Resumo As Irmãs – conto de James Joyce


O conto ‘As irmãs’, datado de 1914, é de autoria de um dos mais renomados escritores irlandeses – James Joyce. Ele foi um dos mais famosos e lembrados contos de uma obra intitulada “Dublinenses”, composta também por várias outras pequenas histórias. O motivo para o sucesso é que, dez anos antes da publicação do livro (ou seja, em 1904) o conto já havia sido publicado integralmente em um jornal irlandês, o “Homestead”. O conto As Irmãs foi o primeiro ficcional do escritor. No decorrer deste artigo, confira um resumo As Irmãs – conto de James Joyce.

Resumo As Irmãs - conto de James Joyce

Resumo As Irmãs – conto de James Joyce

O conto ‘As Irmãs’ relata a relação existente entre um padre e um menino que não tem seu nome divulgado pelo escritor. Logo no início da história, Flynn, o padre, é liberado de suas obrigações como sacerdote da Igreja Católica – já que estava doente. Mas, logo em seguida ele se torna mentor do garoto, assumindo deveres do tipo ‘clericais’.

A história em si é iniciada com a descrição detalhada da contemplação do garoto em relação à doença de Flynn. Cenas depois, enquanto está jantando, o garoto é chamado pelos seus pais para receber a notícia de que o padre Flynn acabara de falecer.

A conversação, por sua vez, tem como principal foco o relacionamento entre o padre e o garoto. Após ter recebido a notícia o jovem não consegue dormir com tranquilidade à noite. Sua mente ficou extremamente perturbada com a morte, fazendo com que a sua imaginação o levasse a criar imagens do padre de modo assombroso e assustador.

Basicamente, o garoto vê o padre em seus sonhos com o rosto cinzento, frio. Ele vê escuridão na imagem de uma pessoa que tinha tudo para lhe trazer luz.

Nessa noite, ele decide que irá fugir para um lugar desconhecido.

No dia seguinte o jovem acessa um documento com uma publicação sobre a morte do padre, o que mais uma vez o faz pensar sobre a relação que eles tinham. Ele relembra os sonhos, o quarto escuro e a expressão estranha do padre.

Já no final da história, o garoto, junto com uma de suas tias, faz uma visita a duas irmãs: Eliza e Nannie. As irmãs tinham uma conexão muito forte com o padre. Elas ofereceram um banquete com comida e bebidas e, em seguida, todos começaram a conversar.

Durante a conversa, uma grande revelação é feita por parte das irmãs: o padre teve um colapso mental após ter quebrado, acidentalmente, um cálice. Dada essa informação o conto é finalizado – ou pelo menos, o diálogo entre o garoto, sua tia e as irmãs.

A obra é dotada de uma grande variedade de referências e detalhes. O cuidado de James Joyce é enorme com a precisão na descrição de cada acontecimento. Ele fala sobre os reflexos, sobre o clima gerado, sobre os pensamentos constantes do garoto, sobre o silêncio e seus efeitos, sobre as visões, os cheiros e odores, a mesa feita pelas irmãs para o banquete e por aí vai.

Interpretação do conto As Irmãs – conto de James Joyce

Da forma como o conto é explicado podemos ficar confusos sobre o seu sentido. Não à toa, desde a publicação da obra, há mais de 100 anos, ele é constantemente avaliado por críticos literários.

Segundo especialistas e críticos da literatura, As Irmãs, conto de James Joyce, faz uma referência ao catolicismo e seus efeitos na Irlanda.

A seguir, confira quais são as principais curiosidades sobre a análise literária feita de As Irmãs, conto de James Joyce:

• O personagem Flynn, ou seja, o padre, é associado recorrentemente à imagem da igreja católica irlandesa;

• Até mesmo a data da morte de Flynn reflete em um momento histórico para o catolicismo irlandês. Ele morreu em 1º de julho do ano de 1895. Primeiramente, devemos destacar a analogia ao dia Primeiro de Julho, data em que anualmente se comemora o precioso sangue do Senhor. Por outro lado, 1895 foi o ano do centenário de “Maynooth”, um importantíssimo evento Católico na Irlanda no formato de seminário.

• Durante a história, o padre é acometido por uma paralisia. Essa condição, que também afeta outros personagens da história, é vista pelos críticos como uma referência à espécie de ‘paralisia’ dominante na Igreja Católica Irlandesa.

• Essa mesma temática presente em As Irmãs também é vista em outros contos e obras de James Joyce, como no livro “O Retrato do Artista quando Jovem”, por exemplo.

• Do começo ao fim do conto o narrador deixa muito claro quando há – ou quando não há – presença de luminosidade na cena – seja por meio de luzes, sombras, escuridões e assim por diante;

• Outro ponto também destacado pelos críticos é a importância do garoto na história, que não consegue se esquecer dos ensinamentos do padre mesmo após a sua morte.