Propriedades Funcionais dos Ácidos e das Bases: Nomenclatura, Definição e Classificação


CLASSICAÇÃO ÁCIDOS BASES
1. Estrutura ou natureza química moleculares iônicos: hidróxidos alcalinos e alcalinos terrosos. Moleculares: os demais hidróxidos.
2. Solubilidade A maior parte é solúvel Solúveis: hidróxidos alcalinos e alcalinos terrosos. Insolúveis: demais bases.
3. Condutividade elétrica Apenas em solução aquosa Conduzem em solução aquosa e no caso dos alcalinos, por serem iônicos, também conduzem quando se encontram fundidos.
4. Sabor Azedo (limão, vinagre, laranja, etc.) Cáustico ou adstringente (banana verde, leite de magnésia, etc.)

Propriedades Funcionais dos Ácidos e das Bases

Indicadores ácido-base

Algumas substâncias são amplamente utilizadas para indicar a presença de ácido ou base em um determinado meio. Essas substâncias são chamadas de indicadores. A adição de indicadores normalmente altera a coloração do meio testado, sendo que as cores indicam a sua acidez ou a basicidade (alcalinidade). Entre os indicadores citaremos os de uso mais comum em laboratórios; são eles: o tornassol, a fenolftaleína e o alaranjado de metila.

Sais

O mar é uma solução aquosa composta de vários sais, princi­palmente NaCf, MgC*2, MgSO4, CaSO4, KC^, CaCO3 e KBr.

Definição

São compostos iônicos formados a partir de uma reação de neutralização entre um ácido e uma base. Podemos complementar a definição acima dizendo que os sais são compostos iônicos que devem apre­sentar um cátion diferente de H+ e um ânion diferente de OH-.

Formulação

A fórmula de um sal é escrita unindo-se os cátions e os ânions de forma que suas respectivas cargas se anulem. De forma esquemática, a fórmula de um sal obede­ce à seguinte regra:

cloreto de ferro II
cloreto ferroso (oso = menor nox)
nitrato de chumbo IV nitrato plúmbico
nitrato de chumbo II nitrato plumboso

Classificação dos sais

Quanto à solubilidade

Para os metais que possuem nox variável, a nonenclatura de seus sais será diferenciada pela presença das terminações iço e oso e também por algarisnos romanos.

Quanto ao tipo de reacão de neutralização

Sais normais ou neutros: formados a partir de reações de neutralização total. (NaCX FeC^2, LiBr, Ca(NO3)2,…).
Hidroxisais (sais básicos): formados a partir de reações de neutralização parcial de di, tri, tetrácidos e de di, tri, tetrabases.
Hidrogenosais (sais ácidos)

Com relação aos hidrogeno-sais a sua formulação poderá ser entendida analisando uma reaçâo de neutralização parcial. Antes de representarmos a formação de um hidrogeno-sal, observe que, na reaçâo, o número total de cátions H+ não neutraliza o número total de ânions OH~.

Note que um dos H+ ionizáveis do ácido não foi utilizado para a formação da molécula de água, sendo que ele participa na constituição da fórmula do sal. Um dos grupos OH’ não foi utilizado na formação da água e, assim, ele participa da constituição do sal. Outros exemplos:

Para dar nome a um hidrogeno-sal, normalmente são aplicadas duas regras de nomenclatura: Usando as expressões e os prefixos (mono, di, tri) – (mono)hidrogeno, di-hidrogeno, tri-hidrogeno.

Exemplos:
NaHCO3 – (mono) hidrogeno-carbonato de sódio CaHPO4 – (mono) hidrogeno-fosfato de cálcio LiHSO4 – (mono) hidrogeno-sulfato de lítio NaH2PO4 –
di-hidrogeno-fosfato de sódio.

Indicando a presença do H+ ácido por meio da expressão (mono) ácido, diácido, triácido. Exemplos: NaHCO3 – carbonato (mono)  ácido de sódio CaHPO4 – fosfato (mono) ácido de cálcio LiHSO4 – sulfato (mono) ácido de lítio NaH2PO4 – fosfato diácido de sódio. Para sais ácidos que foram formados a partir de um diácido, é comum o uso do prefixo bi.

A nomenclatura de um sal básico é dada utilizan­do as seguintes expressões:
•     (mono) básico, dibásico, tribásico. Bi(OH)C^2 – cloreto (mono) básico de bismuto Bi(OH)2C^ – cloreto dibásico de bismuto
•     (mono) hidróxi, di-hidróxi, tri-hidróxi. Bi(OH)C^ – (mono) hidróxi-cloreto de bismuto Bi(OH)2C^ – di-hidróxi-cloreto de bismuto

Sais duplos

São formados por meio das reações de neutralização quando di, tri, tetrácido reagem com bases diferentes. NaHCO3 – bicarbonato de sódio (formado a partir do diácido H2CO3)

Hidroxí-sais ou sais básicos

Os sais básicos, ou hidróxi-sais, são formados a partir da neutralização parcial de uma di, tri ou tetrabase. Observe que a formação de um sal básico obedece ao mesmo processo de formação de um sal ácido, po­rém o ânion OH~ deverá aparecer na fórmula do hidróxisal.

Abreviadamente, escrevemos a reação da seguin­te forma:

LiOH   + NaOH + H2SO3 -» LiNaSO3 + 2H2O
KOH   +   H3PO4    -»    Na2KPO4 + 3H2O
NaOH NaOH
Na+Na+K+PO,3-   + 3HOH
De forma abreviada, temos:
KOH + 2NaOH   + I^PO,  -> Na2KPO4 + 3H2O

Usando como exemplo os dois sais anteriores, os nomes dos sais duplos, quanto ao cátion, serão escri­tos da seguinte maneira:
LiNaSO3 — sulfito de lítio e sódio Na2KPO4 — fosfato de disódio e potássio
Di, tri, tetrabase reagem com ácidos diferentes.

Representamos a dissociação de um sal da se­guinte maneira:

íons separados
Outros exemplos:

Nomes:

BaClI — iodeto cloreto de bário
A£SO4NO3 — nitrato sulfato de alumínio
Quanto ao número de elementos na fórmula
Binários: dois elementos na fórmula (NaCX KBr, FeC^3, Pt2S4, …)
Ternários: três elementos na fórmula (NaC^O3, MgS04, Fe(C^03)2, …)
Quaternários: quatro elementos na fórmula (NaCNO, MgNaPO4, …)

Reações de dissociação iônica  dos sais

Dissociar um sal significa separar os seus íons constituintes quando esse sal é colocado em presen­ça de água (meio aquoso). A seguir você saberá quais são os principais sais utilizados no dia-a-dia das pessoas.

Cloreto  de sódio  (NaCl)

Conhecido como sal de cozinha, o cloreto de sódio é obtido a partir da evaporação da água do mar, nas chamadas salinas. Extração de cloreto de sódio em uma salina. Como sabemos, o sal de cozinha desempenha um importante papel na culinária, sendo utilizado como condimento ou tempero para os alimen­tos. Além disso, é impor­tante destacar que o sal assume um importante papel no metabolismo humano, pois a sua ausência no organismo pode provocar doenças como o bócio (papo grande).

Na composição do sal de cozinha vendido no comércio, é importante o acréscimo dos sais iodeto de potássio e sódio (Nal e Kl), pois, na realidade, é a falta de iodo que provoca o bócio. Diariamente consumimos vários tipos de sais, mas no caso específico do NaCl, podemos citar sua utilização na fabricação de outros produtos, por exemplo:
•         produção de C^2 a partir da eletrólise do NaC^;
•         produção de soda cáustica (NaOH);
•         composição do soro fisiológico (solução aquosa de NaC-0;
•         produção de soro caseiro (ação contra a desidratação).

Carbonato de cálcio (CaCO3)

Observa-se a presença do carbonato de cálcio na constituição química do calcário e do mármore. Entre as várias utilizações desse sal, citaremos o seu uso na fabricação de vidro comum. O vidro foi inventado há cerca de 6 000 anos, graças às pesquisas de oleiros egípcios. Para se conseguir vidro, mistu­ram-se areia branca, soda, que facilita a fusão, e cal, que torna o vidro resistente. Nas cavernas de calcário, o CaCO3 é o principal constituinte na formação das estalactites e das estalagmites, que são formadas a partir da precipitação desse sal.

Nitrato de sódio (NaNO3)

Conhecido como salitre do Chile, o nitrato de sódio é utilizado na produção de explosivos, como a pólvora negra.

Fluoreto de potássio  (KF)

Encontrado em cremes dentais, atua como anticárie.

Sulfato de cálcio (CaSO)

O sulfato de cálcio é encontrado na forma de gipsita (sulfato de cálcio di-hidratado), e entre suas aplicações destacamos a fabricação de gesso usado na decoração e acabamentos na construção civil. O gesso é constituído de sulfato de cálcio di-hidratado mas, quando aquecido, produz o sulfato de cálcio (CaSO4), anidrido que é utilizado na fabricação do giz.

Fosfato de cálcio (CaJPO)

É um sal muito importante na constituição dos ossos, podendo ser obtido a partir da calcinação (queima) de ossos de animais. Além disso, trata-se do sal responsável pela formação do elemento fósforo na crosta terrestre.