Tempo de Meia-Vida, Fissão Nuclear e Fusão Nuclear


Fissão Nuclear e Fusão Nuclear

Tempo de Meia-Vida
Tempo de meia-vida – ou período de desidratação – significa o tempo gasto para que 50% – metade – da quantidade de um radionuclídeo de uma amostra sofra o que chamamos de decaimento radioativo.
Vale destacar: se a massa de um radioisótopo é reduzida até a metade, também se reduzem o número de átomos, mols e a atividade radioativa dele.
O tempo de meia-vida é uma característica comum de cada radionuclídeo e isso independe de quaisquer fatores externos, já que se trata de um fenômeno radioativo.
Normalmente, o tempo de meia-vida é representado por um P.

Fissão Nuclear
É processo nuclear no qual ocorre a quebra de núcleos grandes em núcleos menores, liberando grandes quantidades de energia.
Ocorre por meio de uma colisão entre uma partícula atômica e um grande núcleo, que irá produzir dois núcleos menores, outras partículas subatômicas de forma a liberar energia.

Pode funcionar como uma reação em cadeia: uma partícula se quebra em dois núcleos menores, libera mais partículas, que, consequentemente, irão atingir outras e provocar novas quebras
Um exemplo de fissão: 1 g de urânio-235, ao sofrer fissão, libera tanta energia, que pode formar cerca de trinta toneladas do explosivo TNT.

Fusão Nuclear
Já a fusão nuclear é o processo em que se unem núcleos pequenos, formando núcleos maiores, e liberando grande quantidade de energia.
Vale destacar: a fusão nuclear ocorre em temperaturas muito elevadas – pelo menos 10 milhões de graus Celsius.
Um exemplo: O Sol é uma imensa esfera de hidrogênio, de elevada temperatura, em que ocorrem a fusão dos átomos desse elemento, formando novos átomos mais pesados, que liberam energia em forma de luz e calor para a Terra.

Dicas: Toda a energia liberada na reação de fusão nuclear vai ser muito maior do que nas reações de fissão nuclear