Processo de Formação de Palavras através da Composição e Derivação


Formação   das   palavras

Composição

Quanto à sua formação, as palavras podem ser:
•     simples – é a palavra que possui apenas um radical. mar, florista, beleza
•     composta – é aquela que possui mais de um radical. beija-flor, passatempo
•     primitiva – é aquela que não se formou de ne­nhuma outra palavra. pedra, bola, doce
•     derivada – é aquela que se formou de uma outra, geralmente por meio de afixo acrescen­tado ao radical. pedreira, refazer, docinho

Processo de Formação de Palavras

Derivação
•          Prefixai – acrescenta-se um prefixo ao radical: infeliz, rever.
•          Sufixai – nesse caso, ao radical soma-se um sufixo: jornaleiro, pintor.
•          Prefixai e sufixai – somam-se ao radical um prefixo e um sufixo. É importante perceber que esse acréscimo de afixos não é simultâneo.

Pode-se supor que a palavra feliz, à qual se acrescentou o prefixo in-, deu origem ao adjetivo infeliz, ao qual posteriormente se acres­centou o sufixo -mente, dando origem ao ad­vérbio infelizmente. O mesmo ocorre em pala­vras como deslealdade.

•          Parassintética – a nova palavra é formada por meio de um prefixo e um sufixo colocados ao mesmo tempo; é a simultaneidade na coloca­ção dos afixos que diferencia esse processo da derivação prefixai e sufixai. Em empobre­cer, não se pode imaginar o termo empobre ou pobrecer. Com isso, percebe-se que a pa­lavra empobrecer só existe se os afixos forem colocados ao mesmo tempo.
•          Regressiva – há uma diminuição da palavra; geralmente, trata-se de substantivo derivado de verbo, por isso mesmo esse tipo de deriva­ção também se chama deverbal: luta (de lu­tar), ajuste (de ajustar), canto (de cantar). Há casos em que a redução se dá a partir de subs­tantivos: sarampo (de sarampão), gajo (degajão) e boteco (de botequim).

Derivação imprópria

Ocorre quando uma determinada palavra, sem so­frer acréscimo ou supressão em sua forma, muda de classe gramatical. Ela sempre fala bonito nas reuniões. Observe que, na frase lida, o adjetivo bonito está sendo empregado como um advérbio de modo. É um processo no qual há a junção de dois ou mais radicais para se obter uma nova palavra. Há dois tipos de composição:

a.    composição por justaposição – quando as pa­lavras associadas conservam seu acento tóni­co e seus fonemas: meio-dia, pé-de-vento, passatempo;
b.   composição por aglutinação – quando as pa­lavras associadas se fundem e formam um todo fonético: cabisbaixo (cabeça + baixa), outrora (outra + hora), planalto (plano + alto).

Outros processos de formação de palavras

Hibridismo

Ocorre quando a palavra se forma a partir de radi­cais e afixos provenientes de línguas diferentes. alcoômetro – árabe e grego burocracia – francês e grego goiabeira – tupi e português sociologia – latim e grego. Para se identificar com segurança a origem das formações híbridas, é necessário consultar um dicio­nário de etimologia.

Atualmente, além do contínuo uso de prefixos e sufixos gregos e latinos, algumas preposições e ad­vérbios vêm sendo usados como prefixos, o que evi­dencia o dinamismo da língua. Os sem-terra farão uma nova passeata no centro da cidade. Os membros não-participantes do conselho peda­gógico deverão se retirar agora.

Conforme você deve ter percebido, o uso de uma preposição ou advérbio como prefixo nos oferece uma forma sintética de expressão, e esse recurso tem sido muito utilizado principalmente em textos jornalísticos e publicitários. Ao escrever um texto em linguagem re­comenda-se o emprego de estrangeirismos somente quando não houver em língua portuguesa uma palavra correspondente ou aportuguesada. É muito comum, hoje, depararmo-nos com uma série de palavras aportuguesadas. Basta, por exemplo, observarmos alguns termos muito empregados na lin­guagem da informática.

to delete (inglês) —> deletar
to formai (inglês) —> formatar
to scan (inglês) —> escanear

Os exemplos dados são todos provenientes da lín­gua inglesa, mas não é só a partir de vocábulos ingle­ses que criamos as palavras aportuguesadas. O estrangeirismo procedente do inglês é cha­mado anglicismo; o do francês, galicismo; e do espanhol, espanholismo.

Abreviação ou redução

É quando se reduz uma palavra com o objetivo de economizar tempo e espaço na comunicação falada e escrita ou até mesmo por uma questão de afetividade. motocicleta – moto José – Zé cinema – cine pornográfico – pornô. Não confunda abreviação vocabular com abre­viatura, sigla ou símbolo.
Observe.
doutor —> ar. (abreviatura)
Fundo Monetário Internacional —» FMI (sigla)
quilograma —> kg (símbolo)

Palavra-valise

Este processo tem sido usado algumas vezes na língua portuguesa. Consiste na junção de duas pala­vras primitivas ou já existentes para formar uma pala­vra nova. Exemplos:
portunhol (português + espanhol)
brasiguaio (brasileiro + paraguaio)
showmício (show + comício)

Criação semântica

Atualmente, muitas palavras estão sendo criadas por esse processo, principalmente por causa da informática. Mas o que é criação semântica?Trata-se de um processo de criação de palavras que se dá pela mudança de significado de uma pala­vra já existente. Veja alguns exemplos desse processo:
surfista ferroviário (termo usado para denominar aquele que viaja em cima dos vagões de trem)
navegar (termo empregado pelos usuários da internet e que significa pesquisar algum assunto em diversos sites)
vírus (no contexto da informática, ganhou um sen­tido especial, diferente daquele conhecido na Biologia)

Estrangeirismo

É o emprego de palavras estrangeiras que pene­tram na língua por meio de contatos sociais entre os povos. Podemos citar como exemplos as palavras mouse, office-boy, know-how, apartheid, entre outras.