Formação de Palavras pela Derivação e Composição


Formação de Palavras

As palavras existentes na Língua Portuguesa podem ser originárias de dois processos: derivação ou composição.

Formação de Palavras pela Derivação

A derivação consiste em formar palavras a partir da junção de prefixos e sufixos ao radical de uma palavra primitiva. Com essa junção, forma-se então uma nova palavra. Vale lembrar aqui que o radical é a parte da palavra que contém a sua carga semântica, ou seja, todo o significado dessa palavra pode ser compreendido a partir do seu radical.

As palavras que são formadas por meio da derivação, apesar de terem como base o mesmo radical, ganham uma nova função linguística e um novo valor gramatical.

O processo de derivação pode ser classificado em:

– Derivação prefixal: quando um prefixo é colocado à frente do radical.

– Derivação sufixal: quando um sufixo é colocado depois do radical.

– Derivação prefixal e sufixal – quando o radical recebe um prefixo e um sufixo.

Essas são as formas mais comuns de derivação, mas existem também a derivação parassintética, derivação regressiva e a derivação imprópria.

Assim, entende-se que quando se trata de derivação, significa que um radical pode dar origem a outras palavras.

Composição

Outro processo de formação das palavras é a composição. Diferente da derivação, na composição as palavras são formadas a partir da junção de dois radicais, que ganham um novo significado.

São dois os tipos de composição:

– Justaposição: processo no qual duas palavras são unidas, porém, sem a perda de fonemas.
Exemplos de justaposição: segunda-feira, beija-flor, passatempo.

– Aglutinação: processo no qual as duas palavras são unidas, se tornando apenas uma, apresentando a perda de sílabas ou de fonema.
Exemplos de aglutinação: embora, fidalgo, aguardente.

A derivação e a composição são os processos mais comuns de formação de palavras, mas existem outros, como o hibridismo, significação, redução e neologismo.