Reino Arábico: Maomé e Expansionismo


Reino Arábico

O reino arábico é um dos mais importantes na história do mundo, com grandes acontecimentos que revolucionaram a história de maneira tanto religiosa quanto econômica e cultural. Alguns dos fatores mais importantes envolvendo o reino arábico estão relacionados com Maomé e com o expansionismo.

Maomé

Maomé é um dos nomes mais importantes para os seguidores da religião islâmica, sendo considerado por estes o último profeta enviado pelo Deus de Abraão.

Além disso, Maomé foi também um importante líder de toda a história árabe, tendo uma atuação muito mais abrangente. Além de religioso foi também líder político e militar, sendo o responsável por conflitos que mudaram os rumos da religião islâmica e de toda a Arábia.

Nascido em 570, foi Maomé também foi responsável por uma série de conflitos religiosos no início dos anos 600, quando recrutou os beduínos para perseguir e matar aqueles que lhe opunham resistência. Assim, com um apoio maciço, Maomé chegou a Meca em 630, destruindo os ídolos ali presentes e transformando a cidade em local sagrado para os seguidores da religião islâmica.

Maomé morreu em 632, quando a região da Arábia já havia sido unificada tanto no aspecto político quanto no aspecto religioso. Até os dias de hoje, Maomé é reverenciado pelos islâmicos, sendo um dos nomes mais respeitados desta religião.

Expansionismo

O expansionismo árabe está diretamente ligado ao avanço e à propagação do islamismo pela região da Arábia, tendo seu início nos conflitos em que Maomé recrutou beduínos para atacar seus seguidores.

Isto fez com que os guerreiros beduínos começassem a expandir seus grupos mercantis nas regiões urbanas. Assim, houve um avanço a fim de acumular riquezas por meio dos saques realizados em diversas regiões da Arábia, ocasionando por consequência o expansionismo.

Após a morte de Maomé, em 632, o expansionismo não foi interrompido, cabendo a Abu-Bekr o título de sucessor do profeta, comandando assim as conquistas do expansionismo árabe, o qual culminou com a conquista de regiões como a Palestina, Síria, Egito e Pérsia, entre outras conquistadas pelos árabes por meio de seu expansionismo.