Humanismo: Prosa Historiográfica (Fernão Lopes) e Prosa Doutrinária e Teatro de Gil Vicente


Movimento surgido na Europa, o Humanismo foi um momento da história da humanidade que estimulou uma espécie de transição entre as épocas da Idade Média e do Renascimento. Como a própria denominação atesta, o movimento tinha por objetivo fomentar o lado humano das pessoas, fazendo com que o ser humano, na sua essência mais pura, real e verdadeira, fosse valorizado ao extremo.

Surgido primeiramente na Itália, o Humanismo tinha uma vertente clara e muita concisa e a ideia era propagá-la de forma maciça em torno da sociedade. A vertente, obcecada pelo lado humano das pessoas, dizia que o homem era o centro de todas as outras coisas do universo, tendo a autonomia máxima para definir o rumo de sua vida.

Humanismo

Em suma, o período, na história, está compreendido entre a época de transição entre a Idade Média e o início da Era Moderna, o que configura um espaço de tempo entre os séculos XIV e XVI. Foi exatamente nesta época que as pesquisas, os estudos e todos os avanços envolvendo as pesquisas científicas começaram a se propagar na sociedade. O meio cultural passou a ser dominado por estes avanços, que passaram a ditar o ritmo de toda uma população.

A tecnologia, atributo antes escanteado e raramente utilizado em questões práticas da sociedade, passava a atuar com louvor neste meio. As áreas da medicina, matemática e física passaram a ser alvos fáceis desta dita tecnologia, que tinha por obrigação promover avanços e descobertas nestes nichos. Foi nesta época – início do Humanismo – que nomes como Gutenberg, Galileu e Paracelso começavam a se tornar espécies de ícones na sociedade, reflexo de suas magistrais descobertas tecnológicas.

Para ilustrar, entenda o que estes nobres homens desenvolveram:

•    Galileu: Por meio e calcado na Teoria Heliocêntrica, Galileu Galilei comprova, como estudos reconhecidos pelas autoridades da época, que o Sol ocupava a posição central do sistema planetário, tese antes defendida por outro descobridor, mas ainda sem qualquer tipo de definição comprovada.

Além disso, Galileu é reverenciado por ter confeccionado telescópios que se mostravam superiores aos então já existentes no período.

•    Gutenberg: O alemão Johannes Gutenberg é reconhecido até hoje por ter sido o grande criador da imprensa, por meio de sua invenção calcada no âmbito da impressão. O grande inventor da prensa móvel, meio de reproduzir livros e matérias jornalísticas, é conhecido como o detentor de um dos eventos mais importantes da época.

•    Paracelso: O grande cientista da saúde. Este é o rótulo que Paracelso carregara eternamente. Especializado no uso correto de drogas medicinais, é considerado a pessoa que revolucionou a história da medicina. É conhecido pela célebre frase: “Somente a dose correta diferencia o veneno do remédio”.

Ademais, a Filosofia foi outra área que ganhou certo destaque no período, tendo despontado como um meio intelectual surgido através do interesse de vários autores na Antiguidade Clássica.

Outro acontecimento marcante da época foi o aparecimento da chamada burguesia, que passara a dividir o poder da sociedade com a Igreja. A Visão Antropocêntrica se manifesta no Humanismo e o campo cultural é aflorado a partir deste novo pensamento.

Conheça, abaixo, três passagens marcantes da história do Humanismo.

Humanismo – Prosa Historiográfica, Prosa Doutrinária e Teatro de Gil Vicente

1.    Prosa Historiográfica (Fernão Lopes):

As crônicas desenvolvidas na literatura envolta ao período do Humanismo tinham como função registrar todos os acontecimentos da vida dos personagens marcantes da época e de todos os momentos históricos de cada um.

Fernão Lopes é o grande expoente deste período, tendo o sido o maior e mais importante cronista e historiador da época. É taxado por vários livros históricos como o grande “Pai da História de Portugal”.

É reverenciado por ter sido também o primeiro e único cronista da época a atribuir ao povo e a grande massa da época papeis importantes no contexto histórico do período. Anteriormente, apenas a nobreza tinha essa honra.

2.    Prosa Doutrinária

A educação da fidalguia da época foi o grande incentivo do aparecimento das prosas doutrinárias do Humanismo. Tinham por objetivo orientar toda a nobreza da época, em aspectos de relações sociais e no preparo físico e psicológico para prováveis guerras. Eram escritas única e exclusivamente por monarcas.

O culto ao esporte era uma das passagens mais observadas nestas prosas. A ideia era que os nobres pudessem atingir o equilíbrio perfeito entre a saúde do corpo e a paz de espírito. As virtudes e os costumes morais também eram reverberados nestes documentos.

3.    Teatro de Gil Vicente

A manifestação teatral foi a arte mais explorada no período e era onde as ideias e objetivos do Humanismo ficavam mais expostas e cultuadas.

Gil Vicente foi o grande expoente desta área, tendo escrito mais de 40 peças ao todo. Sua obra é divida em duas partes: Autos e Farsas.

Nos Autos, o cunho religioso era o elemento a ser propagada, levando em conta as características do Humanismo. Nas Farsas, Gil Vicente apresentava enredos baseados no cotidiano e no trivial das pessoas, prezando por um ritmo mais amigável e de muito diálogo.