Revolução Inglesa, Queda do Feudalismo e Revolução Industrial


Revolução Inglesa

A revolução inglesa foi um período importante para os rumos do mundo no século XVII, quando houve o enfrentamento entre o rei e o parlamento inglês e quando os monarcas da dinastia Stuart manifestaram seu interesse em governar de forma absoluta, o que desagradou representantes do parlamento levando ao conflito.

O resultado da revolução inglesa foi a vitória do parlamento e a consequente morte do rei Carlos I, que foi condenado à morte pela guilhotina em janeiro de 1649, ano seguinte ao fim dos combates.

Poucos anos depois houve outro importante fato para a revolução inglesa, quando entre os anos de 1688 e 1689 o parlamento obteve nova vitória, desta vez contra o rei Jaime II. Após isto foi assinada a Declaração de Direitos, na qual os poderes do rei passaram a ser limitados, de forma que o rei passa a reinar, mas não a governar a Inglaterra. Assim foi originada a monarquia parlamentar inglesa.

A revolução industrial e a queda do feudalismo

A revolução industrial foi o movimento que mais gerou mudanças no mundo ao longo de sua história, com efeitos que permitiram que a sociedade atual chegasse aos níveis atuais de desenvolvimento, tecnologias e comunicação.

Isto porque através da revolução industrial os custos de produção diminuíram de forma muito grande, gerando assim uma maior produtividade com gastos mais baixos, de maneira que o comércio mundial foi fortemente impulsionado.

Além disso, a revolução industrial deu fim aos métodos primitivos de trabalho. Porém, houve uma grande onda de conflitos gerada pela miséria proporcionada pelo capitalismo à classe operária, à época ainda uma classe recém-formada.

Este avanço do capitalismo e a revolução industrial encerraram de forma definitiva os últimos resquícios do feudalismo, que já havia passado por um declínio intenso nos anos anteriores, fazendo assim com que fosse definitivamente eliminado, dando origem a novos tempos de trabalho e produção.