Eliminação – Reação Orgânica – Química


Hoje iremos falar sobre um assunto muito importante, e extensamente cobrado em vestibulares: as reações orgânicas.

Conceito e um pouco de história

Para começarmos da melhor maneira possível, vamos retomar o conceito. A reação orgânica, nada mais é, do que um tipo de reação química dos compostos orgânicos (substâncias químicas que apresentam em sua formação estrutural o Carbono, e também, o Hidrogênio).

Várias são as funções atribuídas a esse processo químico, entre as quais: síntese orgânica (utilizadas para formação de novas moléculas orgânicas), além disso, muitos produtos e objetos utilizados pelos seres humanos dependem de tal processo, como exemplo pode-se citar a produção do plástico, e até mesmo, de algumas drogas farmacológicas.

Eliminação – Reação Orgânica

As reações orgânicas foram descobertas há muito tempo, as mais antigas formas são a queima de combustíveis orgânicos, e também a “saponificação” de certas gorduras, para posteriormente serem utilizadas na produção de sabão.

É possível observar a história de diversos pesquisadores que ganharam até mesmo o Prêmio Nobel de Química em função da descoberta – ou mesmo da elaboração de novas hipóteses – para as sínteses de reação orgânica, aqui cita-se Grignard no ano de 1912, Diels – Alder em 1950, e por fim, Wittig em 1979. Mais recentemente, pode-se citar a “Metátese de Olefina” descoberta em 2005.

As reações orgânicas podem ser divididas em seis tipos: reações de adição, de eliminação, substituição, pericíclicas, rearranjo, ou, transposição, e por fim, reações de redox.

Este artigo tem seu foco na reação de eliminação, portanto é essa que iremos ver detalhadamente.

As reações de eliminação

Neste tipo de reação orgânica acontece a saída, ou desprendimento, de ligantes de uma determinada molécula. Mas é bom lembrar, isso acontece sem que os ligamentos que foram eliminados sejam substituídos por outros.

Como exemplo de reação orgânica de eliminação, podemos citar a “desidratação intramolecular de alcoóis”. Neste processo os átomos que estão presentes nas moléculas dos reagentes orgânicos tendem a ficar cada vez mais escassos, em função da molécula de água que se desprende, portanto, é eliminada.

Como você deve imaginar o nome dessa reação é: eliminação de água, ou, desidratação. Mas, há ainda outros tipos de reação de eliminação, vamos a algumas delas:

De-halogenação – Eliminado halogênios

Por se tratarem de “eletronegativos” os halogênios apresentam maior facilidade de eliminação, o processo ganha ainda a ajuda dos “eletropositivos”. A título de exemplo pode-se citar a reação que ocorre com o brometo de etileno – um eletronegativo – com o zinco – um eletropositivo -. Toda reação é catalisada por um tipo de álcool que, como resultado produz um alceno.

As múltiplas eliminações

Processo onde a eliminação ocorre por mais de uma vez em uma mesma molécula, neste caso ocorre que duas novas ligações duplas, ou até mesmo triplas, poderão ser formadas. A indústria petroquímica, por exemplo, utiliza fortemente este processo em uma reação denominada “desidrogenação”.

Desidro – Halogenação

Nesse processo a regra é a seguinte: carbonos menos hidrogenados perderão os poucos hidrogênios que possuem com muito mais facilidade do que se estivessem “fortemente hidrogenados”.

Em geral, neste tipo de reação há a ação do hidróxido de potássio em meio a uma solução considerada alcoólica. Por se tratar de um ácido, o Hidrogênio acaba sendo facilmente retirado da molécula a partir do hidróxido de potássio, que é uma base.

Eliminado grupos afastados ou átomos

Quando falamos em reação de eliminação é bom ter em mente que o processo acontece de forma a eliminar átomos que compõem grupos próximos – vizinhos propriamente ditos -.

Mas há algumas exceções, como é o caso da eliminação de grupos afastados na cadeia de carbonos, tal reação origina um tipo de composto denominado “cíclico”, portanto, um tipo de composto onde diversos átomos da cadeia de carbono unem-se formando algo muito parecido com a figura de um anel.

Fatores que determinam as reações

Tanto para reações orgânicas, quanto para químicas existem fatores específicos que podem influenciar desde a estabilidade de alguns reagentes, passando pela conjugação, até, a estabilidade de certos “reativos intermediários”.

Um fator extremamente importante para uma reação orgânica, por exemplo, é a seletividade que deve se basear em regioseletividade, diastereoseletividade, ou ainda, a enantioseletividade.

Entrando um pouco mais a fundo no mundo das reações orgânicas, pode-se dizer que estas são importantes em virtude de serem grandes responsáveis pela produção de diversos medicamentos, por exemplo.

Para, além disso, cabe lembrar que diversas indústrias utilizam esses processos, como por exemplo, a petroquímica acima citada. Até mesmo na produção de alguns alimentos e bebidas tais reações tem grande importância.

Há ainda que se citar a importância não apenas das reações, mas da química como um todo em diversos processos do cotidiano, afinal, desde medicamentos, até a produção de adubos e insumos agrícolas essa tecnologia nos acompanha.

Esperando ter lhe ajudado com mais este tema agradecemos sua visita ao nosso site de pesquisa. Até mais e bons estudos!