situação local, porém, é preciso entender as raízes do embate. Na sequência das primeiras revoltas de 1905, um parlamento foi criado pelo czar e apontava para a direção de uma monarquia constitucional. No entanto, a maior liberdade política que esse sistema traria não foi verificada na prática.

Os sovietes e o duplo poder

Essa dualidade resultante da divisão do controle político no ínterim, aliada à permanência russa na I Guerra Mundial levou à tomada do poder de Estado pelos bolcheviques e demais grupos revolucionários de esquerda em outubro de 1917. Tal conjectura alterou as relações de classe e levou a um desenvolvimento diferente daquele observado em nações capitalistas no início do século XX.

A partir da queda da monarquia (czares) na Rússia, em fevereiro de 1917, estabeleceu-se um governo de caráter temporário. Nesse contexto, a base de comando era a Duma, o mesmo parlamento que existia já na monarquia czarista.

A estrutura administrativa descrita foi constituída por uma união entre os burgueses liberais e o soviete (conselho, em russo) de Petrogrado – antiga São Petersburgo –, então capital da Rússia. Contudo, essa aliança teve duração curta e a razão principal para a ruptura foi manutenção do exército russo na I Guerra.

• Manifestações populares aumentam em 1917 e levam à queda da dinastia Romanov (czares);
• Os primeiros conselhos de trabalhadores surgiram ainda na Revolução de 1905, com a nomenclatura de Sovietes de Deputados Operários;
• Entre a Revolução de fevereiro e de outubro de 1917, ocorreu o fortalecimento de sovietes;
• Com a formação do órgão, o duplo poder se estabeleceu na Rússia;
• Por meses, teve-se duas instituições paralelas exercendo poder no território russo: o Governo Provisório e os sovietes.

Os sovietes eram a organização criada em conjunto por soldados e representantes da classe trabalhadora da Rússia durante a revolução de 1905. Nesse conselho, os trabalhadores dispunham de influência no executivo e no legislativo, pois elegiam os políticos com base nos quartéis e locais de trabalho. Aqui, cabe ressaltar que os revoltados acabaram vencidos. Porém, em fevereiro de 1917, os sovietes surgiram de novo e passaram a receber também deputados e camponeses. A mudança deu-se, sobretudo, pelo fato de trabalhadores e soldados morarem majoritariamente no campo. Por meio de uma participação mais direta e ativa no direcionamento das atuações dos deputados, os sovietes se tornaram um órgão autônomo de luta desses três grupos sociais.

Sobre o Governo Provisório

O governo provisório, comandado primeiramente pelo príncipe Livov e, mais adiante, pelo menchevique Kerenski, não foi capaz de atender às principais demandas do povo russo, sintetizadas no célebre slogan “Paz e Terra”. Os termos representavam o desejo pela saída das tropas do país da I Guerra, bem como pela distribuição de terras para os camponeses. Já que as forças centrais do Governo Provisório estavam vinculadas ao exército, à burguesia e aos donos de latifúndios, não havia interesse em ouvir tais reivindicações populares.

Com isso, chegou-se à dualidade do poder marcada de um lado pelo Governo Provisório, órgão de latifundiários e capitalistas e os sovietes, órgão dos operários, camponeses e soldados do outro. Percebe-se assim que:

• Interesses do Governo Provisório e dos sovietes divergiam, o que desestabilizou o ambiente político;
• Os conselhos foram reproduzidos em outras esferas na nação, inclusive em fábricas;

Ao notar que não seria possível sustentar a aliança, Lenin, líder do partido bolchevique à época, começou a defender que o Governo Provisório terminasse. Desde que chegou ao país, em abril de 1917, ele passou a expressar a sua opinião com a palavra de ordem “Todo poder aos sovietes”. Essa tática de Lenin foi bem eficiente, já que ele percebeu a força da classe trabalhadora a partir dos sovietes e aproveitou o seu apoio para levar o partido ao poder.

A tomada do poder pelos bolcheviques e o fim do duplo poder

Em decorrência do acirramento das tensões sociais nesse período, muitas abandonadas por patrões foram ocupadas pelos trabalhadores. Da mesma forma, terras foram tomadas por camponeses para que eles pudessem produzir seus alimentos próprios. O cenário em questão viabilizou que os bolcheviques se juntassem aos socialistas de revolucionários de esquerda. E assim se formou a Guarda Vermelha em Petrogrado. Com o apoio obtido pelos sovietes entre a população das grandes cidades, o grupo consegue tomar o poder do Estado em 25 de outubro de 1917, com a invasão do Instituto Smolni.

Após obter controle político, os bolcheviques deram início a medidas para instaurar o Estado Soviético. Na sequência, interrompeu-se a realização da Assembleia Constituinte e o instalou-se o controle operário da produção. As terras que antes pertenciam à Igreja e à nobreza foram distribuídas entre o campesinato. Para gerir o Estado, o Congresso dos Sovietes originou o Conselho dos Comissários do Povo. Teve fim então o chamado período de duplo poder na região.