Regras de Acentuação e Estudo do Substantivo como Classe de Palavra


No português, quase todas as palavras apresentam uma sílaba tónica, ou seja, uma sílaba que é pronuncia­da com mais força. Essa sílaba nem sempre é acentuada e, em alguns casos, a mudança de posição da sílaba tó­nica implica mudança de significado. Perceba que nesse pequeno texto as palavras paroxítonas são maioria, seguidas pelas oxítonas e, com menor número, pelas proparoxítonas. De todas as paroxítonas listadas acima, apenas uma recebe acento gráfico, nenhuma oxítona está acentuada e a única proparoxítona, está acentuada. As palavras que formam a língua portuguesa seguem essa mesma lógica e, por­tanto, os acentos servem para marcar as palavras menos usuais.

Atenção!: As pá lavras oxítonas são menos numerosas (só os verbos terminados em e já são argumen­to suficiente para não se acentuarem as paroxítonas com essa terminação), portanto acentua-se sempre a minoria. Assim fica fácil saber por que todas as proparoxítonas são acentuadas…

Regras de Acentuação

Regras gerais
•         Proparoxítonas – todas devem ser acentuadas: árvore, católica, lâmpada, Atlântico, flácido, etc.
•         Paroxítonas – são acentuadas as que terminam em:
-i, -is – táxi, lápis, grátis; -us, -um, -uns – vírus, bónus, álbum; -l, -n, -r, -x, -ps – fácil, próton, açúcar, lá­tex, bíceps;
-ã, -as, -ao, -aos – irmã, órgão, bênção, sótãos; ditongo oral, crescente ou decrescente, se­guido ou não de s: pónei, vôlei, água, cárie, mágoas.
•     Oxítonas – acentuam-se as que terminam em:
-a, -as – Pará, aliás;
-e, -es – café, você, jacarés;
-o, -os – avô, robô, supôs;
-em, -ens: também, vinténs, alguém.
verbos seguidos de -lo(s) e -la(s) – dá-lo,
vê-lo, pô-lo.
•     Monossílabos tónicos – são acentuados os ter­minados em:
-a, -as – pá, gás. -e, -es – pé, mês. -o, -os – só, nós.

Regras  especiais
•     Hiatos: Acentua-se a vogal (i ou u) tónica dos hia­tos, desde que esteja sozinha na sílaba ou seguida de -s: sa-í-da, pro-í-bo, re-ú-ne, vi-ú-va. Portanto não se acentuam: a-men-do-im, a-in-da, con-tri-bu-ir, ra-iz, ju-iz, ru-im. Exceção: os hiatos em -i- seguidos de -nh-não devem ser acentuados — ra-i-nha, ba-i-nha, mo-i-nho, cam-pa-i-nha. Acentua-se a vogal tónica dos hiatos -oo- e -ee- – voo, enjoo, magoo, prevêem, relêem.
Ditongos – são acentuados os ditongos abertos eu, éi, ói, seguidos ou não de s – geléia, chapéu, bóia.

• Trema – o trema que, como o til (~), não é acento indicador de tonicidade, é utilizado sobre o u, antecedido de q ou g e seguido de e ou i, sempre que ele for átono e pronunciado. Quando é tónico, nas mesmas circunstân­cias, o u é acentuado. Observe o esquema. TREMA / ACENTO: U átono e pronunciado —> trema: arguição, tranquilo U tónico —> acento: averigúe, apazigúe

Classes de palavras – substantivo

interjeição – exprime sentimento ou emoção; numeral – indica quantidade ou ordem dos seres; preposição – liga dois termos de uma oração. As mais usuais são: a, ante, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, por, perante, sem, sobre, sob e trás. pronome – acompanha ou substitui o nome, con­siderando-o como pessoa do discurso; substantivo – dá nome aos seres; verbo – indica ação, estado, fenômeno ou fato.

Por meio da leitura dos quadrinhos é possível con­cluir que os substantivos e os verbos são as palavras mais recorrentes na língua portuguesa. Todas as palavras da língua portuguesa têm finalida­des específicas e agrupam-se em classes que chamamos de classes gramaticais:
•         adjetivo – caracteriza (ou qualifica) os seres;
•         advérbio – exprime circunstância de tempo, modo, lugar, etc.;
•         artigo – acompanha o substantivo, determinan­do-o ou indeterminando-o;
•         conjugação – relaciona duas orações ou termos semelhantes;

Os poetas gostam muito de questionar a arbitrarie­dade das classificações gramaticais, por isso estão sem­pre atribuindo novos significados a velhas palavras, tra­zendo-as para contextos diferentes e inusitados.

Classificação do substantivo

Quando as crianças estão aprendendo a falar, é mui­to comum elas associarem as coisas e os seres a aspec­tos sonoros e visuais, por isso é muito mais fácil falar “au-au” para o cachorro ou “tchau-tchau” para um pas­seio. No processo de aquisição da língua, vamos nos acostumando com as palavras e com o que elas desig­nam. Repare que o escritor Arnaldo Antunes faz uma brincadeira com os nomes das cores, dos seres e dos bi­chos. Convencionou-se chamar a cor vermelha dessa maneira e há várias explicações para a etimologia da palavra. Mas se os nomes das cores fossem trocados? Seria fácil reaprendermos o significado deles?

Atenção!: Além dessas classificações, é preciso domi­nar as flexões de gênero (masculino e femini­no), de número (singular e plural) e de grau (aumentativo e diminutivo). Os substantivos também podem ser classificados em comum-de-dois, sobrecomuns e epicenos.

•         Comuns-de-dois – referem-se a pessoas; apre­sentam uma única forma para os dois gêneros e a distinção é feita pelas palavras que os acompanham: o artista/a artista; um colega/uma colega; aquela estudante/aquele estudante.
•         Sobrecomuns – palavras de um só gênero (mas­culinas ou femininas) que designam pessoas de ambos os sexos: o cônjuge, a testemunha, a criança, a pessoa, a criatura, a vítima.
•         Epicenos – substantivos de um só gênero, que nomeiam animais de ambos os sexos e algu­mas plantas: a baleia, a borboleta, o jacaré, a
cobra, a palmeira, o mamoeiro, o limoeiro. Quando se quer especificar o sexo, usam-se expressões como: jacaré macho, tigre fêmea,
mamoeiro fêmea.

Plural dos substantivos compostos

Os substantivos compostos que são ligados por hí­fen costumam gerar muitas dúvidas quando precisam ser grafados no plural.
•         Nos compostos em que o primeiro elemento é um verbo ou uma palavra invariável (geralmente um advérbio) e o segundo elemento é um substantivo ou um adjetivo, coloca-se apenas o segundo elemento no plural: beija-flor – beija-flo­res; abaixo-assinado – abaixo-assinados.
•         Nos compostos em que ambos os elementos são variáveis, os dois vão para o plural: guarda-civil – guardas-civis; bóia-fria – bóias-frias.
•         Substantivos compostos formados por dois subs­tantivos em que o segundo dá ideia de finalida­de, semelhança ou limitação do primeiro, só o
primeiro vai para o plural: pombo-correio – pombos-correio; navio-escola — navios-escola; salário-família – salários-família.
•         Nos compostos cujos elementos são unidos por preposição, só o primeiro elemento vai para o plural: pão-de-ló – pães-de-ló; copo-de-leite –
copos-de-leite.
•         Nos compostos formados por palavras repetidas, só a segunda vai para o plural: teco-teco — teco-tecos;  pingue-pongue – pingue-pongues.