Cláudio Manuel da Costa: Vida e Obras Importantes


Cláudio Manuel da Costa nasceu em um sítio da Vargem do Itacolomi, na cidade de Ribeirão do Carmo, que hoje é chamada de Mariana e fica no estado de Minas Gerais, no dia 05 de junho de 1729. Era filho de João Gonçalves da Costa, lavrador e minerador, e Teresa Ribeiro de Alvarenga, portanto, veio de uma família sem muitas posses, mas que conseguiu prosperar na colônia.

claudio manuel da costa

Ele foi um dos mais importantes autores do Arcadismo, sendo que a publicação de “Obras”, de sua autoria, iniciou essa escola no país. Porém, seus primeiros poemas tinham traços do Barroco, apresentando cultismos, conceitismos e formalismos. Muitos o consideram como uma pessoa que vivia dividida entre o reino de Portugal e a sua colônia na América do Sul, além de também se mostrar com fortes dúvidas entre a liberdade e os valores do Antigo Regime.

A história de vida de Cláudio Manuel da Costa

Seus primeiros estudos foram concluídos em Vila Rica, e depois o escritor foi morar no Rio de Janeiro para estudar Filosofia no Colégio dos Jesuítas. No ano de 1749, quando tinha 20 anos, Cláudio Manuel da Costa foi então morar em Portugal, pois decidira cursar Direito na Faculdade de Coimbra, obtendo o Bacharelato em Cânones. Nesta época ele se dividia entre estudar Direito e escrever, pois sabe-se que pelo menos três poemas foram escritos por ele nesta época, sendo eles Munúsculo métrico, Labirinto de amor e o Epicédio. Porém, estes ainda tinham traços bem Barrocos. Neste período da faculdade em Portugal, o autor também acabou conhecendo vários pensadores e foi quando descobriu o Arcadismo.

Depois que seu pai morreu, Manuel da Costa se viu obrigado a retornar ao Brasil, pois alguém tinha que cuidar de sua família e, como estava apaixonado por Portugal, isso marcou muito a forma como ele iria se desenvolver na literatura. De volta ao Brasil, o autor foi secretário do Governo da Província e juiz medidor de terras da Câmara de Vila Rica, época na qual fundou a Arcádia, que foi conhecida como Colônia Ultramarina, junto com Manuel Inácio da Silva, Silva Alvarenga e Tomás Antônio Gonzaga, além de outros poetas. Ele também foi advogado dos principais negociantes da capitania naquela época.

Porém, assim como a maioria dos poetas, a vida de Cláudio Manuel da Costa foi marcada por um acontecimento grandioso. Ele foi um dos vários presos pela Inconfidência Mineira e sua morte nunca foi esclarecida, causando muita dúvida e especulação até os dias de hoje. Alguns afirmam que ele foi covarde, traindo os amigos e suicidando-se na prisão, porém outras pessoas acreditam que ele nem mesmo participou do movimento, sendo somente amigo de outros participantes. Ele foi preso no dia 25 de maio de 1789 e seu corpo foi achado em 4 de julho de 1789 em um cubículo dentro da propriedade de um contratador que tinha muitas posses. Este lugar atualmente é conhecido como Casa dos Contos.

As obras de Cláudio Manuel da Costa e sua importância

Apesar de fazer parte e de iniciar o Arcadismo no Brasil, escola que exaltava a vida no campo e também apreciava os elementos da natureza, muitos consideram Cláudio Manuel da Costa como um poeta de transição, pois seus poemas contam com várias tendências do Barroco. Porém, ninguém nega que ele influenciou fortemente Tomás Antônio Gonzaga e Inácio da Silva Alvarenga, sendo o primeiro brasileiro a influenciar outros brasileiros na literatura. Sua obra ainda tinha fortes influências de Camões, escrevendo poesias líricas e épicas. Na poesia lírica, o tema principal abordado pelo poeta era a desilusão amorosa. Já na épica, o autor abordava assuntos como a descoberta das minas no estado de Minas Gerais, a história dos bandeirantes e as revoltas que aconteciam no local.

Como a maioria dos escritores árcades, Cláudio Manuel da Costa também contou com um pseudônimo para publicar poemas bucólicos, como sonetos, cantatas, romances e éclogas. O escolhido pelo autor foi Glauceste Satúrnio. Como é comum neste tipo de poesia, o eu-lírico fala sobre várias pastoras, porém nunca consegue alcançá-las. E, como o Arcadismo pregava, o autor sempre se utilizava da natureza como aliada para escrever estas obras. Além destes poemas, Manuel da Costa também demonstrou preocupação com problemas políticos e sociais em outra época de sua carreira.

Uma das obras mais importantes compostas pelo escritor foi o poema épico Vila Rica, que foi escrito no ano de 1773, porém foi publicado apenas em 1839, quando o autor já havia falecido. Nele, o escritor descreve o desbravamento dos bandeirantes paulistas nos sertões e as lutas que protagonizaram com os emboabas indígenas até a cidade de Vila Rica ser fundada. Apesar desta obra fazer parte do Arcadismo, sua importância se deve ao fato de tratar da história do Brasil, fazendo com que o escritor fosse reconhecido como o fundador de uma literatura que aproximou o país da cultura ocidental.