Diferenças entre tecnólogo, bacharelado e licenciatura


Diferenças entre tecnólogo, bacharelado e licenciatura

Antes de entender a diferença entre tecnólogo, bacharelado e licenciatura é preciso entender o que eles têm em comum. Todas são modalidades de cursos superiores e conferem diploma de graduação aos formandos.

Esclarecido o que essas modalidades de curso superior têm em comum, o próximo passo é esclarecer quais as diferenças essenciais entre elas.

diferencas-entre-tecnologo-bacharelado-e-licenciatura

Bacharelado

O bacharelado é a modalidade mais tradicional, com duração entre 4 e 6 anos. Conta com um conteúdo bastante abrangente, que qualifica o bacharel a atuar em diversas funções para as quais o diploma o qualifica dentro de sua área.

Recomenda-se a quem conclui o bacharelado e já tenha mais amadurecido o seu plano de carreira, qualificar-se profissionalmente com especializações, através dos cursos de pós-graduação.

Licenciatura

A licenciatura segue uma agenda bem parecida com a do bacharelado. A diferença é que os licenciados estão habilitados a lecionar no ensino básico e exercer a atividade de pesquisadores dentro de suas áreas de estudo.

Tecnólogo

Os cursos de tecnólogo têm como principal característica a duração mais curta, de dois a três anos, com ênfase absoluta na formação profissional, com a finalidade de qualificar o tecnólogo para atuar em uma área bem específica. Pode-se dizer que o curso de tecnólogo é uma forma de especialização mais completa, que pode ser o caminho de quem busca também conhecimento, mas prioriza uma rápida colocação no mercado de trabalho.

São exemplos de formações específicas de tecnólogos os cursos de: Petróleo e Gás, Produção Gráfica, Design de Moda, Design de Produto, Produção Publicitária, Produção Audiovisual, Gerenciamento de Tráfego Aéreo, Gestão Desportiva e de Lazer, Hotelaria, Geoprocessamento, Gestão da Qualidade, Gestão Pública e Logística.

Como se pode observar, são áreas bem específicas, que demandam um conhecimento mais refinado que aquele conhecimento especificamente técnico, razão pela qual são cursos de graduação.

Como escolher entre tecnólogo, bacharelado e licenciatura

O bacharelado e a licenciatura são as graduações mais tradicionais. Quando o estudante conclui o segundo grau e tem uma boa ideia do que deseja fazer o caminho é optar pelo bacharelado, exceto já tenha identificado plenamente a sua vocação para o magistrado.

Nesse último caso, o estudante deve optar pela licenciatura, que se diferencia do bacharelado pela presença de matérias de cunho pedagógico. Vale reiterar que a licenciatura qualifica o licenciado a lecionar exclusivamente no ensino básico.

Nesse aspecto, a licenciatura se aproxima da formação em tecnólogo, uma vez que sinaliza uma definição clara pela carreira a seguir. Vale lembrar que em ambos os casos o estágio, justamente em razão dessa peculiaridade, é obrigatório.

Vale ressaltar, também, que os tecnólogos e bacharéis também podem lecionar, porém exclusivamente no ensino superior ou de pós-graduação. Exige-se desses um curso de especialização (pós-graduação). Já o licenciado, para lecionar no ensino superior, precisa, também, de uma pós-graduação.

Exceto que o estudante esteja resolvido a seguir o magistério, o mais indicado é sempre o ensino mais generalista, qual seja o bacharelado, que confere ao estudante uma formação mais sólida e voltada para o auto-desenvolvimento e formação, teórica e prática, estabelecendo contato com áreas diversas do conhecimento e abrindo opções de caminhos a serem seguidos.

Sem dúvida que o bacharel estará em desvantagem com o tecnólogo na hora que for concorrer a uma colocação específica no mercado de trabalho. Mesmo essa desvantagem pode, todavia, ser contornada e até transformada em vantagem competitiva com a realização de uma especialização. Um curso de pós-graduação tem a duração de um a dois anos, no máximo.

O aprendizado de um bacharel oferece uma visão mais ampla e crítica do mercado, o que oferece a oportunidade de uma escolha mais segura.

Uma oportunidade e um risco

Isso não quer dizer que a escolha por uma graduação em tecnólogo não seja segura. Muito pelo contrário, dependendo da maturidade da decisão, tende a ser a melhor delas.

O problema é que muitos jovens e até pessoas mais maduras optam pela graduação em tecnólogo levando em consideração apenas a necessidade financeira.

Se o licenciado chega ao final do curso e se desestimula com o ensino ou a pesquisa, ainda assim ele tem uma formação, que, em tese, está alinhada com aquilo que ele espera desempenhar profissionalmente. Ele não fica inferiorizado na disputa pelo mercado em relação ao bacharel.

Já no caso da formação tecnológica, é comum as pessoas se frustrarem em função, não de sua escolha, mas dos critérios usados para fazê-la.

Antes de se decidir pela graduação em tecnólogo, é preciso analisar detalhadamente essa escolha. Há perguntas que precisam ser feitas antes da matrícula, tais como:

“É isso mesmo que eu quero?”
“Essa profissão vai me fazer feliz?”
“Eu tenho aptidão para a área que estou escolhendo?”
“Qual a tendência para essa área? Está em expansão? A relação oferta x procura de empregos na área é favorável?”

São perguntas que precisam ser feitas exaustivamente antes da decisão, porque o curso tecnológico é muito específico, restringindo as escolhas a partir da graduação. A universidade deve ser o início de um caminho, analisando do ponto de vista profissional, e mais um passo, do ponto de vista da formação humana. Nesse aspecto, o bacharelado preenche de forma mais completa aquilo que se entende por ensino superior e sua função dentro da sociedade.

Porém, se o estudante tem muito claro o que deseja fazer, se não vê a hora de colocar a mão da massa e ganhar dinheiro fazendo algo que lhe realiza profissionalmente, é hora de começar a fazer uma graduação tecnológica.

Outra situação em que a graduação em tecnólogo é muito recomendada é quando o profissional de nível médio está colocado no mercado de trabalho e a graduação se encaixa perfeitamente no planejamento de carreira dentro daquela área. Nesse caso, sem dúvida alguma, o ensino tecnológico não só é válido como é o mais indicado.